“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”

''REVERTERE AD LOCVM TVVM'

'Retornarás de onde vieste'


ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

17 de nov de 2017

JOACHIM VON RIBBENTROP - 1165 - Cremado





Cremado,  as cinzas foram  espalhadas no Wenzbach / Conwentzbach, uma pequena corrente em Munique.
As cinzas dos membros do governo alemão sentenciados à morte pelo Tribunal de Nuremberg e enforcados, bem como as cinzas de Hermann Goering e Alfred Jodl , foram distribuídas à Wenzbach por funcionários dos EUA em outubro de 1946. O local está localizado a cerca de 150 metros antes da confluência do Wenzbach no canal da jangada. "Na quarta-feira, 16 de outubro de 1946, os soldados dos EUA, o major Rex S. Morgan, a 75 metros abaixo da casa nº 25 da Heilmannstrasse em Munique-Solln, enterraram Leichenasche com apenas três metros de largura, na presença do Chefe do Exército dos EUA [Wenzbach] " - Preußische Allgemeine Zeitung , 25 de fevereiro de 2006  Mesmo depois de mais de 60 anos, o nome do fluxo é freqüentemente dado em "Conwentzbach" em livros de história e artigos de jornal. Última na revista " Der Spiegel " de 4 de abril de 2005.  Uma vez que a Conwentzstrasse corre na proximidade direta do Wenzbach, o nome do ribeiro provavelmente foi erroneamente escrito por um historiador em pesquisa anterior, que foi então assumido sem controle pelos outros "historiadores" e jornalistas.

Local: O Wenzbach (curso a oeste de Conventzstrasse). Ao leste desta é a reunião do canal da
           jangada com o Isarkanal, no topo da qual é a escultura de bronze " Der Isarflößer " de Fritz                Koelle . Na borda superior da imagem, o Wenzbach flui para a Conventzstrasse, atravessando              o  canal da jangada. O local em que as cinzas dos membros do governo alemão foram                          espalhados está localizado à esquerda da Conventzstrasse, a cerca de 100 metros ao sul da                    Hinterbrühlerweg (ponte sobre o Isarkanal) na borda inferior da imagem.

Joachim von Ribbentrop
Ribbentrop em 1938.
Ministro de Relações Exteriores
da Alemanha Nazista
Período4 de fevereiro de 1938 - 30 de maio de 1945
FührerAdolf Hitler
Antecessor(a)Konstantin von Neurath
Sucessor(a)Arthur Seyss-Inquart
Dados pessoais
Nome completoUlrich Friedrich Wilhelm Joachim von Ribbentrop
Nascimento30 de abril de 1893
WeselImpério Alemão
Morte16 de outubro de 1946 (53 anos)
NurembergueAlemanha
Nacionalidadealemão
EsposaAnna Elisabeth Henkell
Filhos5
PartidoAlemanha Nazi Partido Nazista
Serviço militar
Serviço/ramoExército Alemão
Batalhas/guerrasPrimeira Guerra Mundial



PERSONAGEM
Ulrich Friedrich Wilhelm Joachim von Ribbentrop (Wesel, 30 de abril de 1893 — Nuremberga, 16 de outubro de 1946) foi um político alemão, ministro de Relações Exteriores da Alemanha Nazista entre 1938 e 1945 e uma das principais e influentes figuras do Terceiro Reich de Adolf Hitler. Foi também um dos líderes nazistas acusado de crimes contra a humanidade pelo Tribunal de Nuremberg, condenado à morte e enforcado após a derrota e rendição alemã na Segunda Guerra Mundial.
Morreu aos 53 anos de idade.

SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
Ribbentrop nasceu na Prússia, filho de um oficial do exército do Kaiser alemão, e teve uma educação errática em escolas particulares da Alemanha e da Suíça até a metade da adolescência. Fluente em francês e inglês, ele e a família viveram períodos em Grenoble e em Londres, antes de mudarem-se para o Canadá em 1910.

Até ao início da I Guerra Mundial trabalhou como engenheiro e jornalista em vários locais da América do Norte (Montreal, Nova Iorque e Boston) e dirigiu um negócio de importação de vinhos e champanhes alemães para o Canadá. Com o advento da guerra, ele deixou o Canadá e voltou para seu país em 1914, onde integrou o 125º batalhão de Hussardos.[5]Durante a guerra, lutou nas frentes oriental e ocidental, chegando à patente de tenente e sendo condecorado com a Cruz de Ferro.

Ribbentrop foi apresentado a Hitler em 1928, e filiou-se ao partido nazista em 1 de maio de 1932. Antes da Segunda Guerra Mundial, foi embaixador alemão no Reino Unido, de 1935 a 1938, e um dos protagonistas das negociações do sistema de alianças acordadas entre a Alemanha, a Itália e o Japão (conhecido como Pacto do Eixo). Também foi um dos promotores do plano de expansão alemão, que levou à anexação da Áustria e da Checoslováquia.

Tornou-se célebre por ter representado a Alemanha no chamado Pacto Ribbentrop-Molotov, um acordo de não agressão, firmado em Moscou, com a União Soviética, sendo esta representada por Viatcheslav Molotov.

Após a derrota alemã na guerra (1945) Ribbentrop foi capturado pelas tropas britânicas.

JULGAMENTO E EXECUÇÃO
O corpo de Joachim von Ribbentrop após a execução. Ribbentrop foi um dos réus dos julgamentos de Nuremberg.Tribunal Militar Internacional dos Aliados condenou-o por todas as quatro acusações: crimes contra a paz, planejando deliberadamente uma guerra de agressão; crimes de guerra e crimes contra a humanidade. De acordo com o julgamento, Ribbentrop esteve ativamente envolvido no planejamento da invasão da Polônia e, antes disso, na anexação da Áustria e da Checoslováquia. Também, segundo o tribunal, esteve intimamente envolvido na "solução final" e, já em 1942, ordenara aos diplomatas alemães em países do Eixo que intensificassem o processo de envio de judeus para campos de extermínio, no leste. Sempre segundo o veredito, Ribbentrop apoiou o linchamento de aviadores aliados, abatidos quando sobrevoavam a Alemanha e ajudou a encobrir o assassinato de um general francês, que era mantido como prisioneiro de guerra, em 1944. Ribbentrop foi também responsabilizado pelas atrocidades que aconteceram na Dinamarca e na França de Vichy, uma vez que, nesses dois países ocupados, os oficiais superiores se reportavam a ele. Ribbentrop afirmou que Hitler tomou todas as decisões importantes, e que ele havia sido enganado pelas repetidas afirmações de Hitler de que ele só queria a paz. O Tribunal rejeitou essa alegação, considerando que, dado o grau de envolvimento de Ribbentrop na execução da guerra, "ele não poderia desconhecer a natureza agressiva das ações de Hitler."

Corpo logo após a execução

As sentenças de morte em Nuremberg foram executadas a 16 de outubro de 1946. Ribbentrop foi o primeiro a ser morto (Göring cometera suicídio antes de sua execução). Suas últimas palavras foram: "Deus proteja a Alemanha. Deus tenha piedade de minha alma. Meu último desejo é que a Alemanha recupere a sua unidade e que, em nome da paz, haja entendimento entre o Oriente e o Ocidente. Desejo paz para o mundo." Membros do Exército dos EUA cremaram os restos de Ribbentrop e espalharam suas cinzas em local não especificado.

Segundo o historiador Giles MacDonogh, "o carrasco trabalhou mal na execução, e a corda estrangulou o ex-ministro das relações exteriores por 20 minutos antes que ele morresse."  O exército dos EUA negou as acusações de que a queda do corpo fora muito curta, fazendo com que o condenado morresse lentamente, por estrangulamento, em vez de ter o pescoço quebrado - o que teria causado paralisia, imobilização e provável inconsciência imediata, sobrevindo a morte rápida.

Fonte:pt.wikipedia.org
Formatação:Helio Rubiales


Nenhum comentário: