“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

Carregando...

9 de jan de 2017

MÁRIO SOARES - Arte Tumular - Cemitériodos dos Prazeres, Lisboa , Portugal





PERSONAGEM
Mário Alberto Nobre Lopes Soares  (Lisboa, 7 de dezembro de 1924 – Lisboa, 7 de janeiro de 2017) foi um político português.
Morreu aos 93 anos de idade.

SINOPSE
Político de profissão e vocação, co-fundador do Partido Socialista, a 19 de abril de 1973, o percurso de Mário Soares inicia-se nos grupos de oposição ao Estado Novo, atividades que levariam o governo de Salazar a deportá-lo para São Tomé, onde permaneceu até o governo de Marcello Caetano lhe permitir o exílio em França.

No processo de transição democrática subsequente ao 25 de abril de 1974 afirma-se como líder partidário no campo democrático, sendo ainda Ministro de alguns dos governos provisórios. Em seguida foi Primeiro-Ministro dos I, II e IX governos constitucionais, acompanhando o processo de construção de políticas sociais pré-adesão às Comunidades Europeias.


Foi Presidente da República durante dois mandatos, entre 1986 e 1996.

SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
Nascido na extinta freguesia do Coração de Jesus na cidade de Lisboa, foi o segundo filho do antigo sacerdote, professor e pedagogo, que foi Ministro das Colonias na Primeira República, João Lopes Soares, natural de Leiria; e de Elisa Nobre Baptista, professora da instrução primária, natural de Santarém.

PERCURSO ACADÊMICO E PROFISSIONAL
Mário Soares licenciou-se em Ciências Histórico-Filosóficas, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, em 1951, e em Direito, na Faculdade de Direito da mesma universidade, em 1957.

Foi advogado e professor do ensino secundário particular, chegando a dirigir o Colégio Moderno, fundado pelo pai, e no qual lhe sucederam a sua mulher, Maria de Jesus Barroso Soares e, posteriormente, a sua filha, Isabel Barroso Soares (9 de Janeiro de 1951), psicóloga, além de professora do colégio.

Como advogado defensor de presos políticos, participou em numerosos julgamentos, realizados no Tribunal Plenário e no Tribunal Militar Especial. Representou, nomeadamente, Álvaro Cunhal quando acusado de crimes políticos, e a família de Humberto Delgado na investigação do seu alegado assassinato. Juntamente com Adelino da Palma Carlos defendeu também a causa dinástica de Maria Pia de Saxe-Coburgo e Bragança.

CARREIRA POLÍTICA
Apoiado pelo pai e fortemente influenciado pelo ambiente em que cresceu, de tradição republicana e oposicionista, Mário Soares iniciou muito jovem a sua atividade política.

Por influência de Álvaro Cunhal (que chegou a ser regente de estudos no Colégio Moderno) aderiu em 1943 ao Movimento de Unidade Nacional Antifascista (MUNAF), estrutura ligada ao Partido Comunista Português, e integrou a partir de 1946 a Comissão Central do MUD - Movimento de Unidade Democrática, sob a presidência de Mário de Azevedo Gomes; tendo sido nesse âmbito co-fundador do MUD Juvenil e membro da sua primeira Comissão Central.

Em 1949 foi secretário da Comissão Central da candidatura do general Norton de Matos à Presidência da República e em 1958 pertenceu à comissão da candidatura do General Humberto Delgado à Presidência da República.

Afastado do PCP, fundou em 1955 a Resistência Republicana e Socialista, reunindo outros elementos vindos do PCP (como Fernando Piteira Santos, expulso do PCP em 1949), da União Socialista (como Manuel Mendes, antigo militante do MUD Juvenil), Gustavo Soromenho, Ramos da Costa, José Ribeiro dos Santos, Teófilo Carvalho Santos, José Magalhães Godinho, entre outros.

Foi em nome deste grupo que entrou em 1956 para o Directório Democrato-Social, a convite de Armando Adão e Silva, e de que faziam parte António Sérgio, Jaime Cortesão e Azevedo Gomes.

Foi redator e signatário do Programa para a Democratização da República, em 1961.

Candidatou-se a deputado à Assembleia Nacional do Estado Novo, nas listas da Oposição Democrática, em 1965, pela CDE, e em 1969, pela CEUD.

Preso 12 vezes, cumprindo um total de cerca de três anos de cadeia, foi deportado sem julgamento para a ilha de São Tomé, em 1968, até o governo de Marcello Caetano lhe permitir o exílio em França, em 1970.

CASAMENTO
Foi na prisão, embora com registo na 3.ª Conservatória do Registo Civil de Lisboa, que casou por procuração, a 22 de fevereiro de 1949, com Maria Barroso.

EXÍLIO NA FRANÇA
Quando do seu exílio em França, em 1970, foi chargé de cours nas universidades de Paris VIII (Vincennes) e Paris IV (Sorbonne), e igualmente professor convidado na Faculdade de Letras da Universidade da Alta Bretanha, em Rennes, que lhe atribuiu o grau de Doutor Honoris Causa.

Estando ainda aí, em 1972, foi à loja maçônica parisiense "Les Compagnons Ardents", da "Grande Loge de France", pedir apoio para a luta política contra o Estado Novo e ingressou na maçonaria, segundo ele próprio, optando depois por ficar "adormecido".

REGRESSO A PORTUGAL
;Em  28 de Abril de 1974, três dias depois da Revolução de 25 de Abril, regressou do exílio em Paris, no chamado "Comboio da Liberdade". Dois dias depois, esteve presente na chegada a Lisboa de Álvaro Cunhal. Ainda que tivessem ideias políticas diferentes, subiram de braços dados, pela primeira e última vez, as ruas da Baixa Pombalina e a avenida da Liberdade.

Durante o período revolucionário que ficou conhecido como PREC foi o principal líder civil do campo democrático, tendo conduzido o Partido Socialista à vitória nas eleições para a Assembleia Constituinte de 1975.

FUNDAÇÃO
Fundador da Fundação Mário Soares em 1991.

FAMÍLIA
Soares, bem como tio paterno por afinidade do cronista e antigo deputado e secretário de Estado Alfredo Barroso e tio materno por afinidade do cineasta Mário Barroso (chamado Mário Alberto em sua homenagem e por ser seu padrinho) do médico-cirurgião Eduardo Barroso e da bailarina Graça Barroso.

PERCURSO GOVERNATIVO
Foi ministro dos Negócios Estrangeiros, de Maio de 1974 a Março de 1975, e um dos impulsionadores da independência das colónias portuguesas, tendo sido responsável por parte desse processo.

A partir de Março de 1977 colaborou no processo de adesão de Portugal à Comunidade Econômica Europeia (CEE), vindo a subscrever, como primeiro-ministro, o Tratado de Adesão, em 12 de Julho de 1985.

Foi primeiro-ministro de Portugal nos seguintes períodos:
-I Governo Constitucional entre 1976 e 1977;
-II Governo Constitucional em 1978;
-IX Governo Constitucional entre 1983 e 1985.

PRESIDENTE DA REPÚBLICA
Presidente da República entre 1986 e 1996 (1.º mandato de 10 de Março de 1986 a 1991, 2.º mandato de 13 de Janeiro de 1991 a 9 de Março de 1996).

PÓS-PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA
O percurso político de Mário Soares depois dos dez anos de Presidência da República foram orientados para a intervenção a nível internacional.

Depois de ter assumido, em dezembro de 1995, a presidência da Comissão Mundial Independente Sobre os Oceanos, seria escolhido em setembro de 1997 para a presidência do Comité Promotor do Contrato Mundial da Água.

Também em 1997 assumiu a presidência da Fundação Portugal África — fundada pelo Banco de Fomento e Exterior (posteriormente integrado no Banco Português de Investimento) — e a presidência do Movimento Europeu Internacional, uma ONGD cuja fundação remonta ao pós-Segunda Grande Guerra e que foi impulsionadora da fundação do Conselho da Europa, em 1949.

 Subsequentemente, em 1999, três anos depois de terminar o seu mandato como Presidente, Mário Soares foi o cabeça-de-lista do PS às eleições europeias de 1999. Uma vez eleito foi logo de seguida candidato a presidente do Parlamento Europeu, mas perdeu a eleição para Nicole Fontaine, a quem não teve pejo em afirmar que tinha «um discurso de dona de casa», no sentido pejorativo do termo.

Essa derrota na corrida à presidência do Parlamento Europeu acabou por retirar expetativa à ambição de Soares em desempenhar um cargo importante na política internacional

MORTE
Mário Soares morreu às 15h28m de 7 de Janeiro de 2017, depois de ter estado mais de duas semanas internado no Hospital da Cruz Vermelha, em São Domingos de Benfica, em coma profundo. O Governo decretou 3 dias de luto nacional e um funeral de Estado.

Fonte:pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales

5 de jan de 2017

CARRIE FISHER - Arte Tumular - Forest Lawn Memorial Park (Hollywood Hills) Los Angeles Los Angeles County California, USA

Local: Forest Lawn Memorial Park (Hollywood Hills) Los Angeles Los Angeles County California, USA 





PERSONAGEM
Carrie Frances Fisher (Los Angeles, 21 de outubro de 1956 - Los Angeles, 27 de dezembro de 2016) foi uma atriz, escritora, produtora e humorista americana. Fisher era filha de Eddie Fisher e Debbie Reynolds.
Morreu aos 60 anos de idade.

SINOPSE ARTÍSTICA
Ela era conhecida por interpretar a Princesa Leia na série de filmes de Star Wars. Seus outros papéis incluem Shampoo (1975), The Blues Brothers (1980), Hannah and Her Sisters (1986), The 'burbs (1989) e When Harry Met Sally... (1989). Fisher escreveu vários romances semi-autobiográficos, incluindo Postcards from the Edge, o roteiro para o filme do livro, uma peça autobiográfica de uma mulher e um livro de não-ficção, Wishful Drinking, baseado na peça. Também trabalhou com outros roteiristas como doutora em roteiros.  Em anos posteriores, ela ganhou elogios por falar publicamente sobre suas experiências com transtorno bipolar e toxicodependência. Fisher e sua mãe aparecem em Bright Lights: Starring Carrie Fisher and Debbie Reynolds, um documentário de 2016 sobre seu relacionamento. Ele estreou no Festival de Cinema de Cannes de 2016.

SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
Carrie Frances Fisher nasceu em Beverly Hills, Califórnia, filha do cantor Eddie Fisher e da atriz Debbie Reynolds.

Seu pai era judeu, filho de imigrantes russos e sua mãe, educada na igreja, era filha de escoceses e irlandeses. Seu irmão mais novo é o ator e produtor Todd Fisher e suas meias-irmãs, por parte de pai, são as atrizes Joely Fisher (a Joy do seriado Til Death) e Tricia Leigh Fisher.

Quando Carrie tinha apenas dois anos de idade, seus pais se separaram. Seu pai acabou se casando com Elizabeth Taylor. No ano seguinte, sua mãe se casou com Harry Karl, dono de uma rede de lojas de sapatos.

Em 1983, Carrie casou-se com o cantor Paul Simon. A relação durou poucos meses; em 1984, já haviam se separado.

Teve uma filha chamada Billie Catherine, com o agente Bryan Lourd, nascida em 1992.

Em 1973, Carrie se matriculou na London's Central School of Speech and Drama, onde estudou por dezoito meses. Em 1978, foi aceita no Sarah Lawrence College, onde planejava cursar Artes. Entretanto, antes de se formar, ela largou o curso por incompatibilidade de agenda com as filmagens de Star Wars.

Carrie era uma leitora ávida, desde criança, apelidada pela família como "rato de biblioteca". Passou a infância lendo literatura clássica e escrevendo poesias. Estudou no Beverly Hills High School até os 15 anos, quando debutou como cantora na Broadway com o musical Irene, em 1973.

 Em sua autobiografia de 2016, The Princess Diarist, Carrie revelou seu caso de três meses com o ator Harrison Ford, enquanto ele ainda era casado, nas filmagens de Star Wars em 1976. Carrie teve outros relacionamentos depois do divórcio. Quando questionada sobre sua relação com o cantor James Blunt ela disse: "aconteceu absolutamente nada.

Em 26 de fevereiro de 2005, o lobista R. Gregory "Greg" Stevens, foi encontrado morto na casa de Carrie Fischer, na Califórnia, devido a uma não diagnosticada doença cardíaca, combinada com uso de cocaína e oxicodona

SAÚDE MENTAL
Carrie falou abertamente sobre seu diagnóstico de transtorno bipolar e seu vício em cocaína e em analgésicos.

CARREIRA
1970
Sua estreia no cinema foi com a comédia Shampoo (1975), com Warren Beatty, Julie Christie e Goldie Hawn, com Lee Grant e Jack Warden interpretando os pais de sua personagem.

Em 1977, Carrie estreou aquele que a eternizaria no papel da Princesa Leia Organa, em Star Wars, com Mark Hamill e Harrison Ford. Na época, ela acreditava que Star Wars tivesse um roteiro fantástico. Durante as filmagens, ela teve um caso com o ator Harrison Ford, casado na época com Mary Marquardt.

Em 1978, estreou com John Ritter o filme da ABC Leave Yesterday Behind e no fim do mesmo ano esteve em um especial de natal de Star Wars.

1980
Carrie trabalhou em The Blues Brothers, mas sem ser creditada no final. Nestas filmagens, o ator Dan Aykroyd salvou a vida de Carrie depois que ela engasgou com uma couve-de-bruxelas.

Trabalhou na Broadway, em 1980, em Censored Scenes from King Kong. No mesmo ano atuou novamente em Star Wars: The Empire Strikes Back.

Em 1982, estreou novamente na Broadway com Agnes of God. Em 1983, voltou mais uma vez para Star Wars, com Return of the Jedi, momento em que posou para a famosa sessão de fotos em que aparece com um biquíni de metal na capa da revista Rolling Stone. O biquíni logo se tornaria um ícone da cultura nerd.

Carrie Fisher é uma das poucas atrizes a atuar em um filme com os dois irmãos John e James Belushi. Em 1986, atuou no filme de Woody Allen, Hannah and her Sisters. Em 1987, publica seu primeiro livro, Postcards from the Edge, uma obra semi-autobiográfica, onde ela satiriza e noveliza sua própria história pessoal, falando do uso de drogas nos anos 1970 e do relacionamento com sua mãe. O livro se tornou um bestseller, e ganhou o prêmio Los Angeles Pen de melhor livro.

Ainda em 1987, trabalhou em The Time Guardian, um filme australiano. Em 1989, atuou em When Harry Met Sally e, com Tom Hanks, em The 'Burbs.

1990
Em 1990, a Columbia Pictures lançou a adaptação de seu livro Postcards from the Edge, estrelando Meryl Streep, Shirley MacLaine, e Dennis Quaid. Carrie atuou também na comédia Drop Dead Fred, em 1991 e em Austin Powers: International Man of Mystery (1997) fez a terapeuta familiar que tenta reaproximar o Dr. Evil do filho.

Carrie publicou outros livros, Surrender the Pink (1990) e Delusions of Grandma (1993). Também trabalhou, sem os devidos créditos, em roteiros de filmes como Lethal Weapon 3, Outbreak e The Wedding Singer.

2000
No filme Scream 3 (2000), Carrie interpreta uma atriz confundida com Carrie Fisher. Em 2001, fez uma freira no filme de Kevin Smith, Jay and Silent Bob Strike Back. Estrelou e foi produtora executiva do filme These Old Broads (2001)

Mesmo atuando e roteirizando trabalhos originais, Carrie ficou conhecida em Hollywood por trabalhar nos roteiros de outros escritores. George Lucas a contratou para arrumar os roteiros de The Young Indiana Jones Chronicles.

Carrie escreveu e atuou em sua peça solo Wishful Drinking, em Los Angeles, em 2006. Em 2008, ela lançou o livro com o mesmo nome, baseado na peça e embarcou em um book tour.  Em 2009, o audiobook de sua biografia, Wishful Drinking, ganhou uma indicação ao Grammy.

2010
Em 2010, HBO transmitiu um documentário baseado na performance de Carrie na peça Wishful Drinking.

Atuou na série Entourage, em 2010.

RETORNO A STAR WARS
Em uma entrevista em março de 2013, Carrie afirmou que poderia voltar a interpretar Princesa Leia em Star Wars: O Despertar da Força. Chegaram a pensar que era uma brincadeira de Carrie, mas em janeiro de 2014, a atriz confirmou seu envolvimento e o envolvimento dos atores originais no novo filme.

 Antes de falecer, Carrie Fisher já havia gravado todas as suas cenas em Star Wars - Episódio VIII, que deverá ser lançado em dezembro de 2017. A atriz também iria participar do Episódio IX, mas em virtude de sua morte inesperada, o roteiro do filme terá de ser refeito e sua estreia foi adiada para 2019.

MORTE
 No dia 23 de dezembro de 2016, Fisher teve um infarto durante um voo de Londres a Los Angeles. Um ator companheiro sentado perto de Fisher relatou que ela tinha parado de respirar. Ela recebeu tratamento de emergência de passageiros, e no desembarque foi tratada por paramédicos e levada ao Ronald Reagan UCLA Medical Center. Foi relatado que Fisher ficou estável enquanto esteve no hospital, mas Todd Fisher disse mais tarde que ele não poderia classificar a condição de sua irmã, e que ela ainda estava na unidade de cuidados intensivos. Em 25 de dezembro, Debbie Reynolds disse que sua filha estava estável, e que quaisquer atualizações seriam partilhadas pela família.

Fisher, durante sua internação, sofreu um segundo colapso cardíaco, e não resistiu, vindo a falecer em 27 de dezembro de 2016, em Los Angeles, Califórnia. Billie Lourd, filha de Fisher, confirmou que a morte da atriz ocorreu às 8h55. Um porta-voz da família, Simon Halls, anunciou a morte à imprensa pouco depois. Sua mãe, Debbie Reynolds, morreu um dia depois em 28 de dezembro de 2016, após sofrer um derrame cerebral.

Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales

26 de dez de 2016

GEORGE MICHAEL - Arte Tumular - Indeterminado




PERSONAGEM
George Michael, nome artístico de Georgios Kyriacos Panayiotou (Londres, 25 de junho de 1963 — Oxfordshire, 25 de dezembro de 2016) foi um cantor britânico que vendeu mais de 80 milhões de discos no mundo todo.
Morreu aos 53 anos de idade.

SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
George nasceu em East Finchley, Norte de Londres. Seu pai era Kyriacos Panayiotou, um restaurador cipriota que se mudou para a Inglaterra em 1950 e mudou o seu nome para Jack Michael. A mãe de Michael, Lesley Harrison, foi uma dançarina britânica, morta de câncer em 1997. Michael passou a maior parte de sua infância no norte de Londres, na casa que seus pais compraram logo após seu nascimento.

Durante sua adolescência, a família mudou-se para Radlett (Leste da Inglaterra) e Michael participou na escola Bushey Meads School onde Michael encontrou Andrew Ridgeley. Ambos tinham a ambição de carreira mesmo sendo músicos. Ele começou seu envolvimento no negócio da música como um DJ tocando nos clubes de juventude e escolas locais cerca de Bushey, Stanmore e Watford, o que foi seguido pela formação de curta duração da banda de ska The Executive com Ridgeley, o irmão de Ridgeley, Paul, Andrew Leaver, e David Mortimer (também conhecido como David Austin).

CARREIRA
Em 1981 criou o Wham! com seu colega de escola, Andrew Ridgeley. Até a sua separação, em 1986, este dueto disco pop teve um grande número de sucessos ("Wake Me Up Before You Go-Go", "Everything She Wants"), sobretudo junto a um público de jovens adolescentes, na sua maioria feminino. Isso não o impede de tomar regularmente posição contra o governo de Margaret Thatcher.

 Lançou seu primeiro compacto solo em 1984, a balada "Careless Whisper", que se tornou um hit mundial. Em 1987 lançou Faith, o primeiro álbum solo, cuja canção de trabalho era muito sugestiva "I Want Your Sex", acompanhado por videoclipes luxuosos. Na encruzilhada do pop com o rhythm'n'blues, o disco vendeu no mundo todo mais de dez milhões de exemplares. Durante seu auge, popularizou calças jeans rasgadas e o brinco em forma de cruz em apenas uma orelha, uma marca registrada da moda dos anos 80.

O álbum Listen Without Prejudice Vol. 1 foi lançado em 1990, vivendo um conflito com o seu status de estrela, o cantor se recusou a conceder entrevistas e a aparecer nos seus clipes. Ele acusou a sua gravadora, a Sony, de ter deliberadamente sabotado as vendas do disco e de querer mantê-lo em estado de "escravidão profissional". George Michael perdeu, em 1993, seu processo contra a Sony, mas triunfou no estádio de Wembley, acompanhando o grupo Queen, por ocasião do show em homenagem ao cantor Freddie Mercury, vitimado pela Aids/Sida.

Em 1998 George Michael foi preso por atentado ao pudor dentro do banheiro (wc) público de um parque de Beverly Hills, onde ele caiu numa armadilha armada por um policial à paisana. Seu amigo Elton John declarou, na época: “ Um banheiro (wc) não é o melhor lugar para assumir sua sexualidade. ”

No ano de 2002 atacou Tony Blair e George Bush, no início da guerra no Iraque, no compacto "Shoot the Dog". Os jornais de propriedade de Rupert Murdoch dispararam uma campanha que visava depreciar o cantor.

Lançou em 2004 o álbum Patience, que vendeu "apenas" três milhões de exemplares. George Michael anunciou que a partir daquele momento, iria divulgar suas obras essencialmente na Internet.

Em 2005 cantou no Live 8, em dueto com Paul McCartney, e anunciou seu casamento com o companheiro, Kenny Goss, na esteira da adoção da lei britânica sobre as uniões civis. Mas anunciou a separação na suntuosa Ópera Estatal de Praga, no dia 22 de agosto de 2011, com quem manteve um relacionamento amoroso de muitos anos.

Em 2006 ocorreu o lançamento do filme-documentário "George Michael: Minha História", e preparação de uma nova compilação na qual devem constar duas músicas inéditas. Em outubro desse ano voltou a ter problemas com a justiça, ao ser encontrado dormindo sobre o volante de seu carro.

George Michael retornou aos palcos em 12 de maio de 2007 com um concerto em Coimbra, início de uma excursão europeia.

Em maio de 2008, George Michael teve sua carteira de habilitação para dirigir veículos suspensa por dois anos, depois de ser considerado culpado por conduzir sob efeito de drogas. Em 2010 foi condenado a oito semanas de prisão, depois de ter provocado, em julho desse ano, um acidente de carro, em Londres. O cantor, que estava sob efeito de cannabis, bateu seu carro numa loja de fotografia, foi também multado e proibido de conduzir por cinco anos.

Em junho de 2015 foi internado numa clínica na Suíça por causa da sua dependência da cannabis. Na altura confessou fumar até 25 cigarros de marijuana por dia.

DISCOGRAFIA
-Álbuns de estúdio 1987
- Faith 1990
- Listen Without Prejudice Vol. 1 1996
- Older 1999
- Songs from the Last Century 2004
- Patience

MORTE
George Michael faleceu no dia 25 de Dezembro de 2016 em Oxfordshire, Inglaterra. De acordo com a polícia britânica, uma ambulância fez um atendimento médico em Goring, no condado de Oxfordshire às 13h42 de Londres (15h42 no horário de Brasília). Os agentes disseram que não há circunstâncias suspeitas relacionadas à morte do cantor.

Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales

14 de dez de 2016

DOM PAULO EVARISTO ARNS - Arte Tumular - 1123 - Catedral da Sé de São Paulo, Brasil







Entrada da Cripta

Parte inferior da Cripta

Altar na Cripta

ARTE TUMULAR 
No sub-solo da Catedral da Sé de São Paulo, escada e colunas de granito levam à cripta, com piso de mármore carrara , em duas cores, preto e branco. O teto possui o mesmo estilo gótico da catedral. 

LOCAL:Cripta da Catedral da Sé de São Paulo, São Paulo 
Descrição Tumular:Helio Rubiales 



PERSONAGEM
Dom Frei Paulo Evaristo Arns O.F.M. (Forquilhinha, 14 de setembro de 1921 — São Paulo, 14 de dezembro de 2016) foi um frade franciscano e cardeal brasileiro. Foi o quinto arcebispo de São Paulo, tendo sido o terceiro prelado dessa Arquidiocese a receber o título de cardeal. Era arcebispo-emérito de São Paulo e protopresbítero do Colégio Cardinalício.
Morreu aos 95 anos de idade.

ESTUDOS
Quinto de treze filhos do casal Gabriel Arns e Helena Steiner, brasileiros, descendentes de imigrantes provenientes da Alemanha (região de Rio Mosela). Realizou seus estudos fundamentais em Forquilhinha.

Depois ingressou no seminário franciscano, no Seminário Seráfico São Luís de Tolosa, em Rio Negro (Paraná). Em 1940, entrou no noviciado, em Rodeio (Santa Catarina). A Filosofia, cursou-a em Curitiba; e a Teologia, em Petrópolis. Três de suas irmãs são freiras, e um irmão faz parte da Ordem dos Frades Menores. Também é irmão de Zilda Arns, morta em um terremoto em Porto Príncipe em 2010.

PRESBITERATO
Foi ordenado presbítero no dia 30 de novembro de 1945, em Petrópolis, por Dom José Pereira Alves, arcebispo de Niterói.

ATIVIDADES ANTES DO EPISCOPADO
Por cerca de uma década exerceu seu ministério, assistindo a população desfavorecida de Petrópolis, onde também lecionou no Teologado Franciscano de Petrópolis e na Universidade Católica de Petrópolis. Depois disto, foi para a França para cursar letras na Sorbonne, onde se doutorou em 1952. Retornando ao Brasil, foi professor nas faculdades de Filosofia, Ciências e Letras de Agudos e Bauru. A seguir, retornou a Petrópolis, onde voltou a dar assistência aos desfavorecidos

EPISCOPADO
Em 2 de maio de 1966 foi eleito bispo da Sé Titular de Respecta e auxiliar de São Paulo, aos 44 anos.
Recebeu a ordenação episcopal em 3 de julho de 1966, na igreja matriz do Sagrado Coração de Jesus em Forquilhinha, sendo sagrante principal Dom Agnelo Rossi, arcebispo de São Paulo, e consagrantes Dom Anselmo Pietrulla OFM, então bispo de Tubarão, e Dom Honorato Piazera SCI, então bispo coadjutor de Lages.

No dia 22 de outubro de 1970, o Papa Paulo VI o nomeou arcebispo metropolitano de São Paulo, tendo tomado posse a 1 de novembro de 1970, exercendo o cargo até 15 de abril de 1998, quando renunciou, por limite de idade, detendo o título de Arcebispo-emérito de São Paulo.

CARDINALATO
No Consistório do dia 5 de março de 1973, convocado pelo Papa Paulo VI, na Basílica de São Pedro, Dom Paulo foi criado cardeal-presbítero do título de Santo Antônio de Pádua, na Via Tuscolana. Como cardeal eleitor, participou dos dois conclaves, de agosto e de outubro de 1978. Participou ainda, como cardeal não-votante, dos conclaves de 2005 e de 2013. Em 9 de julho de 2012 tornou-se o Protopresbítero do Colégio dos Cardeais, por ser aquele que há mais tempo foi elevado à dignidade cardinalícia entre todos os cardeais-presbíteros, sendo também o mais antigo de todos os membros do Colégio Cardinalício.

BRASÃO E LEMA
Descrição:
Escudo eclesiástico. Em campo de blau uma cruz em tau de jalde com um in-fólio aberto do mesmo, brocante sobre a cruz, e uma espada de argente, empunhada e guarnecida do primeiro metal, posta em pala, cosida sobre o livro; tendo, à dextra e à senestra, dois ramos de café "ao natural", ou seja de sinopla e frutado de goles. Em chefe, um Cálice de jalde encimado por uma Hóstia de argente. O escudo está assente em tarja branca, na qual se encaixa o pálio branco com cruzetas de sable. O conjunto pousado sobre uma cruz trevolada de duas travessas de ouro. O todo encimado pelo chapéu eclesiástico com seus cordões em cada flanco, terminados por quinze borlas cada um, tudo de vermelho. Brocante sob a ponta da cruz um listel de jalde com a legenda: EX SPE IN SPEM, em letras de blau.

Interpretação:
O escudo obedece às regras heráldicas para os eclesiásticos. O campo de blau (azul) representa o manto de Maria Santíssima sob cuja proteção o Cardeal pôs toda a sua vida sacerdotal, sendo que este esmalte significa: justiça, serenidade, fortaleza, boa fama e nobreza. A Cruz em Tau é própria da Ordem Franciscana, à qual pertence o cardeal e, sendo de jalde (ouro) simboliza: nobreza, autoridade, premência, generosidade, ardor e descortínio. O in-fólio com a espada representam São Paulo Apóstolo, numa referência ao padroeiro do Estado, da cidade e da Arquidiocese, sendo que o metal jalde (ouro) tem o significado acima descrito) e o metal argente (prata) da lâmina da espada simboliza: inocência, castidade, pureza e eloquência; virtudes essenciais num bispo. Os ramos de café frutados representam o estado de São Paulo, "Terra do Café", cuja capital é a sede episcopal do cardeal; sendo que as expressões "ao natural" e "de sua cor" são recursos para se colocar os ramos de café, naturalmente com a cor sinopla (verde), com frutos de goles (vermelho) sobre o campo de blau (azul), sem ferir as leis da Heráldica. Os ramos, por seu esmalte sinopla (verde) representam: esperança, liberdade, abundância, cortesia e amizade; e os frutos de café, por seu esmalte goles (vermelho) simbolizam o fogo da caridade inflamada no coração do cardeal, bem como, valor e socorro aos necessitados, e ainda o martírio de São Paulo Apóstolo. No chefe, a Hóstia de argente (prata) e o Cálice de jalde (ouro) lembram o santo sacrifício da missa, no qual o pão e o vinho são transubstanciados no Corpo e no Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo, com os significados destes metais, acima descritos. O lema: "EX SPE IN SPEM" (De Esperança em Esperança), traduz a certeza do cardeal de que em Deus esperou e não será confundido, numa referência ao Livro dos Salmos (Sl. 70,1), sendo uma expressão da total e confiante adesão a Cristo e do humilde abandono do cardeal nas mãos da Divina Providência.

ATIVIDADES E CONTRIBUIÇÕES
Sua atuação pastoral foi voltada aos habitantes da periferia, aos trabalhadores, à formação de comunidades eclesiais de base nos bairros, principalmente os mais pobres, e à defesa e promoção dos direitos da pessoa humana. Ficou conhecido como o Cardeal dos Direitos Humanos, principalmente por ter sido o fundador e líder da Comissão Justiça e Paz de São Paulo, e sua atividade política era claramente vinculada à sua fé religiosa.

Enquanto bispo-auxiliar, trabalhou na Zona Norte paulistana, no bairro de Santana. Durante a ditadura militar, na década de 1970, notabilizou-se na luta pelo fim das torturas e restabelecimento da democracia no país, junto com o rabino Henry Sobel, criando uma ponte entre a comunidade judaica e a Igreja Católica em solo paulista.

Renovou o plano pastoral da Arquidiocese de São Paulo, instituindo novas regiões episcopais (divisões da Arquidiocese de São Paulo) e quarenta e três novas paróquias. Em 1972 criou a Comissão Brasileira de Justiça e Paz de São Paulo. Incentivou a Pastoral da Moradia e a Pastoral Operária.

Em 22 de maio de 1977 recebeu o título de "Doutor Honoris Causa" (juntamente com o presidente norte-americano Jimmy Carter) da Universidade de Notre Dame, Indiana, Estados Unidos. A distinção, concedida também ao Cardeal Kim da Coreia do Sul e ao Bispo Lamont da Rodésia, deveu-se ao seu empenho em prol dos direitos humanos.

Entre 1979 e 1985, coordenou com o Pastor Jaime Wright, de forma clandestina, o projeto Brasil: Nunca Mais. Este projeto tinha como objetivo evitar o possível desaparecimento de documentos durante o processo de redemocratização do país. O trabalho foi realizado em sigilo e o resultado foi a cópia de mais de um milhão de páginas de processos do Superior Tribunal Militar (STM).

Contudo, este material foi microfilmado e remetido ao exterior diante do temor de uma apreensão do material. Em ato público realizado dia 14 de junho de 2011, foi anunciada a futura repatriação, digitalização e disponibilização para todos os brasileiros deste acervo. O livro homônimo Brasil: Nunca Mais reuniu esta pesquisa sobre a tortura no Brasil no período da ditadura militar e foi publicado pela Editora Vozes.

Evaristo Arns também foi um dos organizadores do movimento Tortura Nunca Mais. Em 3 de junho de 1980 recebeu , em São Paulo o Papa João Paulo II. Em 30 de novembro de 1984 inaugurou a Biblioteca Dom José Gaspar. Em 1985, com a ajuda de sua irmã, a pediatra Zilda Arns Neumann, implantou a Pastoral da Criança. Em 1989 a Arquidiocese de São Paulo, por decisão do papa João Paulo II, teve seu território reduzido com a criação das novas dioceses: Osasco, Campo Limpo, São Miguel Paulista e Santo Amaro. Em 1992, Dom Paulo criou o Vicariato Episcopal da Comunicação, com a finalidade de fazer a Igreja estar presente em todos os meios de comunicação. Em 22 de fevereiro de 1992 inaugurou uma nova residência destinada aos padres idosos, a Casa São Paulo, ano em que também criou a Pastoral dos Portadores de HIV.

Em 1994 criou o Conselho Arquidiocesano de Leigos. Em 1996, após completar 75 anos, apresentou renúncia ao Papa João Paulo II, em função das normas eclesiásticas, renúncia esta que foi aceita. A partir de então, tornou-se arcebispo emérito de São Paulo e foi substituído por Dom Frei Cláudio Cardeal Hummes.

Recebeu o título de doutor honoris causa pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás, em 1998.

MORTE
Dom Evaristo Arns morreu em São Paulo aos 95 anos, no dia 14 de dezembro de 2016, em consequência de uma broncopneumonia. Quando morreu, estava internado para tratar de problemas pulmonares a cerca de quinze dias. O religioso foi internado no dia 28 de novembro para tratar de problemas pulmonares. Com o passar do dia o estado de saúde piorou, e ele teve de ir para a UTI por causa de dificuldades na função renal. Segundo o hospital, Arns morreu às 11h45 por falência múltipla dos órgãos.

Fonte:pt.wikipedia.org
Formatação e pesquisa: Helio ubiales

4 de dez de 2016

FERREIRA GULLAR - Arte Tumular - 1122 - Cemitério São João Batista, no bairro de Botafogo, Brasil




O corpo do escritor será transportado às 17h deste domingo à Biblioteca Nacional, no Centro do Rio. Às 9h de segunda (5), ele sai para o velório no prédio da Academia Brasileira de Letras. Às 15h, o corpo será levado para o enterro no mausoléu da ABL, no Cemitério São João Batista, no bairro de Botafogo.





PERSONAGEM
Ferreira Gullar, pseudônimo de José Ribamar Ferreira (São Luís, 10 de setembro de 1930 - Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2016) foi um escritor, poeta, crítico de arte, biógrafo, tradutor, memorialista e ensaísta brasileiro e um dos fundadores do neoconcretismo. Foi o postulante da cadeira 37 da Academia Brasileira de Letras, na vaga deixada por Ivan Junqueira, da qual tomou posse em 5 de dezembro de 2014.
Morreu aos 86 anos de idade.

SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
Ferreira Gullar nasceu em São Luís, em 10 de setembro de 1930, com o nome de José Ribamar Ferreira. É um dos onze filhos do casal Newton Ferreira e Alzira Ribeiro Goulart.

Sobre o pseudônimo, o poeta declarou o seguinte: "Gullar é um dos sobrenomes de minha mãe, o nome dela é Alzira Ribeiro Goulart, e Ferreira é o sobrenome da família, eu então me chamo José Ribamar Ferreira; mas como todo mundo no Maranhão é Ribamar, eu decidi mudar meu nome e fiz isso, usei o Ferreira que é do meu pai e o Gullar que é de minha mãe, só que eu mudei a grafia porque o Gullar de minha mãe é o Goulart francês; é um nome inventado, como a vida é inventada eu inventei o meu nome".

Fez parte de um movimento literário difundido através da revista que lançou o pós-modernismo no Maranhão, A Ilha, da qual foi um dos fundadores. Muitos o consideram o maior poeta vivo do Brasil e não seria exagero dizer que, durante suas seis décadas de produção artística, Ferreira Gullar passou por todos os acontecimentos mais importantes da poesia brasileira e participou deles.

Morando no Rio de Janeiro, participou do movimento da poesia concreta, sendo então um poeta extremamente inovador, escrevendo seus poemas, por exemplo, em placas de madeira, gravando-os.

Em 1956 participou da exposição concretista que é considerada o marco oficial do início da poesia concreta, tendo se afastado desta em 1959, criando, junto com Lígia Clark e Hélio Oiticica, o neoconcretismo, que valoriza a expressão e a subjetividade em oposição ao concretismo ortodoxo.

Posteriormente, ainda no início dos anos de 1960, se afastará deste grupo também, por concluir que o movimento levaria ao abandono do vínculo entre a palavra e a poesia, passando a produzir uma poesia engajada e envolvendo-se com os Centros Populares de Cultura (CPCs).

Em 2014, ele foi considerado um imortal na Academia Brasileira de Letras.

Nascido José de Ribamar Ferreira em São Luís (MA), em 10 de setembro de 1930, Ferreira Gullar cresceu em sua cidade natal e decidiu se tornar poeta na adolescência. Com 18 anos, passou a frequentar os bares da Praça João Lisboa e o Grêmio Lítero-Recreativo da cidade. Aos 19 anos, descobriu a poesia moderna depois de ler Carlos Drummond de Andrade e Manuel Bandeira.

Ferreira Gullar deixa dois filhos, Luciana e Paulo, oito netos, e a companheira Cláudia, com quem vivia atualmente

MILITÂNCIA POLÍTICA
Ferreira Gullar foi militante do Partido Comunista Brasileiro e, exilado pela ditadura militar, viveu na União Soviética, na Argentina e Chile. Ele comentou que bacharelou em subversão em Moscou durante o seu exílio, mas que atualmente devido a uma maior reflexão, experiência de vida, e de observar as coisas irem acontecendo se desiludiu do socialismo e que o socialismo não faz mais sentido pois fracassou.

 “ (...) toda sociedade é, por definição, conservadora, uma vez que, sem princípios e valores estabelecidos, seria impossível o convívio social. Uma comunidade cujos princípios e normas mudassem a cada dia seria caótica e, por isso mesmo, inviável. ” — Ferreira Gullar.

PRÊMIOS E INDICAÇÕES
Ganhou o concurso de poesia promovido pelo Jornal de Letras com seu poema "O Galo" em 1950.

Os prêmios Molière, o Saci e outros prêmios do teatro em 1966 com Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come, que é considerada uma obra prima do teatro moderno brasileiro.

Em 2002, foi indicado por nove professores dos Estados Unidos, do Brasil e de Portugal para o Prêmio Nobel de Literatura.

Em 2007, seu livro Resmungos ganhou o Prêmio Jabuti de melhor livro de ficção do ano. O livro, editado pela Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, reúne crônicas de Gullar publicadas no jornal Folha de S. Paulo no ano de 2005. Foi considerado pela Revista Época um dos 100 brasileiros mais influentes do ano de 2009.

Foi agraciado com o Prêmio Camões em 2010.

Em 15 de outubro de 2010, foi contemplado com o título de Doutor Honoris causa, na Faculdade de Letras da UFRJ.

Em Imperatriz, ganhou em sua homenagem o teatro Ferreira Gullar.

Em 1999 é inaugurada em São Luís a Avenida Ferreira Gullar.

Em 20 de outubro de 2011, ganhou o Prêmio Jabuti com o livro de poesia Em Alguma Parte Alguma, que foi considerado "O Livro do Ano" de ficção.

Em 2011, a obra "Poema Sujo" inspirou a vídeo instalação "Há muitas noites na noite", dirigida por Silvio Tendler.

Em 2015, o poema inspirou uma série documental, também denominada: "Há muitas noites na noite", com sete episódios com 26 minutos cada, exibida na TV Brasil entre dezembro de 2015 e janeiro de 2016, também dirigida por Silvio Tendler.

BIBLIOGRAFIA
POESIAS
-Um Pouco Acima do Chão, 1949
-A Luta Corporal, 1954
-Poemas, 1958
-João Boa-Morte, Cabra Marcado para Morrer (cordel), 1962
-Quem Matou Aparecida? (cordel), 1962
-A Luta Corporal e Novos Poemas, 1966
-História de um Valente, (cordel; na clandestinidade, como João Salgueiro), 1966
-Por Você por Mim, 1968
-Dentro da Noite Veloz, 1975
-Poema Sujo, (onde se localiza a letra de Trenzinho do Caipira) 1976
-Na Vertigem do Dia, 1980
-Crime na Flora ou Ordem e Progresso, 1986
-Barulhos, 1987
-O Formigueiro, 1991
-Muitas Vozes, 1999
-Um Gato chamado Gatinho, 2005
-Em Alguma Parte Alguma, 2010
ANTOLOGIAS
-Antologia Poética, 1977
-Toda poesia, 1980
-Ferreira Gullar - seleção de Beth Brait, 1981
-Os melhores poemas de Ferreira Gullar - seleção de Alfredo Bosi, 1983
-Poemas escolhidos, 1989
CONTOS E CRÔNICAS
- Gamação, 1996
-Cidades inventadas, 1997
-Resmungos, 2007
TEATRO
-Um rubi no umbigo, 1979
CRÔNICAS
-A estranha vida banal, 1989
-O menino e o arco-íris, 2001
MEMÓRIAS
-Rabo de foguete - Os anos de exílio, 1998
BIOGRAFIA
-Nise da Silveira: uma psiquiatra rebelde, 1996
LITERATURA INFANTIL
-Zoologia bizarra, 2011
ENSAIOS
-Teoria do não-objeto, 1959
-Cultura posta em questão, 1965
-Vanguarda e subdesenvolvimento, 1969
-Augusto do Anjos ou Vida e morte nordestina, 1977
-Tentativa de compreensão: arte concreta, arte neoconcreta - Uma contribuição brasileira, 1977
-Uma luz no chão, 1978
-Sobre arte, 1983
-Etapas da arte contemporânea: do cubismo à arte neoconcreta, 1985
-Indagações de hoje, 1989
-Argumentação contra a morte da arte, 1993
-O Grupo Frente e a reação neoconcreta, 1998
-Cultura posta em questão/Vanguarda e subdesenvolvimento, 2002
-Rembrandt, 2002
-Relâmpagos, 2003
TELEVISÃO
-Araponga - 1990/1991 (Rede Globo)
-Colaborador Dona Flor e Seus Dois Maridos - 1998 (Rede Globo)
-Colaborador Irmãos Coragem - 1995 (Rede Globo)
FILMES
Colaborador  Os Herdeiros - Davi Martins

ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS
Ferreira Gullar é o atual postulante eleito da cadeira 37 na Academia Brasileira de Letras, tendo obtido na votação 36 dos 37 votos possíveis derrotando os outros candidatos: Ademir Barbosa Júnior, José Roberto Guedes de Oliveira e José William Vavruk em apenas 15 minutos, com uma abstenção que permanece anônima devido a queima das fichas após o resultado da urna em 9 de outubro de 2014, tendo votado 19 acadêmicos por presença física e 18 por cartas.

A cadeira tem como patrono o poeta e inconfidente mineiro Tomás Antônio Gonzaga e foi ocupada anteriormente por personalidades como Silva Ramos, Alcântara Machado, Getúlio Vargas, Assis Chateubriand, João Cabral de Melo Neto e recentemente pelo ensaísta e curador Ivan Junqueira, amigo de Gullar. Sua posse era marcada para novembro, depois de várias recusas do escritor em convites anteriores. Em 5 de dezembro de 2014, Gullar tomou posse de sua cadeira, a número 37, na Academia Brasileira de Letras.


MORTE
 Ferreira Gullar faleceu no dia 04 de dezembro de 2016, no Rio de Janeiro. A causa da morte não foi divulgada.

Fonte: wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales

26 de nov de 2016

FIDEL CASTRO - Arte Tumular - 1121 -0 Cemitério Santa Ifigênia, na cidade de Santiago de Cuba.



FUNERAL
Cuba fará luto de nove dias para se despedir de Fidel Castro. As cinzas do líder da Revolução Cubana percorrerão a ilha em uma carreata, antes de chegar ao seu destino final, o maior cemitério de Santiago de Cuba, em 4 de dezembro.



PERSONAGEM
Fidel Alejandro Castro Ruz (Speaker Icon.svg audio) (Birán, 13 de agosto de 1926 — Havana, 25 de novembro de 2016) foi um político e revolucionário cubano que governou a República de Cuba como primeiro-ministro de 1959 a 1976 e depois como presidente de 1976 a 2008.
Morreu aos 90 anos de idade.

SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
Politicamente, era nacionalista e marxista-leninista. Ele também serviu como primeiro-secretário do Partido Comunista de Cuba de 1961 até 2011. Sob sua administração, Cuba tornou-se um Estado socialista autoritário uni partidário; a indústria e os negócios foram nacionalizados e reformas socialistas foram implementadas em toda a sociedade.

Nascido em Birán como filho de um rico fazendeiro, Castro adotou a política anti-imperialista de esquerda enquanto estudava direito na Universidade de Havana. Depois de participar de rebeliões contra os governos de direita na República Dominicana e na Colômbia, planejou a derrubada do presidente cubano Fulgêncio Batista, lançando um ataque fracassado ao Quartel Moncada em 1953.

Depois de um ano de prisão, viajou para o México onde formou um grupo revolucionário, o Movimento 26 de Julho, com seu irmão Raúl Castro e Che Guevara. Voltando a Cuba, Castro assumiu um papel fundamental na Revolução Cubana, liderando o movimento em uma guerra de guerrilha contra as forças de Batista na Serra Maestra.

Após a derrota de Batista em 1959, Castro assumiu o poder militar e político como primeiro-ministro de Cuba. Os Estados Unidos ficaram alarmados com as relações amistosas de Castro com a União Soviética e tentaram sem êxito removê-lo através de assassinato, bloqueio econômico e contrarrevolução, incluindo a invasão da Baía dos Porcos em 1961.

Contra essas ameaças, Castro formou uma aliança com os soviéticos e permitiu que eles colocassem armas nucleares na ilha, o que provocou a Crise dos Mísseis de Cuba - um incidente determinante da Guerra Fria - em 1962. Adotando um modelo marxista-leninista de desenvolvimento, Castro converteu Cuba em uma ditadura socialista sob comando do Partido Comunista, o primeiro no hemisfério ocidental.



As reformas introduziram o planejamento econômico central e levaram Cuba a alcançar índices elevados de desenvolvimento humano e social, como a menor taxa de mortalidade infantil da América, além da erradicação do analfabetismo e da desnutrição infantil. No entanto, tais avanços sociais foram acompanhados pelo controle estatal da imprensa, com a supressão da liberdade de imprensa e de expressão, e pela supressão da dissidência interna.

Cuba fará luto de nove dias para se despedir de Fidel Castro. As cinzas do líder da Revolução Cubana percorrerão a ilha em uma carreata, antes de chegar ao seu destino final, o maior cemitério de Santiago de Cuba, em 4 de dezembro. No exterior, Castro apoiou grupos anti-imperialistas revolucionários, apoiando o estabelecimento de governos marxistas no Chile, Nicarágua e Grenada, além de enviar tropas para ajudar os aliados na Guerra do Yom Kipur, da Guerra Etío-Somali e da Guerra Civil Angolana. Essas ações, aliadas à liderança de Castro no Movimento Não Alinhado de 1979 a 1983 e ao internacionalismo médico cubano, melhoraram a imagem de Cuba no cenário mundial e conquistaram um grande respeito no mundo em desenvolvimento.

Após a dissolução da União Soviética em 1991, Castro levou Cuba ao seu "Período Especial" e abraçou ideias ambientalistas e antiglobalização. Na década de 2000 ele forjou alianças na "onda rosa" da América Latina e assinou a Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América.

Em 2006, transferiu suas responsabilidades para o vice-presidente e irmão Raúl Castro, que assumiu formalmente a presidência em 2008.

Castro era uma figura mundial controversa e divisiva. Ele foi condecorado com vários prêmios internacionais e seus partidários o elogiam por ter sido um defensor do socialismo, do anti-imperialismo e do humanitarismo, cujo regime revolucionário garantiu a independência de Cuba do imperialismo norte americano. Por outro lado, os críticos o classificam como um ditador totalitário cuja administração cometeu múltiplos abusos ao direitos humanos, causou um êxodo de mais de um milhão de cubanos e o empobrecimento da economia do país.

Através de suas ações e seus escritos, ele influenciou significativamente a política de vários indivíduos e grupos em todo o mundo.

MORTE
 Fidel Castro morreu em Havana na noite de 25 de novembro de 2016, aos 90 anos. A morte do líder cubano foi anunciada pela TV estatal cubana. Castro morreu às 22h29 e o corpo do ex-presidente de Cuba será cremado, "atendendo a seus pedidos", informou Raúl Castro, na TV estatal. O governo de Cuba decretou nove dias de luto nacional pela morte do líder da Revolução Cubana e anunciou que o funeral de Fidel ocorrerá no dia 4 de dezembro, no cemitério Santa Ifigênia, na cidade de Santiago de Cuba.

Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales

3 de nov de 2016

25 de out de 2016

CARLOS ALBERTO TORRES - Arte Tumular - 1120 - Cemitério de Irajá, Zona Norte do Rio de Janeiro


Local: Cemitério de Irajá, Zona Norte do Rio de Janeiro





PERSONAGEM
Carlos Alberto Torres (Rio de Janeiro, 17 de julho de 1944 - Rio de Janeiro, 25 de outubro de 2016) foi um futebolista e treinador brasileiro, que atuava como lateral-direito. De longa carreira, foi um dos símbolos do clássico futebol brasileiro, eternizado pela conquista do tricampeonato mundial no México em 1970.
Morreu aos 72 anos de idade.

 SINOPSE BIBLIOGRÁFICA

Considerado um dos maiores jogadores da história em sua posição, ele foi o capitão da Seleção Brasileira que ganhou a Copa do Mundo FIFA de 1970, no México, ficando conhecido como o Capitão do Tri.
No que diz respeito aos clubes, Carlos Alberto jogou pelo  Fluminense, Botafogo, Flamengo, Califórnia Surf, Santos e New York Cosmos. Ele foi o companheiro de Pelé nos últimos dois clubes.



COMO JOGADOR
Carioca de Vila da Penha, Carlos Alberto foi revelado pelo Fluminense, sendo medalhista de ouro nos Jogos Pan-Americanos de 1963, disputados em São Paulo, e foi campeão do Campeonato Carioca de 1964.

Logo depois, se transferiria para o Santos. Quando Carlos Alberto chegou na Vila Belmiro em 1965, o Santos atravessava o seu apogeu, com conquistas como o bicampeonato da Copa Libertadores da América e do Mundial de Clubes. Muitos cronistas dizem que foi um dos maiores laterais-direitos de todos os tempos. Tinha habilidade, respeito dos companheiros e, como uma de suas características principais, uma forte personalidade.

Pelo Santos foi pentacampeão paulista em 1965, 1967, 1968, 1969 e 1973, ano em que conquistou seu último título pelo time da Vila Belmiro.

Em 1971, atuou por empréstimo com a camisa do Botafogo em 22 jogos, onde também se destacou nos 3 meses que por lá passou.

Em 1976 retornou ao Fluminense, onde fez parte do time que ficou conhecido como a Máquina Tricolor, sendo bicampeão carioca em Campeonato Carioca de Futebol de 1976, semifinalista do campeonato brasileiro de 1976, depois passando pelo Flamengo.

Carlos Alberto marcou sua história em todos os times que jogou, pois conseguiu se firmar e ganhar respeito em vários times de craques, mesmo na Seleção Brasileira tricampeã de 1970, onde era um dos líderes e o capitão da equipe.

Em março de 2004, Carlos Alberto foi nomeado por Pelé um dos 125 melhores jogadores vivos do mundo.

COMO TREINADOR
Em seu primeiro ano como treinador, já se consagrou Campeão Brasileiro pelo Flamengo.

Em 1985, foi bicampeão pernambucano pelo Clube Náutico Capibaribe.

SELEÇÃO DA AMÉRICA DO SUL DE TODOS OS TEMPOS
Foi escolhido ainda para integrar a seleção da América do Sul de todos os tempos na posição de zagueiro. A enquete foi realizada com cronistas esportivos de todo o mundo. A FIFA o considera um dos maiores laterais direitos de todos os tempos.

CARREIRA POLÍTICA
Na política, Carlos Alberto era filiado ao Partido Democrático Trabalhista. Foi vereador de 1989 a 1993, ocupando a vice-presidência e a primeira secretaria da Câmara dos Vereadores do Rio de Janeiro. Em 2008 tentou uma vaga para vice-prefeito da capital fluminense, na chapa de Paulo Ramos, não se elegendo.

VIDA PESSOAL
Carlos Alberto foi casado três vezes: com Sueli, mãe dos seus filhos Andréa e Alexandre Torres, também jogador, com a atriz Terezinha Sodré e com Graça, sua ultima esposa.

Carlos Alberto Torres fez sua última aparição no Sport TV, onde era comentarista, apenas dois dias antes de sua morte, quando participou do programa Troca de Passes. Ricardo Rocha, ex-zagueiro e amigo próximo do Capitão, e o comentarista Luiz Ademar, também do Spor TV, relataram que Carlos Alberto tinha boa saúde, a despeito da idade.

MORTE
Morreu em 25 de outubro de 2016, vítima de um infarto fulminante em sua casa, no Rio de Janeiro.

Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales.