“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

11 de fev de 2016

PRINCESA MARGARET - Arte Tumular - 1082 - St George's Chapel Windsor Windsor and Maidenhead Royal Borough Berkshire, England









ARTE TUMULAR
No interior da Capela  São Jorge de Windsor, no Memorial de George VI, encontra-se os seu restos mortais depositados no interior.


Local: St George's Chapel Windsor and Maidenhead Royal Borough Berkshire, England Plot: King George VI Memorial Chapel



PERSONAGEM
Margaret, Condessa de Snowdon (21 de agosto de 1930 – 9 de fevereiro de 2002) foi a irmã mais nova da rainha Isabel II e a filha mais nova do rei Jorge VI.
Morreu aos 71 anos de idade.

SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
Margaret passou grande parte de sua infância na companhia de sua irmã mais velha e dos pais. Sua vida mudou dramaticamente em 1936, quando seu tio paterno, o rei Eduardo VIII, abdicou ao trono para casar com norte-americana Wallis Simpson.

O pai de Margaret tornou-se rei no lugar de Eduardo, e sua irmã mais velha tornou-se herdeira presuntiva, o que fez de Margarida, a segunda na linha de sucessão. Durante a Segunda Guerra Mundial, as duas irmãs ficaram no Castelo de Windsor, apesar da pressão do governo para levá-las ao Canadá. Nos anos de guerra, não era esperado que Margarida realizasse nenhum dever público ou oficial, e, em vez disso, continuou seus estudos.

Após a guerra, apaixonou-se por um homem divorciado, Peter Townsend, o palafreneiro de seu pai. Na mesma época, seu pai morreu, e sua irmã tornou-se rainha. Muitos do governo acharam que Townsend seria um marido inadequado para a irmã da rainha, e a Igreja Anglicana recusou-se a aprovar o casamento.

Sob pressão, Margarida escolheu abandonar seus planos, e aceitou o pedido de casamento do fotógrafo Antony Armstrong-Jones, nomeado Conde de Snowdon pela rainha Isabel II. O casamento, apesar de um começo auspicioso, logo tornou-se infeliz; o casal se divorciou em 1978.

Margarida era frequentemente vista como um membro controverso da família real. Seu divórcio lhe rendeu uma publicidade negativa, e ela tinha casos românticos com vários homens. Sua saúde gradualmente piorou nas últimas duas décadas de sua vida; fumante durante toda a sua vida adulta, passou por uma cirurgia de pulmão em 1985, uma crise de pneumonia em 1993, e pelo menos três AVCs entre 1998 e 2001.

MORTE
Margarida sempre fora uma contumaz fumante. Em 1998, ela teve um pequeno ataque cardíaco na sua residência na ilha de Mustique. No mesmo ano, ela escaldou severamente seu pé dentro de seu banheiro, o que afetou sua mobilidade a ponto de ter que ficar restrita às vezes numa cadeira de rodas e usar suportes para poder caminhar. Em 2000 e 2001, outros ataques foram diagnosticados. A última aparição pública de Margarida foi no aniversário de cem anos de sua tia, a Princesa Alice, Duquesa de Gloucester, em 25 de dezembro de 2001, princesa Margarida morou no Palácio de Kensington de 1930 até sua morte em 2002.
Margarida morreu no hospital em 9 de fevereiro de 2002, aos 71 anos, depois de sofrer um ataque cardíaco massivo. Seu funeral foi um evento particular em família, no dia em que se completou o aniversário de morte de cinqüenta anos de seu pai, e ocorreu durante o ano do jubileu de ouro (cinqüenta anos de reinado) de sua irmã. A cerimônia foi um evento particular - no qual a rainha-mãe foi vista publicamente pela última vez antes de sua morte. Um serviço memorial de Estado completo foi realizado muitas semanas depois. Diferentemente de outros membros da família real, Margarida foi cremada . Suas cinzas foram enterradas na Capela de São Jorge (Castelo de Windsor) ao lado do pai Jorge VI do Reino Unido e de sua mãe Elizabeth Bowes-Lyon, a mãe faleceu pouco depois da morte da filha em 30 de março de 2002.

Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação:Helio Rubiales





Nenhum comentário: