“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

11 de fev de 2016

CHARLES GOODYEAR - Arte Tumular - 1081 - Grove Street Cemetery New Haven New Haven County Connecticut, USA







Cemitério
ARTE TUMULAR
O túmulo ocupa uma grande parte do terreno, todo feito em granito, tem na parte frontal uma pequena escadaria de entrada, murtada e seguindo todo o perímetro tumular. Na parte central, ergue-se uma base tumular quadrada com uma cobertura com o mesmo material, logo abaixo, uma placa de bronze com o seu nome e datas., seguida mais abaixo pelo nome da família "Goodyear".
Fotos: Findgrave, dead-trek.com

Descrição tumular: Helio Rubiales

Local: Grove Street Cemetery New Haven New Haven County Connecticut, USA
 Plot: 45 Sycamore Ave.




PERSONAGEM
Charles Goodyear (New Haven, 29 de dezembro de 1800 — Nova Iorque, 1 de julho de 1860) foi um inventor americano que ficou conhecido por ter descoberto a vulcanização da borracha.
Morreu aos 59 anos de idade.

SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
Começou a carreira como um sócio do pai, mas o negócio faliu (1830). Ele ficou interessado então, em descobrir um método de tratar  a borracha da Índia, de forma que ela perdesse sua adesividade e suscetibilidade.

 Procurou ampliar o campo de aplicação da borracha misturando-a com outras substâncias, entrou em uma loja da Cia. de Borracha Roxbury, da Índia, o primeiro fabricante de borracha da América, mostrou ao gerente de loja uma válvula nova que ele tinha inventado. Porém a companhia não estava mais no mercado para válvulas pois diversos artigos de borracha fundidos produzidos na fábrica da companhia em Roxbury, Massachusetts, haviam derretidos no calor e estavam sendo devolvidos por clientes enfurecidos.

A febre da borracha, a goma impermeável nova do Brasil, do início do século XIX terminara tão de repente quanto tinha começado. Mesmo assim ele não desistiu de estudar as propriedades da borracha. Voltando à Filadélfia, foi preso por não pagar uma dívida e enquanto preso fez as primeiras experiências com borracha, amassando e trabalhando a mesma durante horas. Pensou em adicionar um pó seco à goma para  aumentar sua viscosidade e já fora da prisão ele tentou a mistura com a ajuda da esposa e suas filhas pequenas.

Transferiu-se para Nova Iorque e transformou em laboratório um quarto de moradia cedido por um amigo. Acrescentando dois agentes secantes à borracha, talco e quicklime, e fervendo a mistura, conseguiu um produto mais estável, que lhe deu uma medalha em uma feira comercial em Nova Iorque. Com a falta de matéria prima aplicou ácido nítrico para remover uma pintura de bronze em amostras usadas. Curiosamente a adição resultou na melhor borracha que ele já havia feito.

A crise financeira (1837) prejudicou a prosperidade do negócio. Depois de um período de miséria, conseguiu novo apoio em Boston e arranjou um contrato com o governo para fabricação de 150 malas postais, utilizando o processo de ácido nítrico. Porém durante o armazenamento as malas postais mostraram problemas e ele voltou ao fundo do poço.

Persistente passou a usar enxofre em suas experiências. Um dos pedaços de sua nova mistura escapou-lhe dos dedos e caiu sobre uma chapa quente (1839). Quando ele se preparava para limpar a chapa, ele encontrou um produto com a consistência similar ao couro. E ao redor da área carbonizada estava uma borda marrom seca, elástica, tão notavelmente alterada, que era certamente uma substância nova. Acidentalmente tinha descoberto o processo de vulcanização a partir da borracha com enxofre e calor, ou seja, tinha produzido a borracha impermeável, uma das maiores descobertas acidentais da história.

Escreveu para o cunhado, um abastado fabricante têxtil de Nova Iorque, contando-lhe suas descobertas. O cunhado interessou-se e rapidamente montou duas fábricas de produtos têxteis à base de borracha, que se tornaram um sucesso. A partir de uma amostra Thomas Hancock inventou a borracha vulcanizada (1843), quatro anos depois de Goodyear. Até que o norte-americano solicitasse uma patente inglesa, Hancock já havia depositado a sua, algumas semanas mais cedo. Apesar de problemas legais na França, lá ele recebeu a Cruz da Legião de Honra, dada pelo Imperador Napoleão III. Embora tenha se tornado dono de várias patentes não conseguiu fazer fortuna pessoal porém teve um final da vida confortável com sua família

MORTE
Morreu em New York . Seu filho Charles Goodyear Jr. (1833-1896) construiu com talento inventivo, uma pequena fortuna em maquinário industrial. A companhia Goodyear Pneus & Borrachas foi nomeada em sua honra, mas nunca pertenceu a membros de sua família


Fonte: www.dec.ufcg.edu.br/biografias/CharGoo1.html
Formatação:Helio Rubiales









Nenhum comentário: