“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

5 de out de 2013

RAY GILLEN - Arte Tumular - 870 - Fairview Memorial Park and Mausoleum Fairview Bergen County New Jersey, USA




ARTE TUMULAR
Lápide em granito com o seu nome e datas gravados. Em destaque a imagem do vocalista de um lado e do outro a expressão "Rock and Roll"

Local:
Fotos: Kitten
Descrição tumular: Helio Rubiales

PERSONAGEM
 Ray Gillen (12 de Maio de 1959 - 1 de Dezembro de 1993) foi um cantor, conhecido pelo seu trabalho com as bandas Black Sabbath e Badlands. Após passar por diversas bandas durante sua fase na escola, ele finalmente atingiu a sorte grande quando entrou na banda solo do ex-baterista do Rainbow Bobby Rondinelli. O ano era 1985, e enquanto gravava um álbum de estréia com essa banda, Ray Gillen recebeu dois convites inusitados: para ser o vocalista principal do famoso musical Cats e para ser o vocalista da banda inglesa Black Sabbath. Ele então saiu da banda Rondinelli e recusando o convite do musical, entrou no Black Sabbath tornou-se o sucessor do Glenn Hughes no Black Sabbath, que após uma briga durante a turnê sofreu uma lesão na cavidade nasal que inundava de sangue suas cordas vocais. Após a turnê do disco Seventh Star, a banda entrou em estúdio para gravar o disco Eternal Idol. Por diversos problemas, principalmente financeiros, a banda perdeu o baterista Eric Singer e o baixista Dave Spitz. Ray Gillen então saiu da banda, com o disco praticamente pronto, para ir se juntar a John Sykes no Blue Murder. Tony Martin foi chamado para substituir Ray Gillen e regravar o disco no Black Sabbath. Após poucos meses no Blue Murder, Ray Gillen foi mandado embora e gravou uma participação no Dream Runner, segundo álbum do projeto Phenomena, criado pelos irmãos Tom Galley e Mel Galley (que nesse momento gravava o álbum Slide It In do Whitesnake), cantando ao lado de Glenn Hughes e John Wetton. O álbum, lançado em 1987, foi o primeiro registro oficial do Ray Gillen no mundo da música. No ano seguinte, junto do ex-companheiro Eric Singer, do Jake E. Lee (ex-guitarrista do Ozzy Osbourne) e do desconhecido baixista Greg Chaisson, fundou o Badlands. O primeiro disco, auto-intitulado, foi um sucesso nos Estados Unidos e Europa. Seu sucessor, Voodoo Highway, vendeu mal devido à onda grunge. Já debilitado pela Aids, Ray entrou em estúdio para gravar o terceiro disco da banda, que não foi aprovado pela gravadora. Ray Gillen faleceu em Nova Iorque em 1993, no dia 1 de dezembro, dois dias antes do aniversário de Ozzy Osbourne, o homem que ele substituiu no Black Sabbath. Glenn Hughes, depois tornou-se um grande amigo do Ray, organizou um tributo para ele em 1994. O terceiro disco do Badlands, chamado Dusk, foi um lançamento póstumo, organizado pelo amigo e ex-companheiro de banda Greg Chaisson.
MORTE
Morreu em consequência da AIDS
Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales

Nenhum comentário: