“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

29 de out de 2013

MICHAEL PHILLIP ANDERSON - Arte Tumular - 920 - Arlington National Cemetery Arlington Arlington County Virginia, USA






Clark, Brown e Anderson da última missão Columbia estão enterrados imediatamente atrás do Columbia Memorial no cemitério Nacional de Arlington.

ARTE TUMULAR
Lápide em mármore branco com o seu nome e datas gravados e dados sobre a sua missão na Columbia.
O túmulo tratas-e de um cenotáfio, isto é, monumento erigido à memoria do morto, mas que não lhe encerra o corpo.

Local: Arlington National Cemetery Arlington Arlington County Virginia, USA
Plot: Section 46, Lot 1180-1


PERSONAGEM
 Michael Phillip Anderson (Plattsburgh, 25 de dezembro de 1959 - Espaço aéreo dos Estados Unidos, 1° de fevereiro de 2003) foi um astronauta norte-americano morto a bordo da missão STS-107 do ônibus espacial Columbia, que se desintegrou durante a re-entrada na atmosfera terrestre em fevereiro de 2003.
SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
 Michael Anderson nasceu em Plattsburgh, Nova York, porém considerava Spokane, Washington como sua cidade natal. Chegou ao posto de tenente coronel da Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) e em dezembro de 1994 foi selecionado para o cargo de astronauta da NASA. Foi escalado para participar da missão STS-89, do ônibus espacial Endeavour, sendo este seu primeiro voo espacial, missão esta que decolou em 23 de janeiro de 1998, permanecendo no espaço por quase nove dias. Este voo conduziu entre seus tripulantes o russo Salizhan Sharipov. Durante esta missão o Endeavour realizou a oitava acoplagem de um ônibus espacial americano com a estação espacial russa Mir. Por ocasião disto Michael Anderson tornou-se o primeiro negro a bordo da Mir. Ao fim desta missão ele e seus colegas de voo haviam completado 138 voltas em torno da Terra. Em 2003 Anderson foi escolhido para a fatídica missão STS-107, a bordo do ônibus espacial Columbia. Esta missão decolou em 16 de janeiro de 2003, conduzindo Anderson e outros seis astronautas, entre eles o primeiro cidadão israelense no espaço, o coronel Ilan Ramon. Esta missão teve a duração de quase 16 dias e completou 255 voltas em torno da Terra. Durante a mesma foram realizadas diferentes experiências em Biologia, desenvolvimento tecnológico, observações da Terra, entre outras, a bordo do laboratório Spacelab, levado a bordo do compartimento de carga da Columbia e ali mantido durante todo o voo.
Deixou a esposa, Sandra Lynn Hawkins, e dois filhos. Seus passatempos favoritos eram o xadrez, a fotografia, a computação e o tênis. Ele se graduou em 1977 na Escola Preparatória Cheney na cidade de Cheney, Washington, sendo um dos três únicos estudantes negros em uma classe de 200 alunos. Em 1981 obteve uma licenciatura em ciências para física e astronomia na Universidade de Washington, e em 1990 uma pós-graduação em ciências físicas na Universidade de Creighton.

Membros da missão
MORTE
 Ao fim da missão, no retorno à Terra, em 1 de fevereiro, devido a um rombo em uma das asas da nave, provocado por uma peça que se desprendera e a atingira durante o lançamento, a Columbia foi destruída. A causa da destruição foi a entrada de gases incandescentes pelo rombo, durante a manobra de reentrada da nave. Quando a nave explodiu, 61 quilômetros acima do sul dos Estados Unidos, matando os sete astronautas, faltavam apenas dezesseis minutos para sua aterrissagem. Anderson morreu juntamente como seus seis colegas de voo,
Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales

Nenhum comentário: