“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

7 de ago de 2011

YUL BRYNNER - Arte Tumular - 526 - Saint Robert Churchyard ,Luze,Centre Region, France


ARTE TUMULAR
Lápide tumular em granito com o seu nome gravado

Local: Saint Robert Churchyard ,Luze,Centre Region, France
Plot: Grave localizado no pasto atrás de São Michal Abadia de Bos Aubry
Fotos: Donald Greyfield e Cleef Burton
Descrição tumular: Helio Rubiales
PERSONAGEM
Yul Brynner, nascido Yuli Borisovich Bryner (Vladivostok, Rússia, 11 de Julho de 1920 — Nova York, 10 de Outubro de 1985), foi um ator russo-americano.
Morreu aos 65 anos de idade.
BIOGRAFIA
Devido à sua ascendência mongol passou a se denominar Taidje Khan. Brynner era filho do inventor e cônsul suíço na Rússia Boris Brynner com Marussia Blagowidowa.
Depois que seu pai deixou a família na década de 1930, passou a infância entre Pequim e Paris, chegando a estudar Filosofia na Sorbonne. Em 1941 chegou aos Estados Unidos para estudar teatro. Oito anos depois estreou no cinema com o filme "Port of New York".
Raspou a cabeça em 1951 quando foi convidado a representar o rei de Sião no musical da Broadway, "O Rei e Eu", peça que representou durante trinta anos. Anos depois ele ganhou o Oscar de melhor ator pela sua atuação no filme O Rei e Eu, baseado no mesmo espetáculo. Nos anos 70 ele retomaria o personagem em uma séria de TV.
Estrelou várias produções de sucesso entre as quais podem ser citadas: "Os Dez Mandamentos", "Sete Homens e um Destino", "Anastácia, a Princesa Esquecida", "Os Irmãos Karamazov", "Taras Bulba" e "O Farol do Fim do Mundo.
Casou-se quatro vezes e teve quatro filhos.
MORTE
Faleceu vítima de um câncer no pulmão.
Fonte:pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales

Nenhum comentário: