“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

28 de ago de 2011

DUKE ELLINGTON - Arte Tumular - 594 - Cemitério Woodlawn Bronx Bronx County New York, EUA








ARTE TUMULAR
Placa de mármore (lapide) com o seu nome e datas gravados

Local:Cemitério Woodlawn Bronx Bronx County New York, EUA
Sinopse: Seção: Wild Rose (na interseção de Heather e Ave Knollwood.)
Fotos: Russ rodeio Jim Tripton
Descrição tumular: Helio Rubiales
PERSONAGEM
Edward Kennedy "Duke" Ellington (Washington, 29 de Abril de 1899 — Nova Iorque, 24 de Maio de 1974) foi um compositor de jazz, pianista e líder de orquestra americana.
Morreu aos 75 anos de idade.
SINOPSE ARTÍSTICA
Eternizado com a alcunha de "The Duke" e distinguido com a Presidential Medal of Freedom (condecoração americana) em 1969 e com a Legião de Honra (condecoração francesa) em 1973, sendo ambas as distinções as mais elevadas que um civil pode receber. Foi ainda o primeiro músico de jazz a entrar para a Academia Real de Música de Estocolmo, e foi honoris causa nas mais importantes universidades do mundo.
A música de Duke Ellington foi uma das maiores influências no jazz desde a década de 1920 até à de 1960. Ainda hoje suas obras têm influência apreciável e é, por isso, considerado o maior compositor de jazz americano de todos os tempos. Entre os seus muitos êxitos encontram-se "Take the A Train" (letra e música por Billy Strayhorn), "Satin Doll", "Rockin' in Rhythm", "Mood Indigo", "Caravan", "Sophisticated Lady", e "It Don't Mean a Thing (If It Ain't Got that Swing)". Durante os anos 20 e 30, Ellington partilhava frequentemente seus créditos de compositor com seu manager Irving Mills, até que no final dos anos 30 desentenderam-se. Billy Strayhorn passou a ser o colaborador de Ellington (nem sempre creditado como tal) desde 1940 até à sua morte nos anos 70.
Ellington tinha a preocupação de adaptar as suas composições de acordo com o talento dos músicos que compunham a sua orquestra, entre eles estiveram Johnny Hodges, Bubber Miley, Joe "Tricky Sam" Nanton, Barney Bigard, Ben Webster, Harry Carney, Sonny Greer, Otto Hardwick, e Wellman Braud. Muitos músicos permaneceram ao lado de Ellington durante décadas.
MORTE
Ellington morreu de câncer de pulmão e pneumonia em 24 de maio de 1974, um mês depois de seu 75 º aniversário, e foi enterrado no Cemitério Woodlawn , no Bronx , New York City. Em seu funeral assistido por mais de 12 mil pessoas na Catedral de St. John, The Divine, Ella Fitzgerald , resumiu a ocasião: "É um dia muito triste. Um gênio já passou." Mercer Ellington( único filho) pegou as rédeas da orquestra imediatamente após a morte do duque. As últimas palavras foram Ellington, "A música é como eu vivo, porque eu vivo e como eu vou ser lembrado.
Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales

Nenhum comentário: