“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

25 de abr de 2011

PORFIRIO DÍAZ - Arte Tumular - 465 - Cimetière de Montparnasse ,Paris, Ile-de-France Region, France


Porfirio Diaz
TÚMULO
Construção em granito natural em formato de capela, encimado por uma cruz latina. Com um portal de bronze em formato ogival dá acesso ao mausoléu. Na parte superior o nome do presidente gravado no granito Encimando o portal, escultura em bronze de uma águia sobre uma planta de cactos, carregando uma serpente viva. As ramas carregadas de frutos na parte inferior (azinhiera à esquerda e louro à direita), representa o martírio e vitória dos que deram a vida pelo México (Esse é o brasão de Armas do México)
Local: Cimetière de Montparnasse ,Paris, Ile-de-France Region, France 
Foto: pt.wikipedia.org e Felipe Pachono (Flickr)
Descrição tumular: Helio Rubiales
PERSONAGEM
José de la Cruz Porfirio Díaz Mory (Oaxaca de Juárez15 de Setembro de 1830 —Paris1 de Julho de 1915) foi um militarpolítico mexicano. Foi presidente de seu país em diversos períodos.
Morreu aos 84 anos de idade
BIOGRAFIA (Resumida)
Filho de José Faustino Díaz Bohorques e Petrona Mory Cortés. Perdeu o seu pai aos três anos de idade. Em 1850 Porfirio entrara ao Instituto de Ciências e Artes de Oaxaca para estudar leis.

Combateu em 1855 contra o general Antonio López de Santa Anna na Revolução de Ayutla com a qual foi vencida a ditadura deste general, levando-o ao exílio.
Participou da Guerra da Reforma, na qual se distinguiu como defensor do liberalismo e, tempo depois, na Guerra de Intervenção Francesa, destacando-se seu triunfo em Pueblaem 1862 conduziu à cavalaria na batalha comemorada de 5 de Maio de 1862; mais tarde também em Puebla a 2 de Abril de 1867, na qual venceu às tropas imperiais.
Uma vez presidente (1876-1880), fez mudanças constitucionais para eliminar a reeleição. Em 1880 foi eleito presidente Manuel González (amigo de Porfirio Díaz), quem lhe ajudou a realizar as reformas pertinentes para poder reeleger-se. Durante este período desempenhou um cargo no gabinete de Manuel González e depois foi governador de Oaxaca.
Graças às reformas feitas à Constituição de 1857, manteve-se no poder de 1884 a 1911no período conhecido como Porfirismo. Governou o país ajudado por um grupo de políticos e intelectuais, aos quais o povo denominou "científicos", por apoiar-se, segundo eles, em métodos científicos para a administração do governo.
Desenvolveu a indústria, o comércio e o transporte a custo de uma dependência das potências estrangeiras. O traçado das principais linhas férreas, por exemplo, era das zonas mineiras aos portos.
Com a queda do apoio popular ao seu governo, e a insurreição lançada por Francisco I. Madero, foi forçado a renunciar em 25 de Maio de 1911.
Foi o autor da célebre frase, hoje ditado popular: "Pobre México. Tão longe de Deus e tão perto dos Estados Unidos."
MORTE
Em 1915, Díaz morreu no exílio em Paris, onde está sepultado no Cemitério do Montparnasse
Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales

Nenhum comentário: