“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

6 de fev de 2010

ROBIN HOOD - Arte Tumular - 351 - Kirklees Priory ,Kirklees, West Yorkshire, Inglaterra



Placa (lápide) na parede



ARTE TUMULAR
A provável sepultura está localizada cerca de 600 metros da antiga portaria do Convento de Kirklees. Diz a lenda, que sabendo que morreria, na presença do seu fiel amigo Little John, lançou uma flecha que caiu a cerca de 600 metros do local, determinando dessa forma, ao amigo onde deveria ser sepultado. No local, há uma construção retangular, muito mal conservada, com muitas folhas e galhos de árvores. Dentro tem uma laje com inscrições num inglês arcaico ou algo parecido, que diz:
Hear Underneath this laitl Stean
Laz robert earl of Huntingtun
Ne'er arcir ver as hie sa geud
And pipl kauld im robin heud
Sick utlawz az hi an iz men
Vil england nivr si agen.
Obiit 24 kal; Dekembris 1247

“Aqui jaz Roberd Hude”
Vista interna
As grades de ferro ladeando o túmulo foram colocadas no século XIX. Deste modo percebe-se que o túmulo foi muito alterado durante os séculos.
LOCAL: Kirklees Priory ,Kirklees, West Yorkshire, Inglaterra
Fotos: Mongoose, Gill Hainswort e Guilherme Primo
Descrição Tumular: Helio Rubiales
(NADA ESTÁ COMPROVADO)
PERSONAGEM
Robin Hood (Século XVIII ?) é um herói mítico inglês, um fora-da-lei que roubava dos ricos para dar aos pobres, nos tempos do Rei Ricardo Coração de Leão. Era hábil no arco e flecha e vivia na floresta de Sherwood. Era ajudado por seus amigos "João Pequeno" e "Frei Tuck", entre outros moradores de Sherwood. Teria vivido no século XIII, gostava de vaguear pela floresta e prezava a liberdade. Ficou imortalizado como "Príncipe dos ladrões". Tenha ou não existido tal como o conhecemos, "Robin Hood" é, para muitos, um dos maiores heróis da Inglaterra.
VERSÕES HISTÓRICAS
No entanto o herói não é de fato um ladrão errante que vive em florestas. A história começa quando Robin of Locksley, filho do Barão Locksley é um cruzado e viaja com o Rei Ricardo para catequizar os hereges. Prisioneiro, ele foge e retorna a Inglaterra. No entanto, ao chegar em casa percebe que muitas coisas aconteceram. Aproveitando a ausência do Rei Ricardo, o príncipe John, o segundo herdeiro direto, assume seu trono, aumenta os impostos e mata o pai de Robin, destruindo também seu castelo. Não tendo onde morar, Robin Hood encontra um grupo de homens que moram na floresta e os lidera em uma batalha com o príncipe. Ele quer reaver sua posição nobre e também ajudar aos que se tornaram pobres graças a ganância de John.
Na História, Robin Hood, que ganha o apelido por usar um hood (tipo de chapéu com pena) vence o príncipe John e casa-se com Maid Marian, sobrinha de Ricardo. No fim da história, Ricardo Coração de Leão reaparece após sua derrota em terras estrangeiras e nomeia Robin Hood cavaleiro, tornando-o nobre novamente.
FATOS E REFERÊNCIAS HISTÓRICAS
Se existiu de fato, viveu durante o século XIII. Uma das primeiras referências a tal personagem é o poema épico Piers Plowman, escrito por William Langland em 1377. A compilação Gesta de Robin Hood, de 1400, sugere que as histórias que compõem a lenda circulavam bastante anos antes.
Para quem vive hoje em Nottingham, cidade no centro de Inglaterra que serve de cenário à maioria das baladas iniciais, Robin continua a existir. Além das estátuas, há as ruas batizadas com o seu nome ou o festival anual que lhe é dedicado. E há também o que resta da Floresta de Sherwood, onde é possível encontrar a árvore em redor da qual o bando de Robin se reunia em conselho. É claro que, caso tenha vivido em Yorkshire, a floresta não era a de Sherwood mas a de Barnsdale. No convento de Kirklees, hoje em ruínas, existe também aquela que se pensa ser a sua campa e onde se pode ler: "Aqui jaz Robard Hude".
"Robin Hood" é, desde sempre, por motivos que as versões às vezes alteram, um fora-da-lei. As referências históricas que sustêm as várias teorias da sua existência prendem-se, aliás, na maior parte dos casos, com registos de comparência em tribunais. Por Robin ter existido como "Robin Hood", por a lenda ser já contada ou por simples coincidência, parece ter havido antes de 1300, na mesma região, pelo menos cinco homens acusados de actividade criminal conhecidos pela alcunha de "Robinhood".
Existem muitos candidatos a ter em conta, e se quiser acreditar que Robin existiu. De acordo com a investigação de Joseph Hunter, em1852, Robin era Robert Hood e tornou-se fugitivo por ter ajudado o Conde de Lancaster, que se rebelara contra a cobrança abusiva de impostos do Príncipe João, que por sua vez, usurpara o trono de seu irmão, o Rei Ricardo (apelidado de "Coração de Leão", desaparecido numa cruzada).
Em 1998, Tony Molyneux-Smith publicou um livro onde sustenta que a origem da lenda é Sir Robert Foliot, lorde de uma família que escolheu usar o nome de "Robin Hood" para esconder a sua verdadeira identidade como protecção numa sociedade violenta.
Em todos os casos, o herói escolheu a vida clandestina da floresta depois de ter sido injustiçado e a sua opção faz escola, acabando por formar um exército com o qual se opõe à maldade que o rodeava.
Os pobres vêem-no como livre e generoso, os ricos e poderosos temem-no. Na história de Pyle, tal como em muitas outras, Robin veste de verde, maneja o arco como ninguém, não teme nada e vive livre e feliz, rodeado de amigos que se ajudam a cada nova ameaça.
MORTE
Em conseqüência de uma hemorragia provocada por um ferimento de flecha
Fonte:
pt.wikipedia.org
www.highton.org/robinhoodold/grave2.htm
www.geograph.org.uk/photo/78389
www.britannia.com/tours/rhood/rhgrave.html
Formatação e pesquisa: Helio Rubiales

Um comentário:

Silvana Nunes .'. disse...

Boa tarde. Muito interessante isso aqui, ainda não vi nada igual.
Aos meus amigos leitores.
Há dias que a minha foto e o lin foi excluída de alguns blogs. Não sei o porque disso, já tentei buscar solução para o problema e não consegui. Quando tento adicionar vocês, aparece uma mensagem que diz o seguinte: "o proprietário deste espaço bloqueou a sua participação nesse site".
Isso não ocorre com todo mundo, somente com algumas pessoas. Quero dizer que não excluí ninguém, pelo contrário, eu adoro interagir com vocês, só lamento profundamente o que está acontecendo. Algumas pessoas me disseram que isso é problema do site. Com isso eu não tenho acesso a todo mundo porque o link do blog dessas pessoas foi apagado da minha página e nem sempre lembro o nome do blog de todos vocês para chegar através da pesquisa do Google. Peço que ao enviarem os seus comentários, procurem colocar o link para que possa responder e chegar até vocês.
Espero que compreendam e não me abandonem. Vamos torcer para que esta situação se normalize o quanto antes.
Muito obrigada e desculpe o transtorno, mas gosto das coisas bem esclarecidas e não quero que pense que sou a responsável por isso.
Bom carnaval para você.
Silvana Nunes
FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER...
http://www.silnunesprof.blogspot.com