“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

24 de fev de 2010

NAPOLEON BONAPARTE - Arte Tumular - 06 - Igreja des Invalides, Paris, França.







ARTE TUMULAR
SANTA HELENA
Napoleão logo após a sua morte em 1821,foi sepultado no local do seu exílio, a Ilha de Santa Helena, sem qualquer cerimônia ou pompa, num túmulo simples, na própria terra, demarcado apenas por um gradil de ferro. Permaneceu nesse local por 19 anos (1840).
LOCAL: Cemitério de Santa Helena, Ilha de Santa Helena.
Foto: Robert Edward
Descrição tumular:HRubiales
CAPELA DE SÃO JERÔNIMO
Por ordem e interferência do Rei Louis-Philippe rm 1840, os restos mortais de Napoleão foram transferidos de Santa Helena para Paris. Depois de um funeral com honras de chefe de esrado, o cortejo fúnebre passou por baixo do Arco do Triunfo no Champs-Elysées, em frente a Place de la Concorde, na esplanada e finalmente a Capela de São Jerônimo onde foi sepultado num túmulo provisório até 1861, por 21 anos.

DÔME LES INVALIDES
Finalmente em 2 de abril de 1861 seus restos mortais foram transferidos para o túmulo definitivo sob a cúipula de Le Invalides. O monumento foi encomendando pelo Rei Louiz-Philippe, ao arquiteto Visconti (1791-1853), que fez grandes transformações no local da antiga cúpula. Atrvés de grandes escavações, o nível da igreja foi rebaixado, criando um sub-solo onde ficaria alojada a cripta do imperador. Não houve restrições para contenção de gastos. O magnífico complexo tumular foi construído em mármore vermelho da Rússia, suportado por uma base de granito verde dos Vosges.

O túmulo em forma de esquife ricamente decorado, tem um tampo representando o acento de um trono em alusão ao imperador. Dentro, os restos mortais de Napoleão foi colocado vestindo um uniforme e com o chapéu sobre as suas pernas, dentro de seis caixões separados (um dentro do outro): de ferro (latão), mogno, dois de chumbo, ébano e o último de carvalho.
O conjunto é rodeado por uma coroa de louro (que representa a vitória), um circulo em mármore negro acompanhando a coroa pela parte interna, traz inscrições de grandes vitórias do império. Por fora da coroa, em mármore ocre, uma sequencia de pontas representando a irradiação do império.
O túmulo é rodeado por galerias, uma ao nível do túmulo e a outra ao nível do piso da igreja. Uma escultura do imperador com os emblemas imperiais foi erguida na parte posterior da cripta, tendo na sua base uma lápide de mármore, do túmulo do seu filho, escrito: “Napoleon II Roi de Rome (1811-1832)”, é apenas uma metáfora. 
Doze colunas esculpidas de figuras femininas representando Vitória zelam pelo túmulo. Uma serie de baixo-relevo, esculpidas por Simart e pinturas, representam as principais ações do seu governo.
Nesse local, também estão os restos mortais de dois irmãos e um filho de Napoleão. A iluminação do local é feita pela cúpula principal.
 O local também, é conhecido como “Dôme des Ivalides”

AUTOR: Arquiteto Visconti
LOCAL: Igreja des Invalides, Paris, França.
Fotos: commons.wikipedia.org, Rogério P.D.Luz, Marcos Picassa,
Descrição tumular:HRubiales


PERSONALIDADE



Napoleão Bonaparte (em francês Napoléon Bonaparte, nascido Napoleone di Buonaparte; Ajaccio, Córsega, 15 de Agosto de 1769 — Santa Helena, 5 de Maio de 1821) foi o dirigente efectivo da França a partir de 1799 e adotando o nome de Napoleão I.
Morreu com 52 anos de idade.
BIOGRAFIA (Muito resumida)
Foi Imperador da França de 18 de Maio de 1804 a 6 de Abril de 1814, posição que voltou a ocupar rapidamente de 20 de março a 22 de junho de 1815. Além disso, conquistou e governou grande parte da Europa central e ocidental. Napoleão nomeou muitos membros da família Bonaparte para monarcas, mas eles, em geral, não sobreviveram à sua queda. Foi um dos chamados "monarcas iluminados", que tentaram aplicar à política as idéias do movimento filosófico chamado Iluminismo ou Aufklärung.
Napoleão Bonaparte tornou-se uma figura importante no cenário político mundial da época, já que esteve no poder da França durante 15 anos e nesse tempo conquistou grandes partes do continente europeu. Os biógrafos afirmam que seu sucesso deu-se devido ao seu talento como estrategista, ao seu talento para empolgar os soldados com promessas de riqueza e glória, após vencidas as batalhas, além do seu espírito de liderança.
O governo do Diretório foi derrubado na França sob o comando de Napoleão Bonaparte, que, junto com a burguesia, instituiu o consulado, primeira fase do governo de Napoleão. Este golpe ficou conhecido como 'Golpe 18 de Brumário' (data que corresponde ao calendário estabelecido pela Revolução Francesa e equivale a 9 de novembro do calendário gregoriano) em 1799. Muitos historiadores alegam que Napoleão fez questão de evitar que camadas inferiores da população subissem ao poder.
CASAMENTOS E DESCENDÊNCIAS
Napoleão casou-se duas vezes:
Em 9 de Março de 1796 com Josefina de Beauharnais. Em 11 de Março de 1810 por procuração com Maria Luisa de Áustria e depois numa cerimónia em 1 de Abril. Tiveram um filho: Napoleão II de França
Napoleão também teve vários filhos fora dos casamentos.
EXÍLLIO EM SANTA HELENA
Napoleão foi preso e então exilado pelos britânicos na ilha de Santa Helena em 15 de outubro de 1815. Lá, com um pequeno legado de seguidores, contava suas memórias e criticava aqueles que o capturaram.
MORTE
Em 5 de Maio de 1821, com uma violenta tempestade assolando a ilha, Napoleão morreu.
TEORIAS SOBRE A MORTE
Até hoje, não há certeza da causa da morte de Napoleão. Na década de 1960, pesquisadores investigaram sua casa na ilha de Santa Helena e encontraram restos de arsênio (veneno letal) em suas roupas, cabelo, nos móveis, pratos, talheres, etc. Então, concluiu-se que ele fora envenenado aos poucos, até sua morte.
Porém, hoje em dia, já se sabe que Napoleão tinha câncer no estômago e, provavelmente, foi tratado com um remédio da época que, possuía, em sua constituição, arsênio e solventes. Como tomou esse remédio por um período grande e constantemente, acredita-se que o arsênio acumulou-se em seu organismo.
SUSPEITAS DEPOIS DA MORTE
+Em 1955, surgiram documentos em que Napoleão era descrito meses antes de sua morte, pensavasse que havia sido morto por envenenamento com arsênio. O arsênio era usado antigamente como um veneno indetectável se aplicado a longo prazo.
+Em 2001, um estudo de Pascal Kintz, do Instituto Forense de Estrasburgo, na França, adicionou crença a esta possibilidade com um estudo de um pedaço de cabelo preservado de Napoleão após sua morte: os níveis de arsênio encontrados no cabelo eram de 7 a 38 vezes maiores do que o normal. A análise do cabelo de Napoleão sugere que doses altas mas não-letais foram absorvidas em intervalos aleatórios. O arsênio enfraqueceu Napoleão e permaneceu em seu corpo. Lá, poderia ter reagido com mercúrio e outros elementos comuns em remédios da época, sendo a causa imediata de sua morte.
+Outros estudos também revelaram altas quantidades de arsênio presentes em outras amostras de cabelo de Napoleão tiradas em 1805, 1814 e 1821. Ivan Ricordel (chefe de toxicologia da Polícia de Paris), declarou que se arsênio tivesse sido a causa da morte, ele teria morrido anos antes. Arsênio também era usado na época em papel de parede, como um pigmento verde, e até mesmo em alguns remédios, e os pesquisadores sugeriram que a fonte mais provável de todo este arsênio seja um tônico para cabelo. Antes da descoberta dos antibióticos, o arsênio fazia parte de um composto químico usado sem muito efeito no tratamento da sífilis, levando à especulação de que Napoleão poderia estar sofrendo de sífilis, uma doença venérea muito comum naquela época. A controvérsia continua.
Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação e pesquisa:HRubiales
Atualizado em 30.01.2010

Nenhum comentário: