“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

17 de set de 2016

DOMINGOS MONTAGNER - Arte Tumular - 1116 - Cemitério da Quarta Parada,Zona Leste, São Paulo, Brasil









Túmulo da família  - Foto: Lucas Pasin (Ego)



Túmulo da família ainda sem a placa de identificação
Foto: Lucas Pasin (Ego)



ARTE TUMULAR
Túmulo em dois níveis, a parte central que dá acesso ao túmulo e dois níveis lateais, revestido com cerâmicas. Na cabeceira tumular destaca-se um alto relevo circular da face de Cristo. De cada lado da entrada tumular destacam-se as placas da família. Ainda não foi colocada a sua placa de identificação.
Local: Cemitério da Quarta Parada, Zona Leste, São Paulo, Brasil
Fotos: Lucas Pasin (Ego)
Descrição tumular: Helio Rubiales






PERSONAGEM
Domingos Montagner (São Paulo, 26 de fevereiro de 1962 — Canindé de São Francisco, 15 de setembro de 2016) foi um ator, teatrólogo e empresário brasileiro.
Morreu aos 54 anos de idade.

SINOPSE
Iniciou sua carreira em teatros e circos, através do curso de interpretação de Myriam Muniz.
Em 1997, ele formou o grupo La Mínima, ao lado de Fernando Sampaio, e ganhou o Prêmio Shell de Melhor Ator.
Em 2003, fundou o Circo Zanni, do qual foi diretor artístico.
Começou sua carreira na TV, três anos depois, mas ganhou notoriedade nacional, dentre outros, ao interpretar o Capitão Herculado, na telenovela "Cordel Encantado" (2011) e João Miguel, em "Sete Vidas" (2016).
No cinema, fez participação no longa Gonzaga: De Pai pra Filho (2012), de Breno Silveira.

Em 2016, interpretou o personagem Santo, na telenovela "Velho Chico", transmitido pela Rede Globo, onde, após o término da gravação, foi se banhar no rio São Francisco, e não voltou a superfície.

SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
A carreira artística do ator começou no circo, na companhia de seu teatro La Mínima, em 1980.

Em 1990, ingressou no teatro como palhaço. Cordel Encantado, da Rede Globo, foi sua primeira novela.

Na televisão fez poucas participações, como o seriado Força Tarefa e A Cura. Também participou do seriado Divã, em que fez Carlos, o amante da protagonista Mercedes, vivida pela atriz Lília Cabral.

Em 2012, viveu o presidente Paulo Ventura na minissérie O Brado Retumbante. No mesmo ano, interpretou em Salve Jorge o guia turístico Zyah, que se apaixona por Bianca, personagem de Cléo Pires.

 Em 2013, viveu o ativista Mundo em Joia Rara.

Em 2014, foi escalado para ser o protagonista de Sete Vidas, no papel de Miguel, um homem que descobre ter sete filhos, após ser doador de esperma.

MORTE
 Morte No dia 15 de setembro de 2016, durante o horário de almoço das gravações da novela Velho Chico, o ator mergulhou no Rio São Francisco após almoçar, todavia acabou por não retornar a terra firme. A atriz Camila Pitanga percebeu o amigo afogando-se e avisou a produção da Rede Globo sobre o acontecimento. O ator ficou desaparecido até a tarde do mesmo dia quando, por fim, teve seu corpo encontrado submerso já sem vida. Equipes de buscas encontraram o corpo do ator, preso à pedras, a trinta metros de profundidade, próximo a Usina Hidrelétrica de Xingó na Região de Canindé de São Francisco.

Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação e pesquisa: Helio Rubiales

6 comentários:

Zenic Slayer disse...

Interessante a proposta do blog.

Valdelice Nunes Benicio disse...

Não entendo porque ele não lutou para sair daquela situação.Na verdade a correnteza ali naquele local é muito forte para quem não tem experiência com o rio. Só temos que aceitar o momento de cada um.

Valdelice Nunes Benicio disse...

Não entendo porque ele não lutou para sair daquela situação.Na verdade a correnteza ali naquele local é muito forte para quem não tem experiência com o rio. Só temos que aceitar o momento de cada um.

Valdelice Nunes Benicio disse...

Não entendo porque ele não lutou para sair daquela situação.Na verdade a correnteza ali naquele local é muito forte para quem não tem experiência com o rio. Só temos que aceitar o momento de cada um.

Unknown disse...

Deus sabe até que dia temos de vida aqui na terra.

Unknown disse...

Deus sabe até que dia temos de vida aqui na terra.