“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

8 de fev de 2016

EDUARDO III - Inglaterra - Arte Tumular - 1072 - Westminster Abbey Westminster City of Westminster Greater London, England






Eduardo III de Inglaterra
Casa de Plantageneta
13 de novembro de 1312 – 21 de junho de 1377
Precedido por
Eduardo II
Coat of Arms of Edward III of England (1327-1377) (Attributed).svg
Rei da Inglaterra e Lorde da Irlanda
1 de fevereiro de 1327 – 21 de junho de 1377
Sucedido por
Ricardo II






ARTE TUMULAR
Túmulo ricamente decorado com entalhes de madeira, na parte inferior com brasões do seu reinado e na parte superior com alegorias reais.

Westminster Abbey Westminster City of Westminster Greater London, England
 GPS (lat/lon):
Descrição tumular: Helio Rubiales

PERSONAGEM
Eduardo III (Windsor, 13 de novembro de 1312 – Londres, 21 de junho de 1377) foi o Rei da Inglaterra de 1327 até sua morte.
Morreu aos 64 anos de idade.


SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
Ele é lembrado por seus sucessos militares e por restaurar a autoridade real depois do desastroso reinado de seu pai, Eduardo II.

Eduardo III transformou o Reino da Inglaterra em uma das maiores potências militares da Europa. Durante seu reinado também houve grandes desenvolvimentos na legislação e no governo – particularmente na evolução do parlamento inglês – além de devastações causadas pela Peste Negra.

Ele é um de cinco monarcas britânicos a terem reinado a Inglaterra ou algum de seus reinos sucessores por mais de cinquenta anos. Eduardo foi coroado rei aos quatorze anos de idade depois de seu pai ter sido deposto por sua mãe e Rogério Mortimer.
Aos dezessete anos ele liderou um golpe contra Mortimer, o verdadeiro governante do país, começando seu reinado pessoal.

Depois de uma campanha bem sucedida na Escócia, em 1337 ele declarou-se herdeiro legítimo do trono francês, iniciando aquilo que ficaria conhecida como a Guerra dos Cem Anos. Apesar de alguns reveses iniciais, a guerra progrediu muito bem para a Inglaterra; vitórias em Crécy e Poitiers levaram ao favorável Tratado de Brétigny.

Os anos finais de Eduardo foram marcados por fracassos internacionais e lutas internas, principalmente por causa de sua inatividade e fraca saúde. Eduardo III era um homem temperamental, porém capaz de clemência incomum. Ele é de muitas maneiras um rei convencional cujo principal interesse era a guerra. Admirado na sua época e nos séculos seguintes, Eduardo foi chamado de um aventureiro irresponsável por historiadores posteriores como William Stubbs. Essa visão foi contestada recentemente e historiadores modernos lhe creditam com realizações importantes.

MORTE
Morreu de causas naturais.

Fonte:pt.wikipedia.org
Formatação:Helio Rubiales




Nenhum comentário: