“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

7 de fev de 2016

CELESTINO V ' PAPA - Arte Tumular - 1070 - Catedral de Sulmona, Aquila, Italia.




Precedido por
Nicolau IV
Emblem of the Papacy SE.svg
Papa

192.º
Sucedido por
Bonifácio VIII












ARTE TUMULAR
Chamada de Túmulo relíquia no interior da Catedral, uma urna com armação de madeira e protegida por vidros em todos os lados. No interior o "corpo" do Papa

Local: Catedral de Sulmona, Aquila, Itália
Descrição tumular: Helio Rubiales.




PERSONAGEM
Papa São Celestino V OSB (1215 — 1296), proveniente da ordem beneditina, foi papa durante alguns meses do ano 1294.
Morreu aos 81 anos de idade.

SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
Ele nasceu com o nome Pietro Angeleri, conhecido também como Pietro da Morrone

VIDA
 Quando morreu o papa franciscano Nicolau IV, em 1292, assistiu-se a um demorado processo de escolha do seu sucessor, que levou cerca de dois anos, apesar de haver apenas doze votantes. O conclave foi mesmo interrompido por causa de uma epidemia de peste, que vitimou um dos cardeais.

A somar a isso estavam num período de lutas entre os Orsini e os Colonna . Escolheu-se finalmente, em 5 de Julho de 1294, Pietro Angeleri, conhecido como um frade beneditino radicalmente espiritualista e um asceta, que vivia em reclusão.

Nascido de uma família de modestos camponeses, viveu por muito tempo como eremita sobre o monte Morrone, daí o seu nome, perto de Sulmona, fundando uma congregação de monges que receberam o nome de celestinos. O papa seguinte aboliu-a depois .

Pietro foi levado da sua caverna nas encostas do monte Mailla e fez uma entrada triunfal em Áquila montado num burro (nunca tinha estado em Roma durante toda sua vida), oferecido por Carlos II de Anjou, rei de Nápoles, e por seu filho, Carlos Martel de Anjou. O novo papa tomou o nome de Celestino V.

De caráter fraco e submisso e desajustado para o cargo, deixou iludir pelo referido rei e mudou-se para esse seu reino de Nápoles, onde distribuiu privilégios e cargos aos amigos . Por pressões do cardeal Benedicto Caetani, foi forçado a abdicar em 13 de Dezembro. No mesmo ano (em 24 de Dezembro foi eleito o seu sucessor, precisamente da família Caetani, que tomaria o nome de Bonifácio VIII) que o manda para uma vida de reclusão, que ainda viveu dois anos.

Supõe-se que tenha sido assassinado, talvez com veneno, por ordem do seu sucessor, embora a história não tenha registado provas conclusivas. Foi canonizado em Avinhão pelo papa Clemente V em 3 de Maio de 1313, sendo conhecido como São Pedro Celestino.

Há suspeitas, inclusive, que Bonifácio VIII tenha mandado envenenar Celestino V, em 1296. Clemente V, em 1313, canonizou o papa Celestino V.

 Em 2009, o Papa rezou na sua tumba e deixou seu próprio pálio sobre ela, e em 2010 foi à catedral de Sulmona (Itália) para visitar as relíquias do santo e ali rezou.

Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação:Helio Rubiales





Nenhum comentário: