“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

28 de jan de 2016

HIDEKI TOJO - Arte Tumular - 1048 - Zoshigaya Cemetery Tokyo Tokyo Metropolis, Japan

jacp1.gif (4228 bytes)


Precedido por
Konoe Fumimaro
Primeiro-ministro do Japão
1941 - 1944
Sucedido por
Kuniaki Koiso






ARTE TUMULAR 
Base tumular em granito natural em formato quadrado na parte anterior, tendo por trás uma formação circular sustentando uma base quadrada, que por sua vez ergue um monumento com incrições em japonês



Local: Zoshigaya Cemetery Tokyo Tokyo Metropolis, Japan
Foto: Warrick L.Barret
Descrição tumular: Helio Rubiales




PERSONAGEM
 Hideki Tojo (Kyūjitai: 東條 英機; Shinjitai: 東条 英機; ) (30 de Dezembro de 1884 – 23 de Dezembro de 1948) foi um general do Exército Imperial Japonês, pensador político e o 27º Primeiro-Ministro do Japão; serviu como primeiro-ministro durante a maior parte da Segunda Guerra Mundial, de 18 de Outubro de 1941 a 22 de Julho de 1944. Tojo lutou pela contenção do Comunismo na Ásia, por crer que a expansão dessa ideologia desestabilizaria a segurança do Japão e do Leste Asiático.
Morreu aos 63 anos de idade.

SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
 Hideki Tojo nasceu em Kojimachi (distrito de Tóquio), em 1884. Ele era o terceiro filho de Hidenori Tojo, tenente-general do Exército Imperial Japonês. Tojo teve dois irmãos mais velhos que morreram antes de seu nascimento, por isso ele foi considerado o mais antigo e recebeu o tratamento e os direitos que um filho mais velho no Japão tem direito, que inclui uma imensa quantidade de honra. Em 1909 ele se casou com Katsuko Ito, com quem teve três filhos e quatro filhas.

Ele foi nomeado comandante da 24 ª Brigada de Infantaria IJA em agosto de 1934. Em setembro de 1935, Tojo foi transferido para se tornar comandante do Kempeitai do Exército Kwangtung em Manchúria.

Tojo foi promovido a Chefe do Estado do Exército Kwangtung. Como Chefe de Gabinete, Tojo foi responsável por várias operações militares para aumentar a penetração japonesa na Mongólia e regiões fronteiriças com Manchukuo. Em julho de 1937, ele conduziu pessoalmente as unidades do 2 Brigada Mista Independente de Operação Chahar.

Após o incidente da Ponte Marco Polo, que marca o início da Segunda Guerra Sino-Japonesa, Tojo ordenou que suas forças para avançar contra Hopei e outros alvos no norte da China.

Tojo foi chamado para o Japão em maio de 1938 para servir como Vice-Ministro do Exército no ministro do Exército Seishirō Itagaki. De dezembro de 1938-1940, Tojo foi Inspector-Geral da Aviação do Exército.

CAPTURA,JULGAMENTO E EXECUÇÃO
 Após a rendição do Japão em 1945, o general americano Douglas MacArthur, comandante das forças Aliadas no pacífico, emitiu ordens para prender mais de quarenta líderes militares japoneses acusados de crimes de guerra, incluindo Tōjō. Enquanto isso, a casa dele em Setagaya foi cercada por fotógrafos e jornalistas. Três soldados americanos e dois oficiais da inteligência foram enviados para prender Tōjō.

Hideki Tōjō ferido após a sua tentativa de suicídio. Dois correspondentes de guerra americano (Hugh Bailey e Russell Braun), que haviam entrevistado Tōjō, também estavam presentes quando os militares americanos foram prende-lo. O ex primeiro-ministro foi encontrado mortalmente ferido com um tiro auto infligido no peito. Foi apenas duas horas depois da tentativa de suicídio que médicos chegaram para trata-lo. Tōjō atirou contra a própria barriga e a bala entrou no estômago, o que acabou salvando sua vida pois ele na verdade queria atirar no coração. Ferido e sendo atendido por médicos, ele teria virado para um repórter japonês que estava no local e disse: "Me desculpem por ter demorado tanto para morrer. A Grande Guerra Asiática Oriental era justificada e justa. Eu sinto muito pela nação e por todas as raças dos poderes da Grande Ásia. Eu aguardo o julgamento justo da história. Eu queria cometer suicídio mas as vezes isso falha".

Tōjō foi preso e levado para um hospital militar americano. Após se recuperar de seus ferimentos, ele foi transferido para a prisão de Sugamo. Por lá, ele recebeu novas dentaduras feitas por um dentista americano. Secretamente a frase "Remember Pearl Harbor" ("Lembre-se de Pearl Harbor") foi gravada nos dentes da dentadura em código morse.

Durante o julgamento, Tōjō assumiu toda a responsabilidade por suas ações durante a guerra.

Tōjō foi sentenciado a morte em 12 de novembro de 1948 e executado por enforcamento quarenta e um dias depois em 23 de dezembro do mesmo ano. Antes de sua morte, ele entregou as insígnias de seu uniforme ao soldado americano Kincaid, que era um dos guardas de sua cela; elas agora estão amostra em um museu em Pensacola, Flórida. Em um discurso final, ele pediu desculpas pelas atrocidades que os militares japoneses cometeram durante a guerra e pediu para que os americanos mostrassem compaixão para com o povo japonês, que vinha sofrendo muito com os bombardeios aéreos dos Aliados ao país e com o lançamento das bombas atômicas.

Muitos historiadores criticaram o trabalho feito pelo general Douglas MacArthur e sua equipe, que queriam exonerar o imperador Hirohito e todos os membros de sua família imperial de qualquer processo por crimes cometidos durante a guerra. MacArthur e o general de brigada Bonner Fellers queriam proteger o imperador e jogar toda a responsabilidade da guerra em Tōjō.

Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales


Nenhum comentário: