“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

30 de mar de 2014

HANS SCHOLL - Arte Tumular - 973 - Friedhof am Perlacher Forst Munich (München) Münchener Stadtkreis Bavaria (Bayern), Germany








ARTE TUMULAR
Placas de mármore com o seu nome e datas em bronze. Tendo na cabeceira tumular duas cruzes de bronze, uma unida a outra, representando os dois irmãos mortos.

Local: Friedhof am Perlacher Forst Munich (München) Münchener Stadtkreis Bavaria (Bayern), Germany
Plot: Section 73, row 1, grave 18/19
Fotos: Geoff Walden
Descrição tumular: Helio Rubiales

PERSONAGEM
Hans Fritz Scholl (22 de setembro de 1918 - 22 de fevereiro de 1943) foi um dos fundadores e membros fundamentais do movimento de resistência alemã a Rosa Branca.
Morreu aos 24 anos de idade.
SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
Scholl nasceu em Ingersheim, o segundo de seis filhos. Em 1933 aderiu à Juventude Hitlerista, mas ficou rapidamente desiludido quando comprovou as implicações reais do organismo. Ao mesmo tempo, estudou Medicina na Universidade Ludwig Maximilian de Munique.
Ficheiro:Stamps of Germany (DDR) 1961, MiNr 0852.jpg
Selo postal comemorativo dos irmãos Scholl, GDR, 1961 
A ROSA BRANCA
No começo do verão de 1942, Scholl, a sua irmã Sophie, Willi Graf, Kurt Huber, Christoph Probst e Alexander Schmorell escreveram conjuntamente seis panfletos de resistência política antinazi, horrorizados pelo comportamento de alguns soldados alemães na frente oriental, especialmente contra os judeus na Polônia e na Rússia. Os panfletos foram difundidos nos arredores das universidades de Munique e Hamburgo , ademais de serem enviadas por correio a doutores e estudantes, difundindo a mensagem todo o possível. Sophie Scholl aderiu ao grupo e tornou-se um dos membros fundamentais ao fazer o reparto dado que, sendo uma mulher jovem, espertava menos desconfiança entre as SS. Em 18 de fevereiro de 1943, Hans e Sophi foram descobertos por um guarda quando deixavam novos panfletos na praça diante da universidade, o que possibilitou serem presos pela Gestapo e, junto com Probst, serem julgados por traição pelo juiz Roland Freisler, que instruia a maior parte dos casos de conspiração contra o Terceiro Reich que produzia a resistência alemã.
Os três foram sentençados a morte em 22 de fevereiro. Hans Scholl, Sophie Scholl e Christopher Probst foram decapitados na Prisão Stadelheim de Munique, apenas umas horas mais tarde. Pouco tempo depois, outros estudantes envolvidos no grupo foram arrestados e executados também.
MORTE
Executado na guilhotina.
Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales

Nenhum comentário: