“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

3 de nov de 2013

ARICLÊ PEREZ - Arte Tumular - 928 - Cemitério Gethsêmani. , São Paulo, Brasil




ARTE TUMULAR
Placa de bronze com o seu nome e datas colocados sobre a laje da abertura tumular

Local: Cemitério Gethsêmani. , São Paulo, Brasil
Zona 3 - Quadra 09 - Túmulo 98.
Coordenadas GPS (Latitude / Longitude):
[23°36'25.68"S, 46°43'51.83"W
]
Fotos: http://www.alemdaimaginacao.com/Obituario%20da%20Fama/Aricle%20Perez/aricle_perez.html
Descrição tumular: Helio Rubiales

PERSONAGEM
Ariclê Perez (Campinas, 7 de setembro de 1943 — São Paulo, 26 de março de 2006) foi uma atriz brasileira.
Morreu aos 63 anos de idade.
SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
 Foi casada com o diretor de teatro Flávio Rangel (1934 - 1988). Com carreira predominantemente teatral, Ariclê participou de mais de 40 peças teatrais, boa parte delas dirigidas por Flávio. Estreou na montagem de Electra, em 1967. Contratada da Rede Globo desde 1988, participou ininterruptamente de várias novelas e minisséries. Alguns de seus papéis mais marcantes foram Elisinha Jordão, da segunda versão de Anjo Mau (1997), a Rosa Maria de Meu Bem, Meu Mal (1990) e a Ametista, de Felicidade (1991). Antes de sua contratação pela Rede Globo, participou de Cortina de Vidro, no SBT e de Como Salvar Meu Casamento, a última novela da extinta Rede Tupi, que não chegou a ter seu final exibido.
 Seu último trabalho foi a minissérie JK, onde viveu a mãe de Juscelino, Júlia Kubitschek, na segunda fase da trama. Era uma das atrizes prediletas de Maria Adelaide Amaral, autora da minissérie, havendo trabalhado em praticamente todas as suas tramas desde a novela Anjo Mau.
MORTE
No dia 26 de março de 2006, logo após o fim da minissérie JK (que terminou dia 24 de março de 2006), Ariclê suicidou-se, pulando da janela de seu apartamento (10º andar), no bairro de Higienópolis, em São Paulo, onde vivia sozinha.
Fonte : pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales

Nenhum comentário: