“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

21 de set de 2013

SHELLEY WINTERS - Arte Tumular - 851 - Hillside Memorial Park Culver City Los Angeles County California, USA




Logo após o sepultamento (sem a placa definitiva)

ARTE TUMULAR
Placa de mármore escura com o nome e datas gravados. Destaca-se a estrela de Davi entre as datas
Local: Hillside Memorial Park Culver City Los Angeles County California, USA
Plot: Hillside Slope, Block 11, Plot 358, grave 8
 GPS (lat/lon):  33.97919, -118.38878
Descrição tumular: Helio Rubiales

PERSONAGEM
 Shelley Winters, nome artístico de Shirley Schrift (East St. Louis, 18 de agosto de 1920 — Beverly Hills, 14 de janeiro de 2006) foi uma premiada atriz norte-americana.
Morreu aos 85 anos de idade.
SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
 Uma das mais respeitáveis atrizes da "era de ouro" de Hollywood, Shelley Winters começou a carreira nos anos 40, quando se mudou para Nova Iorque, e onde estudou no famoso Actors Studio, na época ainda dirigido por seu fundador Lee Strasberg. Logo, ela foi para Hollywood, contratada pela Columbia Pictures. No estúdio, atuou em papéis quase sempre secundários e muitas vezes nem creditados. Após uma passagem pela Broadway, retornou a Hollywood, assinando com a Universal Pictures. Lá, interpretou seu primeiro personagem de importância, no filme Fatalidade (A Double Life), em 1947. O reconhecimento como atriz de talento veio em 1951, através de sua atuação em Um lugar ao sol (A Place in the Sun), de George Stevens. Por este papel, recebeu sua primeira indicação ao Oscar na categoria de "Melhor Atriz". Nos anos 50, Shelley atuou em importantes filmes, como Um homem e dez destinos (Executive Suite, em 1954), de Robert Wise; O mensageiro do diabo (The Night of the Hunter, em 1955), único filme dirigido por Charles Laughton; A grande chantagem (The Big Knife, em 1955), de Robert Aldrich; e O diário de Anne Frank (The Diary of Anne Frank, em 1959), novamente dirigida por George Stevens. Por esse filme, recebeu o Oscar de "Melhor Atriz Coadjuvante". Em 1962, a atriz interpretou a mãe da ninfeta "Lolita", no filme de mesmo nome, dirigido por Stanley Kubrick e baseado em romance de Nabokov. Os críticos consideram essa como a sua melhor atuação e, por ela, recebeu uma indicação ao Globo de Ouro de "Melhor Atriz Coadjuvante". O segundo Oscar veio com Quando só o coração vê (A Patch of Blue, de 1965), dirigido por Guy Green. Ainda nos anos 60, Shelley Winters apareceu em outros produções, como Como conquistar as mulheres (Alfie, de 1966), refilmado em 2004, e Harper – O caçador de aventuras (Harper, de 1966). Nos anos 70, a atriz recebeu nova indicação ao Oscar e ganhou seu único Globo de Ouro, desta vez pela personagem obesa e com talento para a natação, em O destino do Poseidon, de Ronald Neame. Winters engordou vários quilos para o papel, e nunca mais os perdeu. Shelley Winters teve ainda mais cinco participações de destaque no cinema,em 1971 em "Quem espancou Tia Roo? (Who slew auntie Roo?), na comédia Próxima parada, bairro boêmio (Next Stop, Greenwich Village, de 1975), dirigido por Paul Mazursky; no suspense O inquilino (The Tenant, de 1976), dirigido por Roman Polanski; em S.O.B. (idem, de 1981), dirigido por Blake Edwards; e a adaptação de Henry James, Retrato de uma dama (The Portrait of a Lady, de 1996), de Jane Campion.
VIDA PESSOAL
Shelley Winters tinha reputação de ser uma mulher provocativa, de falar sempre o que pensava e de ter uma opinião política sempre muito forte. Teve casos com William Holden, Burt Lancaster, Marlon Brando, Clark Gable, Sean Connery, Sterling Hayden e Errol Flynn. Foi casada três vezes: a primeira, com o empresário Paul Meyer; a segunda, durante dois anos, com o ator Vittorio Gassman, e com quem teve uma filha chamada Vittoria; e a terceira, com o também ator Anthony Franciosa. A atriz escreveu duas autobiografias: Shelley: Also Know as Shirley e Shelley II: The Middle of My Century.
MORTE
Shelley Winters morreu de insuficiência cardíaca, decorrente de um ataque cardíaco e, além da filha Vittoria, deixou dois netos e o companheiro com quem vivia havia algum tempo, Jerry DeFord.
Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales

Nenhum comentário: