“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

1 de fev de 2012

SLOBODAN MILOSEVIC - Arte tumular - 689 - Milosevic Family Residence,Pozarevac, Serbia

Bandeira da Sérvia




ARTE TUMULAR
Base tumular retangular em mármore com o seu nome e datas gravados. Na cabeceira tumular uma cruz latina em madeira. Ladeando o túmulo em todos os lados uma jardineira, seguida de um passadiço envolvendo o túmulo. 
Local: Milosevic Family Residence,Pozarevac, Serbia
Plot: Backyard plot
Fotos: Ron Moody, Sven Peeters
Descrição tumular: Helio Rubiales

PERSONAGEM
Slobodan Milošević, em sérvio Слободан Милошевић; [sloˈbodan miˈloʃevitɕ], (Požarevac, 20 de agosto de 1941 — Haia, 11 de março de 2006) foi presidente da Sérvia de 1989 a 1997 e da República Federal da Iugoslávia de 1997 a 2000. Também foi o principal líder do Partido Socialista da Sérvia desde a sua fundação, em 1990.
Morreu aos 64 anos de idade.
SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
Milošević renunciou à presidência iugoslava entre manifestações que se seguiram à concorrida eleição presidencial de 24 de setembro de 2000. Foi preso pelas autoridades federais iugoslavas em 31 de março do ano seguinte, sob suspeita de corrupção, abuso de poder e apropriação indébita. Foi também preso pelo Tribunal Penal Internacional para a antiga Iugoslávia , um comitê das Nações Unidas, sob a acusação de crimes contra a humanidade, de violar as leis e costumes de guerra, violações graves às Convenções de Genebra e genocídio, por seu papel durante as guerras na Croácia, Bósnia e Kosovo. A investigação inicial a respeito de Milošević não foi adiante, por falta de evidências concretas, o que motivou o primeiro-ministro sérvio, Zoran Đinđić, a enviá-lo para Haia, Países Baixos, sede do Tribunal Penal Internacional, para ser julgado pelos crimes de guerra.
Milošević foi responsável por sua própria defesa; o julgamento terminou, no entanto, sem qualquer veredito, já que ele acabou morrendo durante o seu decorrer, depois de quase cinco anos encarcerado na Prisão de Criminosos de Guerra, em Haia. Milošević sofria de doenças cardíacas e tinha hipertensão arterial, e morreu em decorrência de um enfarte do miocárdio. O Tribunal negou qualquer responsabilidade sobre a morte de Milošević, alegando que ele se recusara a tomar os medicamentos que lhe foram receitados, e preferiu medicar-se por conta própria.

Slobodan Milošević nasceu em Pozarevac (Sérvia) em 1941 no seio de uma família abastada. Seu pai era teólogo e, segundo algumas fontes , chegou a consagrar-se sacerdote da Igreja Ortodoxa, sem haver chegado a exercer. Sua mãe era professora.
Em 1953, afiliou-se à Liga dos Comunistas da Iugoslávia, o nome em que ficou conhecido o Partido Comunista da Iugoslávia a partir de 1952. Estudou Direito na Universidade de Belgrado, formando-se em 1964, e iniciou sua atividade profissional na administração da República Socialista da Sérvia, mais precisamente em Belgrado, como assessor do prefeito, no início, e depois como chefe do serviço de informação do município.
Em 1965, casou-se com Mirjana (Mira) Markovic, que veio de uma família de Partisans e ocupava o cargo de professora de Teoria Marxista na Universidade de Belgrado.
Em 1968, passou para o mundo empresarial, onde ocupou diversos cargos em empresas de autogestão, características do sistema econômico de autogestão das empresas socialistas iugoslavas. Começou a trabalhar na companhia energética estatal (Technogas), da qual foi nomeado diretor-geral em 1973. Dez anos depois de haver deixado a administração municipal, em 1978, ascendeu para a direção do maior banco iugoslavo – o Beogradska Banka (Banco de Belgrado).
Com a morte de Tito (1980), Milošević começou a entrar paulatinamente na política. Apesar de Slobodan Milošević aparecer como um homem introvertido, orador medíocre e sem carisma, em 1983 é eleito para o Presidium do Comitê Central do Partido Comunista da Sérvia e no ano seguinte fez-se Presidente do Comite Municipal do partido, em Belgrado.
Em janeiro de 1990, realiza-se o décimo quarto e último Congresso (convocado em sessão extraordinária) da Liga dos Comunistas da Iugoslávia. O fosso entre a Sérvia e a Eslovênia é incurável, principalmente por causa da intransigência de Milošević . Milan Kucan, que lidera os eslovenos, decidiu retirar a delegação de seu país do Congresso, e o mesmo será feito imediatamente pelo croata Ivica Račan. É o fim da política federal e multiétnica da Iugoslávia. Em Junho de 1990, Milošević renomeia a Liga dos Comunistas da Sérvia para Partido Socialista da Sérvia, da qual é eleito presidente.
Após a realização de referendos em 25 de junho de 1991, Croácia e Eslovênia proclamam independência.
MORTE
Milosevic foi encontrado morto em sua cela em 11 de março de 2006, no centro de detenção do tribunal penal em Scheveningen, em Haia. Um funcionário do escritório da promotoria disse que ele foi encontrado morto às 10h00 do sábado e aparentemente estava morto há várias horas. O Tribunal Penal Internacional para a antiga Jugoslávia, disse que ele sofria do coração e pressão alta. Seu julgamento era esperado para retomar em 14 de março de 2006.
Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales

Nenhum comentário: