“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

15 de fev de 2012

HELENA DE CONSTANTINOPLA ' SANTA - Arte Tumular - 722 - Saint Peter's Basilica , Vatican City




ARTE TUMULAR
No interior da Basílica encontra-se o Santuário de Santa Helena, localizado num nicho de formato abobadado e ricamente decorado. Na parte central encontra-se uma base tumular de mármore com o seu nome em relevo, suportando uma grande escultura representando Santa Helena com uma cruz na mão representando o cristinismo.

Local: Basílica de São Pedro, Vaticano
Santuário de Santa Helena
Fotos: Lutetia e Frank K
Descrição tumular: Helio Rubiales

PERSONAGEM
Flavia Iulia Helena, também conhecida como Santa Helena, Helena Augusta, e Helena de Constantinopla, (Bítínia, 250 — Constantinopla, 330) foi a primeira mulher de Constâncio I Cloro, e a mãe do Imperador Constantino o Grande. Como nunca recebeu o título oficial de Imperatriz de Roma como esposa do imperador, a maior parte dos historiadores defende que Helena nunca foi casada oficialmente com Constâncio, tendo sua união recebido apenas um reconhecimento superficial. De acordo com a tradição cristã, teria sido ela quem descobriu o local de crucificação de Jesus Cristo, tendo sido lá erguida a Basílica do Santo Sepulcro.
Morreu com 80 anos de idade.
SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
Helena nasceu numa família modesta de Drepanon, cidade na província de Bitínia, na Ásia Menor (atual Turquia). Quando conheceu Constâncio Cloro era apenas uma serva e este ainda não tinha o título de César. Por esta razão, não existiu uma oposição à relação. Por motivos políticos, Constâncio divorciou-se de Helena para se casar com Flavia Maximiana Theodora, que era filha natural ou adotiva do imperador Maximiano, que o tinha nomeado como co-regente.
AUGUSTA
Quando Constantino se tornou imperador em 306, Helena saiu da situação marginal em que se encontrara nos últimos treze anos. Helena adquiriu poder, tendo financiado a construção da nova capital do império, Constantinopla. Em 324 recebeu o título de Augusta, junto com a sua nora, Flavia Maxima Fausta.
Helena converteu-se ao cristianismo e algumas tradições fazem dela responsável pela conversão do filho, que em 313 tinha mandado publicar o Édito de Milão através do qual se passava a tolerar o cristianismo. Helena era próxima do bispo Eusébio, sendo uma apoiante do arianismo, tendo utilizado seu dinheiro para apoiar esta causa.
Helena gostava muito do seu neto mais velho, Crispus Caesar (filho de Constantino e de Minervina, uma relação ocorrida antes do casamento com Fausta), que foi nomeado pelo pai governante da Gália. Contudo, por volta de 326 Constantino decretou a execução de Crispus, então com vinte anos, que teria tentado seduzir a madrasta. Em vingança pela morte do neto, Helena teria mandado matar Fausta, embora não existam provas cabais disso.
HELENA NA PALESTINA
Logo após a morte de Fausta, Helena, que teria já perto de oitenta anos, fez uma peregrinação à Palestina. Lá dedicou-se a identificar os alegados locais onde se teria passado episódios da vida de Jesus Cristo. Ordenou a construção de igrejas, como a da Natividade em Belém e o Santo Sepulcro em Jerusalém. Helena faleceu pouco tempo depois de ter regressado da peregrinação, em Constantinopla, tendo sido sepultada em Roma.
Em 337 foi anunciado que a cruz onde Cristo foi crucificado (Vera Cruz ou Cruz Verdadeira) teria sido descoberta no Gólgota, tendo Helena sido identificada pela tradição com esta descoberta em finais do século IV.
Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales

Nenhum comentário: