“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

10 de nov de 2011

MARIA REITER - Arte Tumular - 665 - Cemitério de Munique, Alemanha





ARTE TUMULAR
Sobre uma base tumular retangular com uma placa de mármore  com o seu nome e datas, ergue-se um busto de Reiter protegido por uma construção triangular.

Local: Cemitério de Munique, Alemanha
Fotos: ww2gravestone.com
Descrição tumular: Helio Rubiales
PERSONAGEM
Maria Reiter (23 dez 1911 - 1992), conhecido como "Mimi" ou "Mitzi", foi associada romanticamente com Adolf Hitler no final de 1920. Ela contou sua história para o alemão periódicas Stern em 1959.
Morreu aos 82 anos de idade.
SINOPSE
Reiter era filha de um funcionário do Partido Social Democrata em Berchtesgaden .
Hitler encontrou Reiter quando ela estava trabalhando em uma loja em Obersalzberg , um dos retiros favorito de Hitler. De acordo com a próprios relatos de Reiter: Hitler estava com 37 anos de idade e ela com 16 anos de idade quando se conheceram. No final da noite que a conheceu ele fez uma "grosseira", sugerindo um relacionamento sexual, o que ela rejeitou, mas chegaram a beijar-se. Depois de uma série de outros encontros, Hitler tornou-se cada vez mais apaixonado por ela. De acordo com o artigo da Revista Stern , Hitler lhe disse que queria que ela se tornasse sua esposa, constituindo uma família para terem vários filhos loiros. Porém no momento ele não tinha tempo para concretizar o fato, pois repetiu insistentemente que tinha um dever e uma missão a cumprir, e que ela deveria espera-lo para viverem juntos.
Após esta declaração Hitler a ignorou por meses, fazendo-a entrar em depressão. Desesperada tentou suicidar-se enforcando-se numa corda que foi impedido pelo seu irmão antes que morresse.
Após este episódio, Reiter desistiu de Hitler e se casou com um dono do hotel local. O casamento não foi um sucesso, no entanto, em 1931 Reiter deixou o marido.
Após a visita de Rudolf Hess que a convenceu do interesse de Hitler por ela. Viajou então para Munique para encontrar-se com Hitler mais uma vez. Ela afirmou que passou a noite com Hitler e que deixou tudo acontecer e que nunca havia passado uma noite tão feliz como aquela.
Hitler sugeriu que ela permanecesse em Munique, como sua amante, mas Reiter queria o casamento. Hitler porém, estava preocupado que um relacionamento com uma mulher que tinha deixado o marido seria politicamente prejudicial para ele, então o casal se separou. No entanto, Hitler delegou seu advogado pessoal Hans Frank para realizar legalmente o seu divórcio.
Em 1934, após a ascensão de Hitler ao poder, encontraram-se novamente e ele voltou a pedir que ela se tornasse sua amante. Novamente ela se recusou. Isto levou os dois a uma discussão em que Hitler reiterava que não podia casar ou ter filhos, porque ele tinha uma "grande missão" a cumprir.
Eventualmente, ela se casou com o Hauptsturmführer Georg Kubisch, um oficial da SS, em 1936. Hitler felicitou Kubisch em seu casamento em uma assembléia da SS em Munique. Sua última reunião foi em 1938, quando, segundo Reiter, Hitler expressou sua insatisfação com o seu relacionamento com Eva Braun .
Kubisch foi morto em 1940 durante a Batalha de Dunkirk , ocasião em que Hitler enviou a Reiter 100 rosas vermelhas.
Os detalhes da história de Reiter sobre seu relacionamento físico não pode ser confirmada, embora o fato de que Hitler era apaixonado por ela foi afirmado por sua irmã Paula , que disse que ela era a única mulher que poderia ter refreado os impulsos destrutivos de Hitler.
MORTE
Morreu em 1992 em Munique, vitima de esclerose, depressão e alcoolismo.
Fonte: en.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales

Nenhum comentário: