“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

3 de out de 2011

WILLIAM T. SHERMAN - Arte Tumular - 619 - Calvary Cemetery and Mausoleum,Saint Louis,St. Louis City, Missouri, USA







ARTE TUMULAR

Local:Calvary Cemetery and Mausoleum,Saint Louis,St. Louis City, Missouri, USA
Plot: Section 17, family plot
Fotos: Robert Edwards, Dalla Moses e Janet Green Tree
Descrição tumuler: Helio Rubiales
PERSONAGEM
William Tecumseh Sherman (8 de fevereiro de 1820 - 14 de fevereiro de 1891) foi soldado, homem de negócios e escritor americano.
SINOPSE
Um dos seus irmãos mais novos foi o político e jurista John Sherman. Serviu como general no exército dos Estados Unidos durante a Guerra Civil dos EUA (1861-1865). Recebeu reconhecimento como notável estrategista militar e críticas para a dureza da sua política da terra arrasada contra os Estados Confederados.
Nas palavras do historiador militar Basil Liddell Hart, Sherman foi "o primeiro general moderno" e "o gênio mais original da Guerra Civil Americana". Recebeu essa qualificação por ter sido um dos primeiros líderes militares a utilizar conscientemente a destruição da base econômica e da moral da população civil do oponente como meio principal de vencer o conflito, dentro dos princípios da guerra total.
BIOGRAFIA
Tecumseh Sherman nasceu em Lancaster, Ohio, como sexto filho de Charles Sherman e Mary Hoyt Sherman. Seu nome, pouco usual para uma criança branca, foi dado em homenagem ao famoso cacique Shawnee Tecumseh, que combateu na Guerra de 1812 ao lado dos britânicos. O pai foi um juiz bem sucedido, que chegou a Suprema Corte do Estado de Ohio. Em paralelo, Charles Sherman assumiu o dever de agente da receita federal ("Internal Revenue"). Em 1817, o governo federal deixou de receber diversos tipos de papeis até então aceitos para pagamento de impostos. Charles Sherman demorou para reagir a mudança, ficando em breve com uma grande quantidade de títulos "podres" na mão. Encarando a insolvência como desonra, acabou por desfazer-se de praticamente todo o seu patrimônio na tentativa de liquidar os débitos. A crise financeira atravessada pela família deixaria profundas marcas na psicologia do jovem Tecumseh, ou Cump, como era chamado pelos próximos.
Em Junho de 1929, Charles Sherman subitamente adoeceu e morreu em poucos dias, deixando a viúva sem condições de manter a numerosa família. Os onze filhos foram distribuídos para serem criados por parentes e amigos. Ao Tecumseh, então com nove anos, coube morar com a família do vizinho Thomas Ewing, um bom amigo do seu falecido pai. Ewing, além de rico e bem sucedido empresário, era uma liderança proeminente do partido Whig, que se tornaria Senador e o primeiro Secretário do Interior dos EUA.
Para ser aceito, o jovem Sherman, filho de protestantes, teve que aderir à fé católica da sua nova família e aceitar um nome que parecesse "mais cristão". Assim, foi batizado William Tecumseh Sherman. Vencido esse obstáculo, foi aceito como membro igual da casa, recebendo toda a atenção que os demais filhos do casal, além de uma educação de excelente qualidade. Ávido leitor, ele aprendeu francês, latim e até um pouco de grego clássico. Seu gosto pelo estudo não o impediu de participar de inúmeras traquinagens promovidas pelas crianças da cidade.
Algumas das características mais marcantes do Gal. Sherman são atribuídas a influência de Thomas Ewing. Dele, Sherman teria absorvido o apreço à constituição, à ordem e à União, mas também o preconceito racial e a visão benevolente à escravatura. Ewing, notando o talento do Sherman, queria acomodá-lo na liderança de um dos seus negócios, ou em alguma carreira civil onde a sua influência política poderia ajudá-lo. Na contramão dos desejos da família, Sherman optou pela carreira militar.
WEST POINT
Em 1836, Ewing conseguiu, mediante intervenção do Secretário da Guerra Lewis Cass, o ingresso do William Sherman na academia militar de West Point. O jovem não teve dificuldade em destacar-se nos estudos. Sobressaiu em diversas matérias, sobretudo em desenho, pois tinha bastante talento artístico.
Formou-se com sexto colocado na classe, entre os 119 que iniciaram o curso e os 42 que o concluíram. Suas notas lhe dariam a quarta colocação, mas essa lhe escapou por conta das inúmeras punições por pequenas transgressões disciplinares. Com isso, perdeu também a possibilidade de entrar na elitizada Arma de Engenharia. Ingressou na Artilharia.
Na academia conheceu diversos dos seus futuros notáveis companheiros de armas (Henry Halleck, Don Carlos Buell, O.C. Ord, Irvin McDowell, George H. Thomas, Joseph Hooker, Nathaniel Lyon, John F. Raynolds, William Rosecrans, John Pope, John Sedgwick…), além de famosos oponentes (James Longstreet, P.G.T. Beauregard, Braxton Bragg, Jubal Early, John C. Pemberton, William Hardee, D.H. Hill, Earl Van Dorn…). No seu ano final do curso, ingressou em West Point um novato que todos chamavam de "Sam" (Ulysses S. Grant). Contrário do Sherman, muito popular entre os colegas, Grant era uma figura apagada.
MORTE
Morreu em sua casa em Nova York.
Fonte:pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales

Nenhum comentário: