“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

19 de ago de 2011

JIM CLARK - Arte Tumular - 554 - Chirnside Parish Church Cemetery ,Chirnside,Scottish Borders, Scotland




ARTE TUMULAR
Lápide em granito como seu nome e datas gravados com destaque em dourado envolto por uma guirlanda gravada no granito, representando a vitória.

Local: Chirnside Parish Church Cemetery ,Chirnside,Scottish Borders, Scotland
Fotos: HristoItchov, Johnmike e Coral
Descrição tumular: Helio Rubiales
PERSONAGEM
James Clark Jr., mais conhecido como Jim Clark (Kilmany, 4 de março de 1936 - Hockenheim, 7 de abril de 1968), foi um automobilista britânico que se destacou principalmente na Fórmula 1 e ainda hoje é reconhecido como um dos maiores talentos do esporte a motor.
Morreu aos 32 anos de idade.
BIOGRAFIA
Começou a se interessar por corridas aos 15 anos, participando de eventos amadores de rali já aos 17. Esse interesse cada vez maior do adolescente por carros e corridas de automovel alarmava sua familia, que considerava essa atividade um passatempo para imbecis. A consternação familiar aumentou mais ainda, quando Clark anunciou, de maneira ousada que queria ser piloto. era um jovem tímido que não desobedecia aos pais, mas desta vez o amor pelas corridas falou mais alto.
Segundo seu proprio depoimento, em 1964, já campeão mundial,ao querer ser piloto de corridas, Clark passou a ser ironizado e ofendido pelas pessoas da vizinhança como o "idiota local". Mas Jim persistiu, e aos 20 anos, em 1956, com a idade minima exigida na época em seu país, começa a participar de competições de verdade.
1960-1962
Seu "debut" foi no GP da Holanda, por insistencia de Chapman. Clark tinha pouco experenciencia dirigindo um carro de Formula 1, mas nenhuma em corrida. Chegou a ocupar uma notavel 4a posição, quando o seu carro quebrou. O GP da Belgica de 1960 foi apenas a segunda corrida de Clark no mundial, sendo a segunda vez que corria em Spa, mas a primeira com um Formula.
1963-PRIMEIRA VITÓRIA
Em 1963 a história foi outra: Clark se tornou o então mais jovem campeão, aos 27 anos, além de bater ou igualar muitos recordes de uma temporada: 7 vitórias, 7 poles 6 voltas mais rápidas (igualando Ascari em 1952) 73 pontos absolutos (54 válidos), 9 pódios (até então recorde, e também recorde de pódios consecutivos)
1965-BICAMPEONATO
Na temporada de 1965, Clark participou pela primeira vez da Copa da Tasmânia, campeonato de 8 corridas disputadas na Austrália e Nova Zelândia (metade em cada país) em janeiro e fevereiro. Era uma competição automobilística muito importante na época. Jim foi campeão, e ainda foi campeão do campeonato francês de fórmula 2, venceu corridas importantes de carros esportivos, turismo e outras competições.
1968-ÚLTIMA VITÓRIA
Colin Chapman para não "acabar com a fórmula 1" concordou em vender o motor para outras equipes. No GP da Africa do Sul de 1968, Jim Clark se tornou o maior vencedor de GPs válidos para o mundial de fórmula um. O escocês conquistou seu terceiro título na Copa da Tasmânia, desta vez com um carro de formula 2 adaptado, o Lotus 48. O intervalo entre a derradeira vitória de Clark no Mundial, na Africa do Sul e a primeira das 8 etapas da Copa da Tasmânia em Pukekohe, na Nova Zelândia, foi de apenas 5 dias.
MORTE
Tudo levava a crer que viria um terceiro título de fórmula 1 e uma segunda vitória em Indianápolis. Clark detinha na época quase todos os recordes da formula um e estava muito perto de alcançar o de pontos e o de frequências ao pódio, então nas mãos de Fangio. Mas em 7 de Abril de 1968 durante uma corrida da Fórmula 2 em Hockenheim, Alemanha, Jim Clark morreu quando seu carro saiu de curso e bateu em algumas árvores. A causa do acidente nunca foi definitivamente identificada, mas investigadores concluíram que um pneu traseiro vazio foi a causa mais provável. A morte do escocês foi um grande golpe para a Lotus e para a Fórmula 1. Clark permaneceu fiel à equipe durante quase toda a sua carreira (toda na fórmula 1). Foi ele quem tornou famosa a equipe, ajudando o time de Colin Chapman a estabelecer os alicerces na fórmula 1 moderna. O campeonato de 1968 foi vencido pelo seu companheiro de equipe, Graham Hill
Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação resumida: Helio Rubiales

Nenhum comentário: