“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

23 de jun de 2010

TICIANO VECELLI - Arte Tumular - 427 - Iglesia de Santa Maria Gloriosa dei Frari, Veneza Região de Veneto, Itália








Basílica
ARTE TUMULAR
Em um dos lados do corredor sul da Basilica em estilo gótico italiano, está o túmulo de Ticiano. Entre dois grandes pilares da Basilica, ergue-se o magnífico e imponente complexo escultórico em mármore. A base inferior reta ladeada por esculturas de figuras religiosas. Na parte central da base em relevo, dois anjos seguram uma corbélia de flores com o nome do pintor na parte central. No segundo nível, quatro colunas ricamente decoradas suportam a cobertura em arco. Na parte central, sentado, Moises é ladeado por anjos alados. Logo atrás na parte superior em relevo representando a ascenssão de Cristo. De cada lado, duas esculturas de figuras religiosas ornamentam o ritual. Encimando o pórtico, um leão alado representando o “Leão de São Marcos”. O projeto foi realizado por alunos do escultor Antonio Canovas, que está sepultado em frente ao de Tiaciano. Na verdade esse túmulo seria o de Canovas.
Local: Iglesia de Santa Maria Gloriosa dei Frari , Veneza, Região de Veneto, Itália
Fotos: José B.Tronchoni e Mike Reed
Descrição tumular: Helio Rubiales
PERSONAGEM
Ticiano Vecellio ou Vecelli (Pieve di Cadore cerca de 1473/1490 - Veneza 27 de Agosto de1576) foi um dos principais representantes da escola veneziana no Renascimento antecipando diversas características do Barroco e até do Modernismo. Ele também é conhecido como Tizian Vecellio De Gregorio, Tiziano, Titian ou ainda como Titien.
Reconhecido por seus contemporâneos como "o sol entre as estrelas", Tiziano foi um dos mais versáteis pintores italianos, igualmente bom em retratos ou paisagens, temas mitológicos ou religiosos.
Se tivesse morrido cedo, teria sido conhecido como um dos mais influentes artistas do seu tempo, mas como viveu quase um século, mudando tão drasticamente seu modo de pintar, vários críticos demoram a acreditar se tratar do mesmo artista. O que une as duas partes de sua obra é seu profundo interesse pela cor, sua modulação policromática é sem precedentes na arte ocidental.
Morreu próximo aos 100 anos de idade.
BIOGRAFIA
INFÂNCIA
Tiziano era um dos quatro filhos de Gregório Vecelli, destacado soldado e funcionário do estado, e de sua esposa Lúcia. Perto dos dez anos de idade foi levado por seu irmão, o também pintor Francesco Vecellio, para Veneza, onde entrou como aprendiz de Sebastian Zuccato, celebre por seus mosáicos. Após quatro ou cinco anos passou ao estúdio de Giovanni Bellini, naquele tempo o mais notável artista da cidade. Ali entrou para um grupo de jovens que incluia Palma de Serinalta, Lorenzo Lotto, Sebastiano Luciani e Giorgione.
PRIMEIROS TRABALHOS
Um afresco de Hércules no palácio Morosini é tido como um dos seus primeiros trabalhos, assim como A Virgem e a Criança no Belvedere Viena, e A Visitação de Maria e Isabel, do convento de Santo André, hoje na Academia de Veneza.
Tiziano formou uma parceria com Giorgione, e é difícil distinguir seus trabalhos iniciais. O primeiro só de Ticiano, reconhecidamente, é um pequeno Ecce Homo da escola de São Roque. Os dois jovens mestres foram logo reconhecidos como líderes de sua nova escola moderna, que tornou suas pinturas mais flexiveis, livres da simetria e das convenções hierárquicas que ainda estavam presentes nas obras de Bellini.
Em 1507 Giorgione foi comissionado para executar os afrescos na reerguida Fondaco de Tedeschi (de uma corporação de comerciantes alemães), onde Tiziano e Feltre trabalharam, restando alguns fragmentos reconhecidos como seus pelas gravuras de Fontana.
O talento de Tiziano apareceu nos afrescos que ele pintou em 1511 para a igreja das Carmelitas em Pádua, alguns preservados comoEncontro no Portão Dourado e tres cenas da vida de Santo Antônio na escola do Santos. Em 1513 retorna a Veneza e após 1516 obtem uma patente na Fondaco de Tedeschi, espécie de cargo público, tornando-se superintendente de serviços do governo, com uma renda razoável, especialmente para terminar trabalhos de Bellini, que morrera, no hall do palácio ducal. Ele se instalou num ateliê no Grande Canal e trabalhou para cinco Doges sucessivos.
CRESCIMENTO
Giorgione morreu em 1510 e Bellini, ja ancião, em 1516, deixando Tiziano, já com algumas obras de vulto em seu curriculo, sem rival na escola veneziana. Por sessenta anos ele foi o líder absoluto e indisputado, o mestre oficial e o pintor laureado da Sereníssima República de Veneza.
Durante este período (1516 - 1530), que podemos chamar de crescimento até a maturidade, o artista libertou-se das tradições de sua juventude, procurando personagens mais complexos e, pela primeira vez tentando um estilo monumental. Em 1518 produziu para o altar da igreja de Fran A Consumação da Madona, hoje na Academia Veneziana, que excitava os sentidos, começando uma peça multicolorida numa escala tão grande como a Itália ainda não vira.
Tiziano Vecelli estava agora no pico de sua fama, e em 1521, seguindo-se à produção de um São Sebastião para o legado papal em Bréscia (trabalho que possui inúmeras réplicas), as encomendas avolumaram-se. Um dos mais extraordinários trabalhos deste período foi A deposição de São Pedro (1530), primeiramente na igreja dominicana de San Zanipolo e destruída em uma luta com a Áustria em 1867, e da qual só restam cópias. A associação da paisagem com uma cena de morte mostra uma tragédia sobressaltada, patética, como nem Tintoretto ou Delacroix souberam fazer.
Continuou simultaneamente com sua série de pequenas Madonas que ele elaborava com belas paisagens à maneira pastoral, sendo A Virgem com o coelho atualmente no Louvre, o exemplo acabado dessas imagens. Também do mesmo período é Entombment, igualmente no Louvre. Foi igualmente o período de séries de temas mitológicos, como Bacanais de Madri, e Baco e Ariadne de Londres, talvez a mais brilhante obra do neo-paganismo do Renascimento, muito imitada mas nunca superada. Finalmente, foi neste período de maestria que Tiziano compôs os retratos e bustos de jovens, como Flora nos Uffizi ou Jovem no toucador no Louvre.
Em 1525, após um pouco de vida desregrada e a conseqüente agitação, sossegou casando-se com Cecília, talvez para legitimar seu primeiro filho Pomponio e os dois ou três que o seguiram. Mas cedo ela perece, durante o parto de Lavinia (1530), causando grande aflição ao mestre. Ele se muda para uma nova casa em Bin Grande, então um lugar muito bom, com ótimos jardins e uma vista de Murano, chama sua irmã Orsa para cuidar das crianças e busca tranqüilidade. É dessa época o retrato de Pietro Aretino que envia a Gonzaga, duque de Mântua.
MATURIDADE
Durante o próximo período (1530 - 1550), como já se esboçava no seu Martírio de São Pedro, Tiziano se devotou mais e mais a um estilo dramático. Desta época é a representação da cena histórica da Batalha de Cadore, infelizmente desfigurada ou mutilada em sua maior parte, mas que mostra o esforço do artista de se superar. Como A Guerra de Pisa, A Batalha de Anghiari e A Batalha de Constantinopla foram consumidas pelo fogo que ardeu no Palácio do Doge. Existe apenas uma cópia pobre e incompleta no Uffizi e uma medíocre gravura por Fontana.
Do mesmo modo O Discurso do Marques de Vasto, de 1541 em Madri, foi parcialmente destruído por fogo, mas essa vertente de sua obra está bem representada por Apresentação da Virgem Sagrada (1539) hoje em Veneza, um de seus mais famosos quadros, e por Ecce Homo (1541), em Viena, uma das mais patéticas e longevas de suas obras-primas.
Tiziano tinha ainda, desde o início de sua carreira mostrado ser um mestre em retratos, em trabalhos como La Bella (Eleanora Gonzaga, Duquesa de Urbino), hoje no palácio Pitti. Ele pintou inúmeros príncipes, doges, cardeais, monges e artistas, teve muito sucesso em extrair de cada fisionomia os traços que a caracterizavam. Como retratista, Tiziano é comparavél a Rembrandt e Velásquez. Suas qualidades são manifestas em obras como Paulo III, em Nápoles ou a cena do mesmo papa com seus sobrinhos, Aretino, no palácio Pitti, e Eleanora de Portugal, em Madri, ou a série de Carlos V do mesmo local, o Carlos V com Cão de Caça (1533) e Carlos V em Muhlberg (1548), uma pintura equestre com uma sinfonia de vermelhos que é o nom plus ultra da arte de pintar. Carlos V honrou Tiziano nomeando-o conde palatino e cavaleiro do galão dourado, seus filhos foram feitos nobres do império, o que para um pintor daquela época era uma honra extraordinária.
O governo de Veneza não ficou tão contente com a negligencia de seu trabalho no palácio ducal e ordenou que devolvesse o dinheiro recebido, nomeando Pordenone para seu lugar (1538). No entanto este morre em menos de um ano, e tendo Tiziano se aplicado, enquanto isso diligentemente em pintar A Batalha de Cadore, teve seu cargo restaurado. Esta figura, que como tantas outras pereceu no incêndio do palácio em 1577, representava em tamanho real o momento em que o comandante veneziano D'Alviano enfrentava o inimigo, com homens e cavalos se chocando sobre um riacho.
Como sucesso profissional e mundano, a esse tempo, sua posição só pode ser comparada a Rafael, Michelangelo ou mais tarde Rubens. Tiziano visitava sua terra natal de Cadore todo ano, onde era influente e generoso. Tinha uma vila favorita na colina de Manza, onde se supõe tenha feito observações sobre as formas e efeitos da paisagem.
Em 1546 visitou Roma, onde obteve a honraria de receber a chave da cidade, seu predecessor imediato em tal homenagem tinha sido Michelangelo em 1537. Em 1547 foi até Augsburg pintar Carlos V e outros nobres do império. estava lá ainda em 1550, quando executou um retrato de Filipe II que foi enviado à Inglaterra e se provou um excelente auxiliar para conseguir a mão da Rainha Maria I da Inglaterra em casamento.
ÚLTIMOS ANOS
Durante os últimos anos de sua vida (1550 - 1576) o artista mais e mais absorvido em seu rendoso trabalho como retratista, e também mais crítico e perfecionista, terminou poucos grandes trabalho. Alguns ficaram dez anos no estúdio, sendo retocadas e retomadas, constantemente adicionando expressões , concisão e sutileza.
Para cada problema estético que se apresentava, ele elaborava uma nova e mais perfeita fórmula. Ele nunca igualou a emoção e tragédia da Coroação de Espinhos, hoje no Louvre; na expressão do divino e do mistério, nada mais poético que Peregrinação de Emaú. Nunca fez nada mais brilhante e grande que O Doge Grimani de Veneza ou A Trindade em Madri.
Em outro ponto de vista, ele também não fez nada mais movimentado que algumas pinturas de sua velhice, como Damem Madri, Antiopeno Louvre ou o Rapto de Europa. Deteve-se ainda no problema do chiaroscuro em fantásticos efeitos noturnos em O Martírio de São Lourenço ou noSão Geronimo. No domínio do real ele sempre permaneceu forte e seguro, e seu próprio mestre, como nos retratos de sua filha Lavinia e em seus auto-retratos.
Vecelli comprometeu sua filha, a bela garota que ele amou profundamente, com Cornelio Sarcinelli de Serravale. Ela tinha sucedido a tia Orsa como governante da casa. O casamento ocorreu em 1554 e ela tristemente morreu de parto como a mãe em 1560. Tiziano estava no Conselho de Trento em 1556, com sua pintura ou os esboços no Louvre mostram.
MORTE
Tiziano Vecelli se aproximava dos cem anos quando a peste apareceu em Veneza, matando o mestre em 27 de agosto de 1576. Enterrado na Basílica de Santa Maria Gloriosa dei Frari, foi a única vítima da peste negra a ser sepultada numa igreja, e repousa perto de sua Madona de Ca'Pesaro. Seu filho morreu da mesma epidemia e ladrões saquearam sua casa, aproveitando a desordem da época.
Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação e Pesquisa: Helio Rubiales

Nenhum comentário: