“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

28 de mar de 2010

GREGORY PECK - Arte Tumular - 368 - Cathedral of Our Lady of the Angels, Los Angeles County.California, USA





Cripta



Cemitério
ARTE TUMULAR
Cripta com um tampo de mármore com o seu nome e datas gravado
LOCAL:Cathedral of Our Lady of the Angels, Los Angeles County.California, USA
Plot: Mausoleum
Foto: James Seildelman
Descrição Tumular: HRubiales


PERSONAGEM
Gregory Peck (Eldred Gregory Peck , La Jolla, 5 de abril de 1916 — Los Angeles, 12 de junho de 2003) foi um premiado ator americano
Morreu aos 82 anos de idade.

BIOGRAFIA
Gregory Peck é mais conhecido por ter interpretado personagens de caráter nobre e corajoso, que lutam contra injustiças. O mais famoso desses é o advogado Atticus Finch do filme O Sol é Para Todos de 1962, que lhe deu o Oscar de melhor ator e que foi escolhido o maior herói das telas pelo American Film Institute em maio de 2003, apenas duas semanas antes de sua morte.É citado na música Flagra,de Rita Lee e já presidenciou a Academy de 1967 a 1970. Peck, que iniciou a carreira como ator de teatro, triunfou em Hollywood com filmes como "A Conquista do Oeste" (1962) e "O Escarlate e o Negro" (1983).

Interpretou diversos papéis em adaptações cinematográficas realizadas a partir de grandes obras literárias, nas quais encarnou personagens heróicas, demonstrativas de seu valor na superação de sentimentos e incertezas: "As Neves do Kilimanjaro" (1952), baseado na obra de Ernest Hemingway, "Moby Dick" (1956), baseado na obra de Herman Melville ou "O Sol é para Todos" (1962), baseado no romance de H. Lee, cuja interpretação lhe valeu um Óscar. Não obstante, participou também com grande êxito em westerns como "Duelo ao Sol" (1946), "Da Terra Nascem os Homens" (1958) e, mais recentemente, em "Gringo Velho" (1990). Gregory Peck protagonizou ainda comédias como Com o "Dinheiro dos Outros" (1991) e filmes de guerra como "Os Canhões de Navarone" (1960).
Entre príncipe e plebeu, Gregory Peck era um daqueles atores cuja elegância e autenticidade parecem hoje um segredo que morreu com a grande era clássica do cinema americano. Peck encarnava o "homem verídico", o herói portador do ideal de verdade típico do "american way of life" numa época em que as boas intenções andavam em baixa em Hollywood.O jovem padre idealista de "As Chaves do Reino" (1944), o repórter exemplar de "A Luz É para Todos" (1947), em sua denúncia do anti-semitismo, o consciencioso advogado sulista de "O Sol é para todos" (1963), disposto a defender, contra todos, os direitos de um negro acusado de estupro -o ator foi indicado ao Oscar por esses três filmes e acabou levando a estatueta na última oportunidade. Peck era o último dos homens de bem numa época em que o bom-mocismo havia se tornado, em Hollywood, algo meio démodé. Em Quando Fala o Coração, de Hitchcock, ele interpretava um amnésico acusado de homicídio submetido a tratamento freudiano. Em "Duelo ao Sol", Peck e Jennifer Jones, num embate de atroz sensualidade, davam vazão a todos os tipos de pulsões do freudismo hollywoodiano. Mas Eldred Gregory Peck parecia pertencer a uma outra época. Ele logo se firmou como guardião dos ideais (perdidos) do "american way" e, à medida que pôde começar a escolher os filmes que iria protagonizar, passou a se ater cada vez mais a papéis edificantes, personagens cuja decência e elegância já não podiam ser dissociadas da aura cultivada pelo ator californiano. Alto, elegante, discreto e sumamente decente, Peck, que aprendeu a gostar de cinema com a avó, parecia ter herdado a aura dos heróis clássicos hollywoodianos que tanto admirara na infância.

MORTE
Sua morte foi anunciada em Los Angeles no dia 12 de junho de 2003,
Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação e pesquisa:HRubiales

Nenhum comentário: