“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

30 de nov de 2009

ANNE FRANK - Arte Tumular - 315 - Bergen-Belsen, Baixa Saxónia , (Niedersachsen), Alemanha






Túmulo simbólico

Memorial aos mortos no holocausto

ARTE TUMULAR
Parede de blocos de granito onde está gravado em relevo o nome do campo de concentração onde ela morreu e as datas do início e final da 2º grande guerra.
Dentro há uma lápide simbólica com o seu nome e de sua irmã também morta no mesmo local. A láopide é de madeira escura com letras brancas, destacando-se a estrela de David e na formação tumular muitas pedras, costume do povo judeu.
LOCAL: Bergen-Belsen, Baixa Saxónia , Baixa Saxônia (Niedersachsen), Alemanha
Fotos: Robert Edwards, James Seidelman
Descrição tumular:Helio Rubiales








MEMORIAL
Placa de bronze com um relevo do seu busto, nome e datas fixada numa parede. Memorial este realizado em 2001, em comemoração aos 71 anos de seus nascimento.
LOCAL:Beth Olam Cemitério ,Los Angeles ,Condado de Los Angeles ,Califórnia, E.U.A.
Lote: Dentro e à esquerda do portão da entrada.
Descrição tumular: Helio Rubiales



PERSONAGEM
Annelisse Maria Frank, mais conhecida como Anne Frank, (Frankfurt am Main, 12 de Junho de 1929 — Bergen-Belsen, início de Março de 1945) foi uma adolescente judia que morreu em um campo de concentração. Seu diário foi publicado pela primeira vez em 1947 e é atualmente um dos livros mais traduzidos em todo o mundo.
Morreu aos 15 anos de idade

BIOGRAFIA
Nasceu em Frankfurt am Main (Hesse), sendo a segunda filha de Otto Heinrich Frank (12 de maio de 1889 - 19 de agosto de 1980) e de Edith Hollander (16 de janeiro de 1900 - 6 de janeiro de 1945), uma família de patriotas alemãs que teriam participado da Primeira Guerra Mundial. Tinha uma irmã Margot Frank (16 de fevereiro de 1926 - março de 1945).

Ela e a sua família,(Edith, Margot e Otto Frank), juntamente com mais quatro pessoas,(Peter, Dussel,sr. e sra. Van Daan) viveram 25 meses, durante a Segunda Guerra Mundial, num anexo de quartos por cima do escritório do pai dela, em Amsterdã, nos Países Baixos, denominado Anexo Secreto.

Enquanto vivia no Anexo Secreto, Anne escrevia em seu diário (que ganhou de aniversário), a que ela deu o nome de Kitty. Também houve alguns indícios de que o diário podia ter o nome de "Finho", ou "Assurbanipal". No diário escrevia o que sentia, pensava e o que fazia. Kitty e,logo depois Peter eram seus únicos amigos dentro do Anexo Secreto. Os longos meses de silêncio e medo aterrorizante, acabaram ao ser denunciada aos nazistas e deportada para campos de concentração nazistas.

Primeiro foi levada juntamente com a família para uma escola e depois para Westerbork, nos Países Baixos, antes de serem deportados para o leste da Europa. Anne Frank foi deportada inicialmente para Auschwitz, juntamente com os pais, irmã e as outras pessoas com quem se refugiava na casa de Amesterdã (hoje casa-museu).

Depois levaram-na para Bergen-Belsen, juntamente com a irmã, separando-a dos pais. Em 1945, nove meses após a sua deportação, Anne Frank morre de tifo em Bergen-Belsen. A irmã, Margot Frank, tinha falecido também vítima do tifo e da subnutrição dias antes de Anne. Sua morte aconteceu duas semanas antes de o campo ser libertado. O seu diário, guardado durante a guerra por Miep Gies, foi publicado pela primeira vez em 1947. O diário está atualmente traduzido em 68 línguas e é um dos livros mais lidos do mundo.

Hoje se sabe que algumas partes foram acrescentadas ao diário após a guerra, pois um exame indicou vestígios de caneta esferográfica no mesmo. O local onde a família de Anne Frank e outras quatro pessoas viveram para se esconder dos nazistas ficou conhecido como Anexo Secreto e tornou-se um famoso museu após a publicação do diário. Nesse há uma reprodução das condições em que os moradores do Anexo Secreto viviam e é apresentada a história de seus oito habitantes e das pessoas que os ajudaram a se esconder durante a guerra. Um dos itens apresentados ao público é o diário escrito por Anne, que viria a se tornar mundialmente famoso após sua morte, devido a iniciativa de seu pai, Otto, de publicá-lo. Hoje, é um dos mais famosos símbolos do Holocausto. Dos oito habitantes do Anexo, o único sobrevivente após a guerra foi Otto, pai de Anne.

MORTE
Em conseqüência de tifo.
Fonte:pt.wikipedia.org
Formatação e pesquisa:Helio Rubiales

Um comentário:

edson carlos de oliveira disse...

fico as vezes horas lendo sobre túmulos de famosos, as vezes penso que eles não morreram e as vezes penso que não somos nada nesse mundo, simplismente nada!