“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

3 de ago de 2009

JOHANN SEBASTIAN BACH - Arte Tumular -255- Thomaskirche (Igreja de São Thomas), Leipzig, Alemanha


Tampo e bronze sobre o tumulo no piso

Vista de lado

Tumulo defronte ao altar

Vista desde o centro da nave central

Estárua em bronze de Bach do lado da Igreja

Igreja de S.Thomas(fachada)
ARTE TUMULAR
Tumulo no piso na nave central da Igreja de Santo Tomas , defronte ao altar, coberto por uma placa de bronze com o nome gravado do compositor.
Foi enterrado do lado as Igreja de St. John's, em Leipzig. Sua sepultura ficou nesse local por quase 150 anos. Em 1894 o seu caixão foi finalmente reaberto e seus restos mortas foram sepultados dentro da igreja. A igreja foi destruída pelos bombardeios Aliados durante a Segunda Guerra Mundial, e em 1949 , novamente os seus restos mortais foram levados para seu atual e final repouso em Leipzig, aa Igreja de St. Thomas.

LOCAL: Thomaskirche (Saint Thomas' Church) ,Leipzig, Germany
Plot: In front of the altar
Fotos:Tom Mauter, Matt Peterson, N. Oosterlec, Seabimirum e Wikipédia
Descrição tumular: HRubiales

PERSONAGEM
Johann Sebastian Bach [ˈjoːhan zeˈbastjan ˈbax], (Eisenach, 21 ou 31 de março de 1685 — Leipzig, 28 de julho de 1750) no seio de uma família de músicos. Foi um organista e compositor alemão do período barroco. Mestre na arte da fuga, do contraponto e da música coral, ele é um dos mais prolíficos compositores da história da música ocidental.
Devoto admirador de Dietrich Buxtehude, Bach é tido como o maior compositor do Barrocoe, por muitos, o maior compositor da história da música, ainda que pouco reconhecido na altura em que viveu. Muitas de suas obras reflectem uma grande profundidade intelectual, uma expressão emocional profunda e, sobretudo, um grande domínio técnico em grande parte responsável pelo fascínio que diversas gerações de músicos demonstraram pelo PaiBach, especialmente depois de Felix Mendelssohn que foi um dos responsáveis pela divulgação da sua obra, até então bastante esquecida.
Posteriormente, Hans von Bülow faz referência de Bach como um dos "três bês da música" (Bach, Beethoven, Brahms), considerando o seu Cravo Bem Temperado como o Antigo Testamento da Música.
Morreu Aos 65 anos de idade.
BIOGRAFIA
A mãe morreu quando ele tinha nove anos de idade. Um ano depois morreu o pai Johann Ambrosius Bach, que era músico da cidade e havia lhe ensinado os rudimentos da música. Foi viver e estudar com o irmão, Johann Christoph Bach, dezesseis anos mais velho que ele, então organista de Ohrdruff. Ao lado do irmão, Bach aprendeu a tocar órgão e a compor. Christoph, no entanto, não era um grande entusiasta do talento do jovem Sebastian. O irmão mais novo certa vez pediu a Christoph que lhe deixasse estudar algumas partituras de Pachelbel, que fora padrinho e professor de Christoph, mas este recusou. Sebastian então passou a copiar, todas as noites, as partituras do irmão, enquanto este dormia, para que pudesse estudá-las mais tarde. De nada valeu esse esforço, já que Christoph, ao descobrir as cópias, destruiu-as. Especula-se também que o esforço realizado por Sebastian para copiar as partituras na escuridão tenha sido responsável pela cegueira que o atormentou no final da vida. Em 1703, aos dezoito anos, Bach ascendeu ao posto de organista em Arnstadt, graças ao precoce domínio do instrumento.
Em 1705, Bach percorreu a pé o caminho de Arnstadt até Lübeck, somente para ouvir Buxtehude, famoso organista a quem o jovem Bach muito admirava, apresentar-se. Essa viagem custou-lhe o emprego, motivando-o a procurar outro emprego, que veio a ser em Mühlhausen, onde ele conheceu Maria Barbara, sua prima, com quem se casaria e teria 7 filhos. Bach introduziu a jovem no coral da igreja luterana local, o que causou transtornos burocráticos, e o fizeram abandonar o cargo. Maria Barbara adoeceu, vindo a falecer subitamente durante uma viagem do marido.
Ali escreveu também as primeiras cantatas. Só um ano depois, em 1708, foi nomeado organista da Corte, e em 1714 diretor de orquestra na corte do duque Wilhelm Ernst, em Weimar. De 1717 a 1723, Bach foi mestre-capela (Kapellmeister) na corte de príncipe Leopold de Anhalt-Köthen. Em 1720 morreu a primeira esposa, e um ano mais tarde voltou a casar-se, desta vez com a cantora Anna Magdalena Wülcken. A partir de 1723 e até à sua morte, foi Diretor de Música (Kantor) na igreja luterana de São Tomás em Leipzig. Chegou a ser convidado para a corte de Frederico II o Grande em Sans Souci.
Bach encabeçou uma família numerosa. Teve sete filhos no seu primeiro matrimónio e treze no segundo. Quatro dos seus filhos do seu segundo casamento transformaram-se em compositores respeitados. Entre eles se destacaram Wilhelm Friedemann Bach (1710-1784), que segundo o patriarca era o mais talentoso de seus filhos, Carl Philipp Emanuel Bach (1714-1788), de quem Mozart tinha uma opinião excelente, e que viria ser o Bach mais famoso de sua época, e Johann Christian Bach (1735-1782) que ficou famoso na Inglaterra. Entretanto, a confiança que Bach pôs em Wilhelm Friedemann teve tristes consequências depois do seu falecimento. Friedemann possuía uma personalidade evasiva, nunca se fixando nos empregos, e muitas vezes em dificuldades financeiras. Essas dificuldades levaram-no, muitas vezes, a vender várias partituras que pertenciam ao pai. Nesse processo perderam-se para sempre várias paixões compostas por Johann Sebastian (quem sabe agora fossem elas tão apreciadas como a Paixão segundo São Mateus e a Paixão segundo São João). Se não fosse sido o cuidado que teve Carl Philipp Emanuel Bach em conservar os manuscritos do pai, o mundo poderia ter sido privado de uma boa parte das obras primas de Bach.
Um aspecto impressionante da vida de Bach é que o compositor teve pouco reconhecimento em vida. Era tido por todos como um virtuoso do órgão, talvez o melhor de que se tinha notícia. Como compositor, porém, era considerado antiquado e sem criatividade. Outros compositores, como Haendel e Telemann, tiveram as obras muito mais apreciadas no período. Na época que se seguiu à morte, Bach caiu no esquecimento. O filho Carl Phillip Emanuel teve então grande destaque como um dos fundadores doclassicismo. Alguns compositores e músicos conheciam e apreciavam a obra de Johann Sebastian Bach.Haydn, Mozart e Beethoven encantaram-se com as obras a que tiveram acess
CASAMENTOS E FILHOS
Bach casou com Maria Barbara Bach em 1707. Tiveram sete filhos, quatro sobreviveram à idade adulta:
 Catharina Dorothea (28 dezembro 1708 – 14 janeiro 1774).
 Wilhelm Friedemann (22 novembro 1710 – 1 julho 1784).
 Carl Philipp Emanuel (8 março 1714 – 14 dezembro 1788).
 Johann Gottfried Bernhard (11 maio 1715 – 27 maio 1739).
Maria faleceu em 1720, e Bach casou com Anna Magdalena Wilcke em 1721. Tiveram treze filhos, seis sobreviveram à idade adulta:
 Gottfried Heinrich (1724–1763)
 Elisabeth Juliana Friederica, (1726–1781)
 Johann Christoph Friedrich, (1732–1795)
 Johann Christian, 'London' Bach (1735–1782)
 Johanna Carolina (1737–1781)
 Regina Susanna (1742–1809)
MORTE
Morreu em 1750, depois de uma intervenção cirúrgica fracassada nos olhos. Bach foi ficando cego até perder totalmente a visão. Atualmente crê-se que a sua cegueira foi originada por diabetes não tratado. Em seus últimos anos Bach começou a perder a sua acuidade visual. Ele foi persuadido a sofrer duas operações no início de 1750, mas os procedimentos deixou cega e arruinado sua saúde. Ele morreu de um acidente vascular cerebral e
Fonte: Wikipédia
Formatação e pesquisa: HRubiales

Nenhum comentário: