“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

1 de jun de 2009

ARTURO TOSCANINI-Arte Tumular-246-Cimitero Monumentale de Milano, Mlão, Itália






Cimitero Monumentale de Milano







ARTE TUMULAR
Mausoléu em forma de capela em mármore ricamente decorada.. Na parte frontal em relevo há um anjo esculpido de cada lado curvados sobre a pilastra, decorando a formação do portal , representando a dor e reverencia ao maestro. Nas partes laterais ,decoradas com alegorias em relevo de anjos e uma placa com as inscrições do morto. A porta de entrada do mausoléu é de bronze decorado com vidros. Sobre o portal , também em bronze destaca o nome de Toscanini.
LOCAL: Cimitero Monumentale de Milano, Milão, Itália
Fotos: Mike Reed e Bred Berendese
Formatação e descrição tumular: HRubiales

PERSONAGEM
Arturo Toscanini (Parma, 25 de março de 1867 — Nova Iorque, 16 de janeiro de 1957) é considerado por muitos críticos e músicos como o maior regente de orquestra que o mundo já conheceu.
Morreu aos 90 anos de idade.
BIOGRAFIA (Resumiuda)

Estudou violoncelo no Conservatório de Parma e tornou-se violoncelista da orquestra do Teatro alla Scala de Milão. Tocou violoncelo na estréia mundial do Otello de Verdi. Em 1886, quando Toscanini completava apenas dezenove anos de idade, a Orquestra do Teatro alla Scala visitou o Brasil, onde Toscanini esteve como simples violoncelista.
Seu destino seria mudado quando, certa noite no Teatro Lírico do Rio de Janeiro, durante uma apresentação da Aida de Verdi, o regente foi vaiado. Convidado a subir ao pódio, Toscanini regeu uma Aida tão magnífica que foi aplaudido estrepitosamente pelo público do Rio, considerado então como um dos centros mundiais da ópera.
Jornais do mundo inteiro noticiaram o evento, de forma que o maestro tornou-se uma figura de destaque internacional. Toscanini regeu a estréia mundial de várias óperas de Puccini e estabeleceu-se em Nova Iorque, onde se tornou regente do Metropolitan Opera House e da Orquestra Sinfônica de Nova Iorque. Durante várias décadas, Toscanini "reinou" na cidade norte-americana, que graças à presença do maestro ganhou destaque no mundo da música erudita, assim como Viena, Paris, Londres, Berlim ou Milão.
A pianista brasileira Guiomar Novais, Arthur Rubinstein, Bidu Sayão, Jascha Heifetz, Claudio Arrau, Alexander Brailowsky, Sergei Rachmaninoff, Igor Stravinsky foram alguns dos músicos de importância mundial que se instalaram nos Estados Unidos (principalmente em Nova Iorque) nesta época, dada a situação da Europa no entre-guerras.
Toscanini era francamente anti-fascista. Chegou a afirmar certa vez: Abram as portas das prisões, soltem todos os criminosos. Não encontrarão nenhum bandido pior que Mussolini.
Sua filha, Wanda Toscanini, era casada com o também famoso pianista Vladimir Horowitz.
MORTE
Toscanini aposentou-se aos 87 anos e morreu em Riverdale (Nova York), mas foi enterrado em Milão.
FONTE: Wikipédia
Formatação e pesquisa: HRubiales

Um comentário:

Anônimo disse...

um verdadeiro gênio da regência musical. gostei de ler a biografia dele. esse blog é sensacional!