“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

23 de abr de 2009

NIELS BOHR - Arte Tumular - 210 - Assistens Cemetery ,Copenhagen, Denmark


ARTE TUMULAR
Base tumular em forma retangular com várias placas de bronze no solo (gramado). Na parte central, uma base de granito quadrada, suporta outra em forma circular com o nome do cientista gravado. Desse ponto eleva-se uma construção em forma de cilindro terminando com um ninho e uma coruja como se observasse ou vigia-se o tumulo. A coruja tem vários significados simbólicos. Na mitologia greco-romana, Minerva ou Athena, a deusa da sabedoria tinha uma coruja como animal de estimação. No caso dessa escultura , a coruja segue o estereótipo do sábio, que geralmente é tido como alguém mais preocupado com as divagações interiores que com a aparência externa.
Local:: Assistens Cemetery ,Copenhagen, Denmark
Fotos: Lund Rosenkilde e Jorge Kjaergaard
Descrilção tumular: Helio Rubiales




PERSONAGEM
NIELS HENRICK DAVID BOHR (Copenhague, 7 de Outubro de 1885 — Copenhague, 18 de Novembro de 1962) foi um físico dinamarquês cujos trabalhos contribuíram decisivamente para a compreensão da estrutura atômica e da física quântica.
Morreu aos 77 anos de idade.
BIOGRAFIA
Bohr, foi professor de fisiologia, e sua mãe, Ellen (nome de solteira Adler), provinha de uma família judaica.
Licenciou-se na sua cidade natal em 1911 e trabalhou com Joseph John Thomson e Ernest Rutherford na Inglaterra. Em 1913, aplicando a teoria da quantificação aos elétrons/electrões do modelo atômico de Rutherford, conseguiu interpretar algumas das propriedades das séries espectrais do hidrogênio e a estrutura do sistema periódico dos elementos. Formulou o princípio da correspondência e, em 1928, o da complementaridade. Estudou ainda o modelo nuclear da gota líquida, e antes da descoberta do plutónio, previu a propriedade da cisão, análoga à do U-235. Bohr recebeu o Prémio Nobel de Física em1922.
A sua teoria para a explicação do modelo atômico proposto por Rutherford em 1911, levando em conta a teoria quântica (formulada por Max Planck em 1900), não foi levada a sério. Depois, no decorrer da década e da década de 1920, vários físicos ajudaram a criar o modelo existente hoje. Entre estes físicos podemos citar Einstein, De Broglie, Schrödinger, Heisenberg, De Pauli, entre outros.
Em 1957, Niels Bohr recebeu o Prêmio Átomos para a Paz. Ao mesmo tempo, o Instituto de Física Teórica, por ele dirigido desde 1920, afirmou-se como um dos principais centros intelectuais da Europa.
MORTE
Bohr morreu a 18 de Novembro de 1962, vítima de uma trombose, aos 77 anos de idade.
Fonte:pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales


Nenhum comentário: