“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

18 de abr de 2009

ALEXANDER GRAHAM BELL- Arte Tumular -206 - Beinn Breagh Estate,Baddeck,Nova Scotia, Canada









Casa de Graham Bell
ARTE TUMULAR
Foi sepultado numa sepultura simples ao lado de uma rocha onde há uma placa com o seu nome, aos arredores da casa onde passava a maior parte do tempo.
Local: Beinn Breagh Estate,Baddeck,Nova Scotia, Canadá
Fotos: David Greyfield
Descrição tumular: Helio Rubiales

PERSONAGEM
ALEXANDER GRAHAM BELL (Edimburgo, 3 de Março de 1847 — Nova Escócia, 2 de Agosto de1922) foi um cientista, inventor e fundador da companhia telefónica Bell.
Historicamente é considerado o inventor do telefone, contudo existem indícios que apontam como legítimo inventor Antonio Meucci (então pode ser considerado o aperfeiçoador do telefone), fato este que foi reconhecido postumamente em 11 de junho de 2002 quando o Congresso dos Estados Unidos aprovou a resolução No. 269, na qual se reconheceu como o inventor do telefone.
Morreu aos 75 anos de idade.
BIOGRAFIA
Bell nasceu na Escócia, numa família ligada ao ensino de elocução: o seu avô em Londres, seu tio em Dublin, e seu pai, Sr. Alexander Melville Bell, em Edimburgo, eram todos elocucionistas professados. Este último publicou uma variedade de trabalhos sobre o assunto, dos quais vários são bem conhecidos, em especial o seu tratado na linguagem gestual, que apareceu em Edimburgo em 1868. Neste explica o seu método engenhoso de instruir surdos mudos, por meio visual, como articular palavras e como ler o que as outras pessoas dizem pelo movimento dos lábios. Graham Bell, seu filho distinto, foi educado na escola real de Edimburgo, onde se graduou aos 13 anos. Aos dezesseis fixou uma posição como professor de elocução e de música na academia de Weston house, em Elgin, Escócia. O ano seguinte foi passado na Universidade de Edimburgo. De 1866 a 1867 foi instrutor na universidade de Somersetshire em Bath, Inglaterra. Enquanto esteve na Escócia virou a sua atenção para a ciência da acústica, com o objectivo de melhorar a surdez de sua mãe.
Em 1870, aos 23 anos, mudou-se com a família para o Canadá, onde se estabeleceram em Brantford, Ontário. Antes de sair da Escócia, Alexander Graham Bell virou a sua atenção para o telefone, e no Canadá continuou o seu interesse por máquinas de comunicação. Projectou um piano que podia transmitir música a uma certa distância por meio de electricidade. Em 1873 acompanhou seu pai a Montreal, Quebeque, onde foi empregado a ensinar o seu sistema de linguagem gestual. A Bell mais velha foi convidada a introduzir o sistema numa grande escola para mudos em Boston, mas declinou o posto em favor do seu filho, que se tornou logo famoso nos Estados Unidos pelo seu sucesso neste importante trabalho. Alexander Graham Bell publicou mais de um tratado sobre o assunto em Washington, e é principalmente com os seus esforços que os milhares de surdos mudos na América podem agora falar quase, se não completamente, tão bem quanto as pessoas que conseguem ouvir.
Em Boston continuou a sua pesquisa no mesmo campo, e esforçou-se para produzir um telefone que emitisse não somente notas musicais, mas articulasse a fala. Com financiamento do seu sogro americano, em 7 de Março de 1876, o escritório de patentes dos Estados Unidos concedeu-lhe a patente número 174.465 que cobre "o método de, e o instrumento para, transmitir sons vocais ou outros telegraficamente, causando ondulações eléctricas, similares às vibrações do ar que acompanham o som vocal.", ou seja o telefone. Após ter obtido a patente para o telefone, Bell continuou suas experiências em comunicação, que culminaram na invenção da photophone-transmissão do som num feixe de luz -- um percursor dos sistemas de fibra óptica actuais. Também trabalhou na pesquisa médica e inventou técnicas para ensinar o discurso aos surdos. A dimensão do génio inventivo de Bell fica em parte patente nas 18 patentes concedidas em seu nome apenas e as doze que compartilhou com seus colaboradores. Estas incluem 14 para o telefone e o telégrafo, quatro para o photophone, uma para o fonógrafo, cinco para veículos aéreos, quatro para hidro-aviões, e duas para uma pilha de selénio. Em 1888 era um dos membros fundadores da National Geographic Society e transformou-se no seu segundo presidente. Era o receptor de muitas honras. O governo francês conferiu-lhe a decoração da Légion d'honneur (legião de honra), a Académie française atribuiu-lhe o prémio de Volta de 50 mil francos, a sociedade real das artes emLondres concedeu-lhe a medalha Albert em 1902, e a universidade de Würzburg, Baviera, concedeu-lhe o grau de doutoramento honoris causa.
Bell casou-se com Mabel Hubbard em 11 Julho de 1877, tornou-se cidadão naturalizado dos EUA em 1882
MORTE
Morreu em Baddeck, Nova Escócia, em 1922, devido a um ataque cardíaco.
Formatação, pesquisar: HRubiales

Um comentário:

Celso de Assis Jardim da Silva disse...

É surpreendente que o túmulo de um dos maiores inventores da história da humanidade seja tão simples assim. Seu invento revolucionou a forma com que o mundo se comunica; reduziu distâncias; pavimentou a estrada da futura internet. Apenas sua mansão (verdadeiro palácio) localizada numa colina de vista privilegiada para o mar, faz jus à sua importância.