“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

15 de mar de 2009

TAJ MAHAL-Arte Tumular - 158-Cidade de Agra, Índia.

Túmulo de Shah Jahan



Túmulos (O menor é de Mumtaz Mahal)



Entrada do mausoléu

INTERIOR DO TAJ MAHAL
Na sala central que apresenta uma decoração que vai além das técnicas tradicionais, destaca-se a elevada arte manual, da ourivesaria e da joalheria, que se traduz pelas incrustações, não só em mármore ou jade, mas sim em pedras preciosas e semipreciosas.
A sala principal contém ainda os cenotáfios de Mumtaz e Shah Jahan, obras-primas de artesanato, sem precedentes na época.
A forma da sala é octogonal e ainda que o desenho permita ingressar por qualquer dos lados, só a porta sul, em direção aos jardins é usada habitualmente. As paredes interiores têm aproximadamente 25 metros de altura, sobre as quais se construiu uma falsa cúpula interior decorada com motivos solares. Oito arcos definem o espaço a nível do solo. Similar ao que se sucede no exterior, a cada meio arco sobrepõe-se um segundo a meia altura na parede. Os quatro arcos centrais superiores formam balcões com mirantes para o exterior. Cada janela destes balcões leva um intrincado trabalho de mármore, o o jali. Além da luz proveniente dos balcões, a iluminação complementa-se com a que ingressa através dos chattris em cada esquina da cúpula exterior.
Cada uma das paredes da sala foi detalhadamente decorada com frisos em baixo-relevo, intrincadas incrustações de pedraria e refinados painéis de caligrafia, refletindo inclusivamente o nível minimalista do complexo. Com estes elementos, cria-se uma espécie de ligação ou fusão simétrica do espaço interior e exterior, numa linha decorativa que permite que contatem diretamente os dois espaços do complexo funerário.
TUMULOS VERDADEIROS
A tradição muçulmana proíbe a decoração elaborada das campas, pelo que os corpos de Mumtaz e Shah Jahan descansam numa cripta relativamente simples debaixo da sala principal do Taj Mahal. Estão sepultados segundo um eixo norte-sul, com os rostos inclinados para a direita, em direção a Meca. O acesso se realiza por uma escadaria oculta na plataforma de mármore e não é permitido à visitação pública.





Túmulos verdadeiros (não pode ser visitados)
CENOTÁFIO
Todo o Taj Mahal se centra em redor dos cenotáfios A câmara principal do túmulo formada por oito lados (octagonal), que duplicam em forma exata a posição das duas campas e são cópia idêntica das pedras do sepulcro inferior. Quase na penumbra, atrás de uma abertura em mármore que permite uma iluminação tão leve quanto etérea a câmara mortuária está rodeada por finas paredes de mármore incrustado com pedras preciosas que forma uma cortina de milhares de cores. A sonoridade do interior, amplo e elevado é triste e misterioso, como um eco que soa e ressoa sem nunca se deter.
CENOTÁFIO DE MUMTAZ
O cenotáfio de Mumtaz ergue-se no centro exato da sala principal, sobre uma base retangular de mármore de aproximadamente 1,50 × 2,50 metros. Há uma pequena urna também de mármore. Tanto a base como a urna estão incrustadas com um requintado trabalho de gemas. As inscrições têm a função de identificar Mumtaz e protegê-la, em jeito de oração. Na tampa da urna sobressai um placa, que se assemelha a um quadro de escola.
CENOTÁFIO DE SHAH JAHAN
O cenotáfio de Shah Jahan está junto ao de Mumtaz, formando a única disposição assimétrica de todo o complexo. É maior que o da sua esposa, mas contém os mesmos elementos: uma grande urna com base alta, também decorada com maravilhosa precisão mediante incrustações e caligrafia identificadora. Sobre a tampa da urna existe uma escultura de uma pequena caixa de penas de escrever.

PERSONAGENS
Shahabuddin Mohammed Shah Jahan (também escrito Shah Jehan ou Shahjehan),شاه جهان em persa), 5 de Janeiro de 1592 – 22 de Janeiro de 1666) foi um governante e imperador do Império Mogol, no subcontinente indiano entre 1628 e 1658. O nome Shah Jahan vem do persa e significa "Rei do Mundo". Foi o quinto soberano mogol depois de Babur, Humayun,Akbar e Jahangir.
Morreu aos 74 anos de idade.
Arjumand Banu Begam, era uma princesa persa muçulmana, que ao se casar com o quinto imperador de Mungal, o Xá Jahan, passou a ser conhecida como Mumtaz Mahal (que significa "a preferida do palácio"), pois na tradição mungal as senhoras importantes da família real eram determinadas a outro nome ao casar-se, viveu com o imperador de 1612 a 1631.
Embora sendo o segundo casamento de Jahan, ele foi realizado através da paixão e do amor verdadeiro; amor este que os fizeram praticamente inseparáveis.
UM TRIBUTO AO AMOR
Mumtaz Mahal acompanhava Jahan em todas as suas viagens e expedições militares tornando-se a grande e principal conselheira de Jahan. Ela o inspirou a atos de caridade e benevolência para os fracos e necessitados.
Mumtaz veio a falecer ao dar a luz ao décimo quarto filho quando acompanhava Jahan a uma campanha militar em Burhanpur. A morte de Mumtaz Mahal caiu como uma pedra sobre os ombros de Jahan tornando-o em alguns meses com aparência de longos anos, onde, seus cabelos e sua barba tornaram-se brancas como a neve.
O TAJ MAHAL
O Taj Mahal (em hindi ताज महल, persa تاج محل) é um mausoléu situado em Agra, uma cidade da Índia e o mais conhecido dos monumentos do país. Encontra-se classificado pela UNESCO como Património da Humanidade. Foi recentemente anunciado como uma das Novas Sete Maravilhas do Mundo Moderno em uma celebração em Lisboa no dia 7 de Julho de 2007.
A obra foi feita entre 1630 e 1652, com uma manada de mil elefantes que levou os blocos de mármore, cada um pesando mais de duas toneladas, trazidos de pedreiras a mais de 300 quilômetros de distância e com a força de cerca de 22 mil homens, trazidos de várias cidades do Oriente, para trabalhar no suntuoso monumento de mármore branco que o imperador Shah Jahan mandou construir em memória de sua esposa favorita, Aryumand Banu Begam, a quem chamava de Mumtaz Mahal ("A jóia do palácio"). Ela morreu após dar à luz o 14º filho, tendo o Taj Mahal sido construído sobre seu túmulo, junto ao rio Yamuna.
Assim, o Taj Mahal é também conhecido como a maior prova de amor do mundo, contendo inscrições retiradas do Corão. É incrustado com pedras semipreciosas, tais como o lápis-lazúlientre outras. A sua cúpula é costurada com fios de ouro. O edifício é flanqueado por duasmesquitas e cercado por quatro minaretes.
Supõe-se que o imperador pretendesse fazer para ele próprio uma réplica do Taj Mahal original na outra margem do rio, em mármore preto, mas acabou deposto antes do início das obras por um de seus filhos.
Fonte: Wikipédia
Formatação e pesquisa:HRubiales

Nenhum comentário: