“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

2 de abr de 2016

CARLOS MAGNO - Arte tumular - 1108 - Cathedral of Aachen Aachen Aachener Stadtkreis Nordrhein-Westfalen, Germany

Catedral

Vista do sarcófago 

Interior da Catedral

Ossos catalogados

Urna de mármore interna


Urna exterior



ARTE TUMULAR
No interior da Catedral, destaca-se a urna em metal e prata ricamente decorada com relevos reais com uma cobertura em forma angulada. Está suspensa por quatro pilares e protegida por uma caixa de vidro.

Local: Cathedral of Aachen Aachen Aachener Stadtkreis Nordrhein-Westfalen, Germany Plot: The Shrine of Karl der Große
Fotos: findagrave
Descrição tumular: Helio Rubiales







PERSONAGEM
Carlos Magno ou Carlos I, dito "O Grande" (em latim: Carolus Magnus, alemão: Karl der Große, francês: Charlemagne) (Jupille-sur-Meuse, 2 de abril de 742 — Aquisgrano, 28 de janeiro de 814), da dinastia franca Carolíngia que se inicia com Clóvis I , e que após a morte de seu pai, o rei franco Pepino, o Breve, torna-se o rei dos Francos de 768 até sua morte, em 814, o rei dos Lombardos de 774 a 814 e em 25 de janeiro de 800 é coroado, em Roma, pelo Papa São Leão III, 1º Imperador do Sacro Império Romano (Imperatur Romanorum) e assim, como imperador, Carlos Magno se manteve até sua morte, em 814.
Morreu aos 71 anos de idade.

IMPÉRIO CAROLÍNGIO
A denominação dinastia Carolíngia, que pelos sete séculos seguintes dominaram a Europa, no que veio a ser posteriormente chamado Sacro Império Romano-Germânico deriva do seu nome em latim "Carolus" . Por meio das suas conquistas no estrangeiro e de suas reformas internas, Carlos Magno ajudou a definir a Europa Ocidental e a Idade Média na Europa. Ele é chamado de Carlos I nas listas reais da Alemanha (como Karl), na França (como Charles) e do Sacro Império Romano-Germânico Ele era filho do rei Pepino, o Breve e de Berta de Laon, uma rainha franca. Carlos reinou primeiro em conjunto com seu irmão Carlomano, sendo a relação entre os dois o tema de um caloroso debate entre os cronistas contemporâneos e os historiadores.. Foi rei dos Francos a partir de 768. Tornou-se, por conquista, rei dos lombardos em 774 e foi coroado Imperator Augustus em Roma pelo papa Leão III em 25 de dezembro de 800, restaurando um cargo em desuso desde a queda do Império Romano do Ocidente em 476.

 Monarca guerreiro, expandiu o Reino Franco através de uma série de campanhas militares, em particular contra os saxões pagãos cuja submissão foi bastante difícil e muito violenta (772-804), mas também contra os lombardos em Itália e os muçulmanos de Espanha, até que este se tornou o Império Carolíngio, que incorporou a maior parte da Europa Ocidental e Central. Durante o seu reinado, ele conquistou o Reino da Itália. Posteriormente, o exército de Carlos, em retirada, sofreu a sua pior derrota nas mãos dos bascos na Batalha de Roncesvalles (778) . Ele também realizou campanhas contra os povos a leste, principalmente os saxões e, após uma longa guerra, subjugou-os ao seu comando.

"Signum KAROLUS Caroli gloriosissimi regis" - assinatura de Carlos Magno (Karl der Grosse), em documento datado de 31 de agosto 790 AD.Only os dois cursos dentro da praça foram adicionados pelo imperador.

 Ao cristianizar à força os saxões e banindo, sob pena de morte, o paganismo germânico, ele os integrou ao seu reino e pavimentou o caminho que levaria à futura dinastia Otoniana. Soberano reformador, preocupado com a ortodoxia religiosa e cultura, ele protegeu as artes e as letras. O seu reinado também está associado com a chamada «Renascença carolíngia», um renascimento das artes, religião e cultura por meio da Igreja Católica.

UNIÃO DA EUROPA
O seu trabalho político imediato, o império, não lhe sobrevive, no entanto, por muito tempo. Em conformidade com o costume sucessório germânico, Carlos Magno promove a partir de 806 a partilha do império entre os seus três filhos. Após numerosas peripécias, o império acabará finalmente partilhado em entre três dos seus netos (Tratado de Verdun). A fragmentação feudal dos séculos seguintes, mais a formação na Europa de Estado-nações rivais condenaram à impotência aqueles que tentaram explicitamente restaurar o império universal de Carlos Magno, em particular os governantes do Santo Império Romano Germânico, de Otão I em 962 no século XVI, e até mesmo Napoleão I, perseguido pelo exemplo dos mais eminentes dos Carolíngios . As monarquias francesa e alemã descendentes do império governado por Carlos Magno na forma do Sacro Império Romano-Germânico cobriam a maior parte da Europa. Em seu discurso de aceitação do Prêmio Carlos Magno, o papa João Paulo II se referiu a ele como Pater Europae ("Pai da Europa") : "...seu império uniu a maior parte da Europa Ocidental pela primeira vez desde os romanos e a Renascença carolíngia encorajou a formação de uma identidade europeia comum". A figura de Carlos Magno foi objeto de discórdia na Europa, incluindo a questão política entre os séculos XII e XIX entre a nação germânica que considera o Santo Império Romano como o sucessor legitimo do imperador carolíngio e a nação francesa que é de fato um elemento central da continuidade dinástica dos Capetianos. Os dois principais textos do século IX que retratam o Carlos Magno real, a "Vita Caroli Magni", de Eginhardo, e a "Gesta Karoli Magni", atribuída a um monge da Abadia de São Galo chamado Notker, igualam as lendas e mitos enumerados nos séculos seguintes: «Há o Carlos Magno da sociedade vassálica e feudal, o Carlos Magno da Cruzada e da Reconquista, o Carlos Magno inventor da Coroa de França ou da Coroa Imperial, o Carlos Magno mal canonizado, mas tido como verdadeiro santo da igreja, o Carlos Magno da boa escola».


MORTE
Carlos Magno morreu a 28 de janeiro de 814 em Aquisgrano, de uma doença aguda que parece ter sido uma pneumonia. Segundo Éginhardo, Carlos Magno não teria deixado nenhuma indicação relativa ao seu funeral, após as cerimónias fúnebres simples na Catedral de Aquisgrano (embalsamamento e sepultamento antes da cerimónia durante a qual uma "efígie viva"provavelmente colocada em seu caixão para o representar ), ele foi enterrado numa cova no mesmo dia sob o pavimento da Capela Palatina. O monge Ademar de Chabannes, na sua Chronicon, crónica escrita entre 1024 e 1029, torna este funeral mais faustoso, criando o mito de um Otão III, que encontrou uma adega abobadada na qual o Imperador "com a barba que flui" está sentado num banco de ouro, revestido com as suas insígnias imperiais, cingindo a sua espada de ouro, com as mãos um Evangelho de ouro, e sobre a sua cabeça uma coroa com um pedaço da Cruz Verdadeira. Em 1166, Frederico Barbaruiva, depois de obter a canonização de Carlos Magno, faz abrir o túmulo para depositar os seus restos mortais num sarcófago de mármore onde diz "sarcófago de Proserpina", a 27 de julho de 1215 Frederico II começa um segundo translatio num sarcófago de ouro e em prata . Segundo a lenda, durante a exumação, foi encontrado pendurado no pescoço de Carlos Magno o talismã, que ele sempre usava.
Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales

Nenhum comentário: