“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

2 de abr de 2014

LINDA McCARTNEY - Arte Tumular - 978 - Cremada




Foi cremada e suas cinzas espalhadas. especificamente,  metade  espalhadas nas pastagens e florestas da fazenda da família no sul da Inglaterra e a outra metade espalhadas no rancho da família, em Tucson, Arizona, USA


PERSONAGEM
 Linda McCartney (Nova Iorque, 24 de setembro de 1941 — Tucson. 17 de abril de 1998), Lady McCartney, batizada com o nome de Linda Louise Eastman foi uma fotógrafa dos Estados Unidos, da editora Rolling Stone Magazine, musicista e ativista dedicada a divulgar abusos contra os animais. Tornou-se famosa mundialmente ao casar-se com Paul McCartney em 12 de março de 1969, na ocasião, o cantor, compositor, baixista, guitarrista, pianista, Multi-instrumentista do grupo de rock inglês The Beatles.
Morreu aos 56 anos de idade.
SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
 Filha de um bem sucedido advogado, Lee Eastman, e de Louise Linder (dona da fortuna das lojas Linder), Linda cresceu na cidade de Scarsdale (estado de Nova Iorque) e se tornou uma grande fotógrafa. Formou-se em Artes na Universidade do Arizona, e foi durante estes anos que se apaixonou por fotografia. Mas, foi só depois que ela retornou a Nova Iorque que começou a demonstrar o seu talento com as câmeras.
FOTÓGRAFA
Começou sua carreira de fotógrafa na editora Town and Country magazine, e foi quando fotografava a banda The Rolling Stones num iate que percebeu que este segmento de seu trabalho estaria em grande demanda. Imortalizou-se fotografando ícones do rock como The Who, Jimi Hendrix, The Doors, Traffic, Simon and Garfunkel, Bob Dylan, Otis Redding e, subsequentemente, The Beatles, quando então acabou conhecendo seu futuro marido, Paul. Quando trabalhou com a editora da Rolling Stone, Linda produziu um trabalho de alta qualidade que continua sendo publicado internacionalmente. Seu trabalho já foi exposto em dezenas de galerias de arte, da América do Sul à Austrália, incluindo o Victoria and Albert Museum em Londres. Foi reconhecida nos Estados Unidos como a fotógrafa do ano. Ela também publicou cinco livros de fotografias suas.
MUSICISTA
O sucesso de Linda na música foi - no conjunto total de seu trabalho - por conta de seu marido, o ex-Beatle Paul McCartney. Linda nunca foi uma intérprete, ou compositora, antes de conhecer Paul, mas mesmo assim ela cativou o público mundialmente também com sua constante presença no teclado durante as apresentações ao vivo e com seus doces acompanhamentos vocais junto a Paul. Nota-se em particular, canções de grande sucesso como "Another Day", em que Paul toca todos os instrumentos e Linda preenche a melodia suavemente junto ao marido com vocais de fundo. Este preenchimento vocal ("duuuhs") é quase que uma marca registrada de Paul, que se destacou mais ainda durante os anos que lançava seus discos da carreira solo, ou com o grupo Wings em que, talvez por falta de seus originais ex-parceiros de rock ou por uma grande conveniência, usava constantemente sua esposa nas gravações. A combinação nova funcionou e juntos se tornaram os músicos pop mais ricos da história da música. Os sucessos musicais de gravações feitas juntos foram em grande parte número um na Inglaterra e nos Estados Unidos: "My Love", "Let' em in", "Silly Love Songs", "With a Little Luck", "London Town", "Band on the Run", "Tug of War", "Pipes of Peace", "Give my Regards to Broadstreet", etc.
O sucesso junto ao marido lhe abriu as portas e Linda gravou seu próprio projeto que inclui faixa que ela compôs e canta o vocal principal. A canção principal de sua autoria, "Seaside Woman" (1977) foi remixada para um filme curto homônimo, premiado no Festival de Cannes em 1980. A única coletânea de suas canções com lançamento póstumo chama-se Wide Prairie (1998), com canções interpretadas por vários artistas. Outras canções que ela canta o solo principal incluem: "The White Coated Man" "New Orleans" "B Side to Seaside" e, em "I Am Your Singer", do álbum Wild Life (1972), Linda canta os vocais com Paul revezando com ele os versos solo.
VEGETARIANA-ATIVISTA E AMBIENTALISTA
  Linda se manifestava frequentemente contra o abuso aos animais, e era uma ambientalista, trabalhando com organizações como a PETA, Lynx e Friends of the Earth. Com esta atitude em mente ela comercializou vários pratos vegetarianos pré-preparados para o seu segmento no mercado com sua própria marca registrada e ficou milionária por conta própria, mesmo se não estivesse casada com o magnata do rock. Linda também publicou um livro de receitas vegetarianas que é bem popular com sua geração de fãs, comercializado nos anos da década de 1990 ("Linda McCartney’s Home Cooking" em português, "Comida Caseira da Linda McCartney").
FAMÍLIA
 Paul adotou legalmente, de um casamento prévio de Linda com John Melvin See Jr. (1937-2000), a filha (Heather McCartney): (Agora, sobrenome de casada, Potter; nasceu: 1963) e, juntos Linda e Paul tiveram: Mary (fotógrafa; nasceu: 1969); Stella McCartney (destacada Designer de roupas; nasceu: 1971); e James Louis McCartney (músico; nasceu: 1977).
O casal permaneceu casado por 29 anos e praticamente nunca se separou, a não ser por dez dias que Paul foi forçado a ficar detido por posse de maconha. Em 1997 Linda obteve o título de Lady na Inglaterra devido seu marido ter se tornado um Cavaleiro da Ordem do Império Britânico pela Rainha da Inglaterra. O pai de Linda, Lee Eastman, foi o gerente/advogado de Paul durante a separação dos Beatles na Apple Records. Várias fotos de álbuns de Paul McCartney foram tiradas por Linda McCartney. No dia 10 de abril de 1999 Paul McCartney realizou uma homenagem à esposa Linda McCartney, no Royal Albert Hall em Londres, em memória de um ano de falecimento, intitulado: A Concert For Linda, que contou com a presença de vários artistas entre eles: Eric Clapton, George Michael, Elvis Costello, Phil Collins, The Pretenders e Tom Jones. MORTE
 Linda faleceu de câncer em Tucson, Arizona, e foi cremada na Inglaterra. Paul tem agora vários netos. Prêmios[editar | editar código-fonte] 1980 Festival de Cannes, Palme d'Or, Short Film de Oscar Grillo (canção de Linda McCartney): "Seaside Woman"
Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales

Nenhum comentário: