“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

25 de fev de 2012

OMAR KHAYYÁM - Arte Tumular - 735 - Nishapur, Khorasan-e Razavi, Iran


ARTE TUMULAR 
O Mausoléu original erigido sobre o túmulo Khayyam em uma data desconhecida, foi desgastado pela passagem do tempo e finalmente desmoronou no século 17.
Foi construído o novo mausoléu, projetado pelo engenheiro Seyhoon Houshang e no dia 18 de maio de 1962 os restos mortais de Omar Khayyan foram transferidos para o novo mausoléu. A construção do mausoléu
foi feita com treliças geométricas em forma de losangos. Tanto na parte exterior e interior é decorada com os seus quartetos ( rubaiayth) escritos em vitrais.
Local: Nishapur, Khorasan-e Razavi,  Iran
Descrição tumular: Helio Rubiales

PERSONAGEM
Omar Khayyām (pronúncia persa: [omare xajɑ:m]) (Nishapur, Pérsia, 25 de julho de 1048 — 4 de dezembro de 1131), poeta, matemático e astrônomo iraniano. Seu nome completo era Ghiyath al-Din Abu'l-Fath Umar ibn Ibrahim Al-Nishapuri al-Khayyami (em persa: غیاث الدین ابو الفتح عمر بن ابراهیم خیام نیشاپوری).
Morreu aos 82 anos de idade.
SINOPSE BIBLIOGRÁFICA
Nascido em Nishapur , em uma idade jovem mudou-se para Samarkand e obteve sua educação lá, depois ele se mudou para Bukhara e se estabeleceu como um dos grandes matemáticos e astrônomos da época medieval. Ele é o autor de um dos mais importantes tratados sobre álgebra escritas antes dos tempos modernos, o Tratado sobre a Demonstração de problemas de álgebra, que inclui um método geométrico para resolver equações cúbicas pela intersecção uma hipérbole com um círculo . Ele contribuiu para uma reforma do calendário .
Sua importância como um filósofo e professor, e os poucos restantes obras filosóficas, não receberam a mesma atenção que seus escritos científicos e poética. Zamakhshari referia a ele como "o filósofo do mundo". Muitas fontes têm testemunhado que lecionou por décadas a filosofia de Ibn Sina , em Nishapur onde Khayyam nasceu e foi enterrado e onde seu mausoléu hoje continua a ser uma obra-prima da arquitetura iraniana visitado por muitas pessoas todos os anos.
Khayyām calculou como corrigir o calendário persa. O seu calendário tinha uma margem de erro de um dia a cada 3770 anos. Contribuiu em álgebra com o método para resolver equações cúbicas pela intersecção de uma parábola com um círculo, que viria a ser retomada séculos depois por Descartes.
A filosofia de Omar Khayyām era bastante diferente dos dogmas islâmicos oficiais. Concordou com a existência de Deus mas se opôs à noção de que cada acontecimento e fenômeno particular era o resultado de intervenção divina. Em vez disso ele apoiou a visão que leis da natureza explicam todos fenômenos particulares da vida observada
Como poeta é conhecido pelos Rubaiyath (em português, "quadras" ou "quartetos"), que ficariam famosos no Ocidente a partir da tradução de Edward Fitzgerald, em 1839.
Fonte: en.wikipedia.org
Formatação: Helio Rubiales

Nenhum comentário: