“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

6 de out de 2011

ROBERT TAYLOR - Arte Tumular - 638 - Forest Lawn Memorial Park (Glendale),Glendale,Los Angeles County, California, USA




Cripta
Entrada do Columbário
Columbário
ARTE TUMULAR
Placa de bronze com o seu nome e datas gravados em relevo no Columbário
Local: Forest Lawn Memorial Park (Glendale),Glendale,Los Angeles County, California, USA
Plot: Garden of Honor, Columbarium of the Evening Star
Fotos: AJ Marik
Descrição tumular: Helio Rubiales
PERSONAGEM
Spangler Arlington Brugh, com nome artístico Robert Taylor (Filley, Nebraska, 5 de agosto de 1911 – Santa Mônica, Califórnia, 08 de junho de 1969) foi um ator americano.
Morreu aos 57 anos de idade.
BIOGRAFIA
Filho único do Dr. Spangler Andrew Brugh, um médico, e de sua esposa, Ruth Stanhope Brugh, Spangler era tímido e muito estudioso. Desde cedo, começou a estudar violoncelo. No tempo em que cursava a Universidade, Spangler já havia atingido 1,80 metros de altura, sendo dotado de esplendorosos olhos azuis e belos cabelos castanhos escuros. Sua bela aparência e habilidade no tênis, além de outros esportes, lhe valeram grande popularidade.
Graduando-se em 1929, decidiu tornar-se médico como seu pai, matriculando-se no Colégio Doane, a contragosto da mãe, que o queria nas lições de violoncelo. Vencido pela determinação dela, Spangler continuou a estudar música, e logo foi transferido para o Colégio de Pamona, em Claremond, California. Uma vez lá, entretanto, foi levado a estudar arte dramática. Fez parte integrante de um grupo de teatro do Colégio, participando de numerosas peças. Nessa época, Ben Piazza, um caçador de talentos da MGM, lhe fez uma proposta de teste, mas ele inicialmente não se empolgou, pois queria terminar seus estudos e pegar seu diploma em 1933.
Formado, o jovem Spangler ambicionava tornar-se um ator profissional e, para isso, matriculou-se na Escola Dramática Neely Dixon, que preparava atores para Hollywood. Enquanto fazia seu novo curso, conseguiu um teste cinematográfico nos Estúdios de Samuel Goldwyn, que não resultou em nada. Acidentalmente, despertou a atenção de Oliver Tinsdell, um instrutor dramático da MGM. Trabalhou arduamente com ele e, em fevereiro de 1934, foi premiado com um contrato de 7 anos da MGM, começando com US$ 35 por semana, com previsão de aumentos periódicos. Logo surgiu a necessidade de um nome artístico para o novo ator, sendo Robert Taylor sugerido por Ida Kiverman, secretária particular de Louis B. Mayer.
Nos Estúdios, ninguém ignorava as pequenas possibilidades e o limitado talento do novo contratado. Mesmo fotografando excepcionalmente bem, seus primeiros filmes não foram muito animadores. Em 1935, firmou-se como o ídolo das jovens, recebendo um volume de cartas de fãs superior ao do consagrado Clark Gable. Na ocasião, Robert Taylor já ganhava US$ 450 por semana. Nesse ano, ao fazer "Sublime Devoção", ao lado de Irene Dunne, a MGM percebeu finalmente que tinha um novo astro nas mãos. Em 1936, teve oportunidade de atuar ao lado de algumas das maiores estrelas de Hollywood, como Barbara Stanwyck, em "A Mulher do seu Irmão", Joan Crawford, em "Mulher Sublime", culminando com "A Dama das Camélias", ao lado de Greta Garbo. Seu sucesso continuou em alta na década seguinte, com filmes como "A Ponte de Waterloo", ao lado da bela Vivien Leigh.
2ª GUERRA MUNDIAL
Em 1943, como piloto civil, alistou-se no Corpo Aéreo da Marinha, e comissionado a Tenente, solicitou que o escalassem para serviços de combate. Todavia, pelos seus 32 anos, foi considerado velho e aproveitado como instrutor de vôo, desligando-se do serviço ativo em 1946.
VOLTA A MGM
De volta aos Estúdios da MGM, retomou sua brilhante carreira de ator.
Em 1959, Taylor decidiu corajosamente ingressar na televisão, onde atuou como protagonista na série "The Detectives", na rede ABC, interpretando o Capitão Matt Holbrook, que foi um sucesso imediato e total. Transferiu-se para o Canal NBC para fazer "Robert Taylor's Detectives", variação do tema anterior. De 1966 a 1968, atuou ainda na TV como anfitrião e astro ocasional em "Death Valley Days", função que recebeu do amigo Ronald Reagan, que deixava a televisão para ingressar na política.
Robert Taylor casou-se duas vezes. Seu primeiro casamento foi com a atriz Barbara Stanwyck, em 13/05/1939, de quem se divorciou em 21/02/1951. Em 24/05/1954, casou-se com Ursula Thiess, com quem viveu até sua morte. O casal teve dois filhos, Terrance e Tessa, nascidos respectivamente em 1955 e 1959.
MORTE
Fumante inveterado, consumia 3 maços de cigarros por dia, e a isso lhe foi atribuído o câncer que lhe atacou os pulmões. Diagnosticado o terrível mal, teve extirpado o pulmão direito, em outubro de 1968. Abandonou o fumo, deixou de beber e passou a dormir mais cedo. Mas aí já era tarde demais, vindo a falecer no St. John's Hospital, de Santa Monica, aos 57 anos de idade.
Fonte: http://www.65anosdecinema.pro.br
Formatação:Helio Rubiales

Nenhum comentário: