“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

24 de ago de 2011

IGOR STRAVISNKI - Arte Tumular - 573 - Cimitero di San Michele ,Venice, Veneto, Italy





Vista geral
ARTE TUMULAR
Base tumular retangular em mármore branco com o seu nome escrito seguindo o ritual grego-ortodoxo.
Local: Cimitero di San Michele ,Venice, Veneto, Italy
Plot: Greek Orthodox Section, Grave 36
Fotos: Robert EdwardsGiovanni dall'Orto, Mike Reed e wikimedia.commons
Descrição tumular: Helio Rubiales
PERSONAGEM
Ígor Fiódorovitch Stravinski (em russo: И́горь Фёдорович Страви́нский; Oranienbaum, 17 de Junho de 1882 – Nova Iorque, 6 de Abril de 1971) foi um compositor, pianista e maestro russo, considerado por muitos um dos compositores mais importantes e influentes do século XX.
SINOPSE ARTÍSTICO
Foi o arquétipo do russo cosmopolita, escolhido pela revista Time como uma das 100 pessoas mais influentes do século. Além do reconhecimento que obteve pelas suas composições, ficou ainda famoso como pianista e maestro, estando nessa condição muitas vezes na estreias das suas obras.
A carreira de compositor de Stravinski foi notável pela sua diversidade estilística. Inicialmente adquiriu fama internacional com três ballets encomendados pelo empresário Sergei Diaghilev e executados pelos Ballets Russes de Diaghilev: L'Oiseau de feu ("O Pássaro de Fogo") (1910), Petrushka (1911/1947), e Le Sacre du printemps ("A Sagração da Primavera") (1913). A Sagração, cuja estreia provocou um motim, transformou o modo de pensamento dos compositores posteriores acerca da estrutura rítmica, e foi largamente responsável pela reputação duradoura de Stravinski enquanto revolucionário musical, forçando as fronteiras do design musical.
Após esta fase inicial russa, Stravinski virou-se para o neoclassicismo na década de 1920. As obras deste período tendem a utilizar as formas musicais tradicionais (concerto grosso, fuga, sinfonia), frequentemente disfarçadas com um veio de emoção intensa sob uma aparência superficial de distanciamento ou austeridade, muitas vezes prestando tributo à música de mestres anteriores, como J. S. Bach e Tchaikovsky.
Nos anos 1950 adotou os procedimentos do serialismo, utilizando as novas técnicas ao longo dos seus últimos vinte anos. As composições de Stravinski deste período têm pontos em comum com toda a sua produção anterior: energia rítmica, a construção de ideias melódicas desenvolvidas a partir de algumas células de duas ou três notas, e clareza de forma, instrumentação e expressão vocal.
Também publicou vários livros ao longo de sua carreira, quase sempre com a ajuda de um colaborador, por vezes não nomeado. Na sua autobiografia de 1936, Chronicles of My Life, escrita com a ajuda de Walter Nouvel, Stravinski incluiu a sua famosa declaração de que a "música é, pela sua própria natureza, essencialmente impotente para expressar seja o que for." Com Alexis Roland-Manuel e Pierre Souvtchinsky escreveu as suas Charles Eliot Norton Lectures (Harvard University,1939–40 ), que foram feitas em francês e mais tarde coligidas sob o título Poétique musicale em 1942 (traduzidas para o inglês em 1947 como Poetics of Music). Muitas entrevistas nas quais o compositor conversou com Robert Craft foram publicadas como Conversations with Igor Stravinsky. Colaboraram ainda em mais cinco volumes adicionais durante a década seguinte.
BIOGRAFIA (Resumida)
Stravinski nasceu em Oranienbaum (renomeada como Lomonosov em 1948), na Rússia, e cresceu em São Petersburgo. A sua infância, como ele recorda na sua autobiografia, foi problemática: "Nunca conheci ninguém que tivesse verdadeira afeição por mim." O seu pai, Fyodor Stravinski, foi baixo no Teatro Mariinski em São Petersburgo, e o jovem Stravinski começou por ter lições de piano, estudando mais tarde teoria musical e fazendo algumas tentativas de composição. Em 1890, Stravinski viu uma execução do ballet de Tchaikovsky A Bela Adormecida no Teatro Mariinsky; a execução, o seu primeiro contato com uma orquestra, fascinou-o. Aos quatorze anos dominava o Concerto para Piano em G menor de Mendelssohn e, no ano seguinte, finalizou uma redução para piano de um dos quartetos de cordas de Alexander Glazunov.
Apesar do seu entusiasmo pela música, os seus pais esperavam que se tornasse advogado. Stravinski inscreveu-se para estudar Direito na Universidade de São Petersburgo em 1901, mas essa não era a sua vocação, assistindo a menos de cinquenta aulas em quatro anos. Quando o pai morreu em 1902, Stravinski já tinha começado a dedicar mais tempo aos estudos musicais. Devido ao encerramento da universidade na Primavera de 1905, no balanço do Domingo Sangrento, Stravinski foi impedido de terminar o curso, e recebeu apenas um diploma de meio-curso, em Abril de 1906. Após essa altura, concentrou-se na música. Por conselho de Nikolai Rimsky-Korsakov, provavelmente o compositor russo mais importante do seu tempo, decidiu não entrar no Conservatório de São Petersburgo; em vez disso, em 1905, começou a ter como tutor privado, duas vezes por semana, Rimsky-Korsakov, que se tornou como um segundo pai para ele.
Em 1905 ficou noivo da sua prima Katerina Nossenko, a qual conhecia desde a tenra infância. Casaram a 23 de Janeiro de 1906, e os seus primeiros dois filhos, Fyodor e Ludmilla, nasceram em 1907 e 1908 respectivamente.
FRANÇA
Stravinski mudou-se para a França em 1920, onde iniciou uma relação musical e de negócios com o fabricante de pianos francês Pleyel. Pleyel essencialmente atuava como seu agente recolhendo royalties mecânicas pelos seus trabalhos, e em retorno atribuia-lhe um rendimento mensal e um espaço de estúdio no qual ele podia trabalhar e receber amigos e conhecimentos de negócios.
ESTADOS UNIDOS
Stravinski estabeleceu-se na área de Los Angeles onde passou mais tempo como residente que em qualquer outra cidade durante a sua vida.[24] Tornou-se um cidadão naturalizado em 1946. Stravinski tinha-se adaptado à vida em França, mas mudar-se para a América aos 58 anos era uma perspectiva muito diferente.
Em 1969 mudou-se para Nova Iorque, passando os seus últimos anos na Essex House.
MORTE
Morreu em Nova Iorque, aos 88 anos de idade e foi enterrado em Veneza na ilha cemitério de San Michele. A sua sepultura está próxima do túmulo do seu colabor de longa data, Sergei Diaghilev.
Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação resumida: Helio Rubiales

Nenhum comentário: