“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

12 de abr de 2010

ENRICO FERMI - Arte Tumular - 390 - Cemitério de Oak Woods ,Chicago ,Cook County ,Illinois, E.U.A



Cemitério
ARTE TUMULAR
Lápide tumular em mármore com o nome e datas gravados diratemente sobre o gramado do cemitério
LOCAL: Cemitério de Oak Woods ,Chicago ,Cook County ,Illinois, E.U.A.
Fotos: David N.Lotz
Descrição Tumular: Helio Rubiales

PERSONAGEM
Enrico Fermi (Roma, 29 de setembro de 1901 — Chicago, 28 de novembro de 1954) foi um físico italiano.
Morreu aos 54 anos de idade.
HISTÓRICO
Destacou-se pelo seu trabalho sobre o desenvolvimento do primeiro reactor nuclear, e por sua contribuição ao desenvolvimento da teoria quântica, física nuclear e de partículas, e mecânica estatística. Doutorou-se na Universidade de Pisa e recebeu o Nobel de Física em 1938.
Foi um dos poucos físicos da era moderna a combinar a teoria com a experiência. Após alguns anos na Alemanha, regressou à Universidade de Roma, onde, em 1926, dedicou-se à mecânica estatística de partículas que obedecem ao princípio de exclusão de Pauli, como os eletrões. O resultado é a chamada estatística de Fermi-Dirac, uma vez que Dirac chegou independentemente às mesmas conclusões. Em 1933 Fermi introduziu o conceito de interacção fraca, que em conjunto com o recém postulado neutrino, entrariam na teoria do decaimento beta. Juntamente com um grupo de colaboradores, Fermi começou uma série de experiências em que foram produzidos artificialmente núcleos radioactivos, pelo bombardeamento com neutrões de vários elementos. Alguns dos seus resultados sugeriram a formação de elementos transuranianos. De facto, o que eles observaram, e que mais tarde foi comprovado por Hahn, foi a cisão nuclear. Em 1938 Fermi recebeu o Nobel de Física por este trabalho. Foi então para os Estados Unidos da América, onde viria a participar no projeto Manhattan.
Dirigiu o projeto de construção do primeiro reator nuclear na Universidade de Chicago. Depois da Guerra, Fermi dedicou-se à Física das partículas, a que deu contribuições importantes. O elemento químico de número atómico 100, criado sinteticamente em 1952, recebeu o nome de Férmio em sua homenagem.
BIOGRAFIA
Enrico Fermi nasceu em Roma, Itália. Seu pai era Alberto Fermi, inspetor-chefe do Ministério das Comunicações da Itália, e sua mãe era Ida de Gattis, professora de uma escola primária. Desde jovem Fermi gostava de estudar física e matemática, interesses também de seu irmão mais velho, Giulio. Quando Giulio morreu inesperadamente de um abcesso na garganta em 1915, Enrico ficou emocionalmente arrasado, e se refugiou em estudos científicos para se distrair. De acordo com ele mesmo, todos os dias ele caminhava em frente ao hospital onde Giulio morreu, até que ele se acostumou com a dor. Numa banca do Campo de' Fiori, Fermi comprou e leu todas as 900 páginas do livro intitulado Elementorum physicae mathematicae, que foi escrito em latim pelo padre Andrea Caraffa, um professor do Collegio Romano, o livro abordava matemática, mecânica clássica, astronomia, óptica e acústica. Mais tarde, Fermi e seu melhor amigo, outro estudante inclinado para a ciência, chamado Enrico Persico, empenharam-se em projetos científicos, tais como, construir giroscópios, e medir o campo magnético da Terra. O interesse de Fermi pela física foi ainda mais incentivado quando um amigo de seu pai, o engenheiro Adolfo Amidei, lhe deu vários livros sobre física e matemática, que Fermi leu e assimilou rapidamente.
Em 1918, Fermi matriculou-se na Scuola Normale Superiore em Pisa, onde mais tarde recebeu seu diploma de graduação e de doutorado. Para entrar na prestigiada instituição, havia um exame para os candidatos, que incluía um ensaio. Por seu ensaio sobre o tema dado, "Características do som", Fermi, com 17 anos de idade, escolheu derivar e resolver a transformada de Fourier baseada na equação diferencial parcial para as ondas em uma corda.
Além de freqüentar as aulas, Enrico Fermi encontrou tempo para trabalhar em suas atividades extracurriculares, particularmente com a ajuda de seu amigo Enrico Persico, que permaneceu em Roma para estudar na universidade. Entre 1919 e 1923 Fermi estudou relatividade geral, mecânica quântica e física atômica.
Seus conhecimentos de física quântica atingiram um nível tão elevado que o chefe do Instituto de Física, Prof. Luigi Puccianti, pediu-lhe para organizar seminários sobre o assunto. Durante esse tempo ele aprendeu cálculo tensorial, um instrumento matemático inventado por Gregorio Ricci-Curbastro e Tullio Levi-Civita, e necessário para demonstrar os princípios da relatividade geral. Em 1921, seu terceiro ano na universidade, ele publicou seus primeiros trabalhos científicos no periódico italiano
Em 1922, ele publicou seu importante trabalho científico no periódico italiano I Rendiconti dell'Accademia dei Lincei intitulado "Sopra i fenomeni che avvengono in vicinanza di una linea oraria", E em 1922, Fermi recebeu seu diploma de graduação na Scuola Normale Superiore.
O orientador de doutorado de Fermi foi Luigi Puccianti. Em 1924, Fermi passou um semestre em Göttingen, e então ficou por alguns meses em Leiden com Paul Ehrenfest.
De janeiro de 1925 até o outono de 1926, ele ficou na Universidade de Florença. Neste período, ele escreveu seu trabalho sobre a estatística de Fermi-Dirac.
Com 24 anos, Fermi tornou-se professor da Universidade de Roma,
O grupo continuou com os experimentos que vieram a ficar famosos, no entanto, o grupo se desmantelou, em 1933 Rasetti deixou a Itália e foi para o Canadá, Pontecorvo foi para a França, e Segrè partiu para lecionar em Palermo.
Durante seu tempo em Roma, Fermi e seu grupo fizeram importantes contribuições a muitos aspectos práticos e teóricos da física. Essas incluem a teoria do decaimento beta, com a inclusão do postulado do neutrino em 1930 por Wolfgang Pauli, e a descoberta dos nêutrons lentos, que foi fundamental para o funcionamento dos reatores nucleares. Seu grupo sistematicamente bombardeou elementos com nêutrons lentos, e durante seus experimentos com urânio, por pouco não observaram fissão nuclear. Naquele tempo, a cisão era tida como improvável ou mesmo impossível, principalmente em campos teóricos. Enquanto as pessoas esperavam que elementos com maior número atômico fossem formados pelo bombardeamento de nêutrons de elementos mais leves, ninguém esperava que os nêutrons tivessem energia suficiente para realmente fragmentar um átomo mais pesado em dois elementos leves.
P PROJETO MANHATTAN
Em 1938, Fermi, com 37 anos, recebeu o prêmio Nobel de Física por suas "demonstrações da existência de novos elementosradioativos produzidos pela irradiação de nêutrons, e por sua descoberta relacionada de reações nucleares provocadas por nêutrons lentos".
Depois que Fermi recebeu o Prêmio Nobel em Estocolmo, ele, sua mulher Laura, e seus filhos emigraram para Nova Iorque. Isso foi principalmente por causa das leis anti-Semitas promulgadas pelo regime fascista de Benito Mussolini que ameaçavam Laura, que era judia. Além disso, as novas leis colocaram a maior parte dos assistentes de pesquisa de Fermi fora de trabalho.
Logo após sua chegada em Nova Iorque, Fermi começou a trabalhar na Universidade de Columbia.
Fermi se mudou para o Laboratório Nacional de Los Alamos, em etapas posteriores doProjeto Manhattan, para servir de consultor geral. Ele estava sentado na sala de controle do Reator B de Hanford quando ele ficou crítico pela primeira vez, em 1944. Seu amplo conhecimento de muitos campos da física foi útil na resolução de problemas que eram de uma natureza interdisciplinar.
Ele tornou-se um cidadão naturalizado dos Estados Unidos da América em 1944.
Em seus últimos anos, Fermi fez trabalhos importantes em física de partículas, especialmente a relacionada com mésons pi, e múons. Ele também era conhecido por ser um professor inspirador na Universidade de Chicago, e era conhecido por sua atenção aos detalhes, simplicidade e preparação cuidadosa das aulas. Mais tarde, suas notas de aula, especialmente as de mecânica quântica, física nuclear, e termodinâmica, foram transcritas em livros que ainda são impressos.
MORTE
Fermi morreu prematuramente, aos 53 anos de idade, vítima de câncer no estômago, provavelmente causado pela exposição a materiais radioativos.
Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação e Pesquisa: Helio Rubiales

Nenhum comentário: