“MEMENTO, HOMO, QUIíA PULVIS ES ET IN PULVEREM REVERTERIS. ”



ARTE TUMULAR

Existe um tipo de arte que poucas pessoas conhecem, a chamada arte tumular. Deixando-se de lado o preconceito e a superstição, encontraremos nos cemitérios, trabalhos esculpidos em granito, mármore e bronze de personalidades que marcaram época. É um verdadeiro acervo escultórico e arquitetônico a céu aberto, guardando os restos mortais de muitas personalidades imortais de nossa história, onde a morte se torna um grande espetáculo da vida neste lugar de maravilhosas obras de arte e de grande valor histórico e cultural. Através da representação, a simbologia de saudades, amor, tristeza, nobreza, respeito, inocência, sofrimento, dor, reflexão, arrependimento, dá sentido às vidas passadas. No cemitério, a arte tumular é uma forma de cultura preservada no silencio e que não deverá ser temida, mas sim contempladas.



INICIE A MUSICA

PESQUISAR: COLOQUE O NOME DO PERSONAGEM

4 de fev de 2009

SAN MARTIN Y MATORRAS 'JOSÉ FRANCISCO - Arte Tumular -118 - Catedral Metrpolitana de Buenos Aires, Argentina




San

Túmulo


Guardas de honra


Croquis da construção tumular


Catedral
ARTE TUMULAR
Complexo escultórico composto por vários tipos  e cores de mármores. Na base inferior junto ao solo em formato retangular em  mármore vermelho francês. Sobre essa base, ergue-se outra em formato retangular menor  em mármore rosado, fechando-se numa base menor onde está decorada com filigranas floral em bronze. Dando continuidade uma base menor formando uma lápide em mármore vermelho imperial suportando um sarcófago em mármore negro belga. Sobre o sarcófago alegorias de uma bandeira e espada. Nos tres lados, sobre pedestais de mármore, destacam-se esculturas em mármore branco representando figuras femininas da liberdade, protegendo o túmulo de todos os lados.

LOCAL: Catedral Metrpolitana de Buenos Aires, Argentina
Fotos: wikipedia
Descrição tumular: Helio Rubiales

PERSONAGEM
José Francisco de San Martín y Matorras (Yapeyú, 25 de fevereiro de 1778 — Boulogne-sur-Mer, 17 de agosto de 1850) foi um general argentino e o primeiro líder da parte sul da América do Sul que obteve sucesso no seu esforço para a independência da Espanha. Tendo participado ativamente dos processos de independência da Argentina, do Chile e do Peru.
Morreu aos 72 anos de idade.
BIOGRAFIA
Seu pai, Juan de San Martín, nascera na Espanha e possuía o cargo de tenente-governador do departamento. A mãe, Gregoria Matorras, era sobrinha de um conquistador da região do Chaco.
San Martín se mudou para a Espanha com seus pais no ano de 1786, indo estudar em Madrid. Em 1789, inicia sua carreira militar no regimento de Murcia, Espanha. Lutou na campanha espanhola no norte da África, combatendo nas cidades de Melilla e Orã. Em 1797 foi promovido a subtenente por conduzir ações contra as tropas franceses de Napoleão Bonaparte na região dos Pirenéus.
Nestes contatos europeus, conhece Lord Macduff, nobre escocês, que o introduz às lojas maçônicas que discutiam a independência das terras espanholas na América do Sul. Em 1811 renuncia à carreira militar na Espanha. Neste mesmo ano, por intermédio de Lord Macduff, obteve um passaporte para viajar à Inglaterra, onde encontrou-se com compatriotas da América espanhola
Em 9 de março de 1812 chegou a Buenos Aires para se colocar ao lado das tropas que lutavam pela libertação da América espanhola. Ele conduziu os rebeldes à vitória contra as tropas espanholas do general José Zavala na batalha de San Lorenzo de Paraná, em fevereiro de 1813. Recebeu o posto de General do governo revolucionário

Em 26 de julho de 1822 encontrou-se com Bolívar em Guayaquil (cidade que hoje pertence ao Equador) para discutir o futuro da América Latina independente. Não se sabe o que se discutiu neste encontro, porém se conhece o resultado: Bolívar assegurou ajuda ao Peru e San Martín renunciou a todos os seus cargos.
MORTE
Em 1824 mudou-se com sua filha para a França, onde permaneceu até o final da vida. Morreu a 17 de agosto de 1850 na cidade de Boulogne-sur-Mer. Em 1880 os restos mortais foram trasladados a Buenos Aires e sepultados na catedral.
Fonte: pt.wikipedia.org
Formatação e pesquisa: Helio Rubiales



Nenhum comentário: